FT-CI

A economia brasileira e a crise financeira internacional

Absoluta normalidade?

21/08/2007

Enquanto a crise financeira iniciada no mercado imobiliário norte-americano se estende, obrigando os BC’s da Europa a liberar seus recursos para garantir liquidez, o presidente do Banco Central brasileiro Henrique Meirelles se apressou em garantir que esta crise não afetaria o país, pois a economia brasileira estaria “muito mais fortalecida” e passando por um período de “absoluta normalidade”. Os analistas burgueses brasileiros também fizeram coro no discurso de “tranqüilidade” assegurada. Usam como argumento as reservas de dólares acumuladas pelo país no último período, que batem a casa de US$ 150 bilhões, além do câmbio flutuante o que permitiria ajustes no valor do real em relação ao dólar, se a crise norte-americana se estender a economia brasileira como sua dependente pode sofrer golpes. Um elemento chave diz respeito ã possibilidade de uma queda nas taxas de consumo da população norte-americana, pois se esta passar a ter mais dificuldades para se endividar ã partir da restrição á concessão de crédito e financiamentos a demanda por produtos de diversos tipos e, sobretudo de bens duráveis com valor agregado poderá cair.

O problema é que hoje os EUA importam um volume bastante alto deste tipo de bens da China. Isso levaria a China a ter que reduzir sua produção, para evitar assim uma crise de superprodução, já que não teria a quem vender, por um lado, e por outro seria uma pressão para a queda do preço de diversos produtos no mercado mundial. Num plano mais em médio prazo isso poderia afetar a economia brasileira que, diga-se de passagem, tem crescido inclusive abaixo da média latino-americana com uma média que não ultrapassa os 4% ao ano, índice mantido ás custas da alta valorização das chamadas commodities, que são produtos básicos e de amplo consumo tais como a soja e o petróleo, cujos preços são definidos internacionalmente. Se a crise norte-americana provocar uma queda no volume de exportações que o imperialismo realiza com a China, é provável que a demanda de exportações de commodities brasileiras por parte daquele país caia, o que abalaria um dos pilares da economia brasileira hoje.

Isso significaria, como sempre no capitalismo, que os patrões tentariam descarregar a crise nas costas dos trabalhadores, gerando desemprego e mais miséria. Este elemento ainda que não esteja colocado no plano imediato, é importante porque demonstra que a internacionalização da economia, hoje uma realidade inquestionável, leva a que uma crise de proporções nos EUA, principal imperialismo que mantém esta posição exportando suas crises, traria reflexos a todo o mundo, e que o atual crescimento das economias latino-americanas estão longe de serem independentes, pelo contrário se dão no marco de uma brutal dependência em relação ao imperialismo e a outros países como a própria China. Assim, o discurso de Lula de que “isso é problema dos Estados Unidos e dos bancos americanos", não convence sequer membros de seu próprio governo, já que o próprio ministro da fazenda Guido Mantega teve que admitir que se a crise persistir o “valor das commodities poderia cair”.

Por outro lado, há que ressaltar que um dos recursos que tranqüiliza a burguesia neste momento é o de uma possível intervenção no real, que segue muito valorizado, como medida para fazer frente ás oscilações da moeda norte-americana. O que eles não dizem é que esta medida seria uma nova via para descarregar nas costas dos trabalhadores e das massas a crise econômica, pois no caso de uma desvalorização do real diminuiria o poder de compra dos salários, retirando destes a diferença gerada pelos desequilíbrios gerados pela anarquia capitalista. No caso de uma valorização como a que se deu no dia 16 de agosto, tendência que se mantém na visão de uma série de analistas burgueses, com o dólar batendo a marca de mais de R$ 2,00 e acumulando uma valorização de cerca de 7,80% neste mês e 15,1% desde o dia 23 de julho quando se deram os primeiros sinais de turbulência, fato inédito em muito tempo cujo resultado pode ser um aumento da inflação e encarecimento das importações, prejudicando os níveis de consumo em especial das classes médias.

No plano imediato, junto com a valorização do dólar, o mercado financeiro brasileiro também acumulou perdas e sofreu instabilidade, com a queda de 3,19%, totalizando uma perda de US$ 1,264 bilhão em investimento de capital estrangeiro. Isso ocorre porque estes investidores, que muitas vezes especulam com créditos baratos conseguidos no mercado internacional, temendo a conseqüência da crise retiram seus investimentos mais arriscados, como é o caso da maioria dos papéis das semicolonias. Assim, os investidores retiram seus ativos aplicados aqui para elevar sua liquidez e se minimizar perdas frente ã crise, cobrindo suas posições no mercado internacional. Isso mostra que a economia, que se por um lado não acumulou altos índices de crescimento se comparado aos outros países latino-americanos, por outro foi um elemento de estabilidade para a situação, passa por um momento de inflexão.

Completa o cenário o fato de que se a crise norte-americana se estende não podemos descartar também que se reduza a concessão de crédito, que no último período também aumentou no Brasil, sendo também uma importante via para manter os índices da economia atuais. Isto poderia levar a uma queda no consumo de bens duráveis.
Apesar de acharmos que seria um erro recair em uma visão catastrofista, há que dizer que a “calma” dos analistas burgueses reside em grande parte em medidas econômicas pensadas para descarregar possíveis crises nas costas de trabalhadores e das massas, por um lado, e por outro numa tentativa de colocar a situação econômica do país como estável do que poderia, minimizando o caráter dependente da semicolonia. É contra isso que reafirmamos que a classe operária é a única que pode dar um fim ã anarquia capitalista e suas crises.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periodicos

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)