WEB   |   FACEBOOK   |   TVPTS

 
Haiti: Solidariedade operária e popular com o oprimido povo haitiano
16 Jan 2010 | O terremoto que arrasou o Haiti produziu uma verdadeira catástrofe no país mais pobre do continente Segundo a ONU, 3 milhões de pessoas, quase um terço dos 10 milhões de habitantes, foram afetados diretamente, enquanto que o próprio governo haitiano afirma que poderiam ser entre 30.000 e 100.000 (...)
Haiti: Solidariedade operária e popular com o oprimido povo haitiano

O terremoto que arrasou o Haiti produziu uma verdadeira catástrofe no país mais pobre do continente Segundo a ONU, 3 milhões de pessoas, quase um terço dos 10 milhões de habitantes, foram afetados diretamente, enquanto que o próprio governo haitiano afirma que poderiam ser entre 30.000 e 100.000 mortos. A ONU também alertou que o número de vítimas pode se duplicar como consequência da falta de água e do estado de decomposição dos cadáveres.

Um país ocupado e saqueado

O Haiti está ocupado desde 2004 por ordem dos EUA em acordo com as Nações Unidas, sob uma missão militar liderada pelo Brasil e composta por vários países latino-americanos. Usando o argumento de uma suposta missão humanitária conhecida como Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti), as tropas do Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Equador, entre outros, além da polícia de mais de trinta países, mantêm uma ocupação no país para garantir o negócio dos capitalistas enquanto o povo haitiano está mergulhada na pobreza.

As organizações populares do Haiti tem repetidamente denunciado as violações dos direitos humanos cometidas pelas forças de ocupação, que vão desde perseguições e detenções até assassinatos políticos, massacres nos bairros mais pobres da capital e estupro de mulheres e meninas.

A pobreza extrema neste pequeno país é o resultado do saque imperialista e dos planos econômicos monitorados pelo FMI e Banco Mundial, que desde a década de 1980 com a exigência de uma abertura econômica "e uma reestruturação para eliminar as barreiras comerciais” tornaram a dizimada economia haitiana ainda mais dependente. Exemplo disso é que hoje importam mais de 80% de arroz, um alimento básico da população.

Na fronteira com a República Dominicana as empresas multinacionais, com o apoio do governo e sob a proteção da polícia haitiana e da MINUSTAH, transformaram o cinturão industrial da região em um verdadeiro centro de escravatura em que os trabalhadores não têm direitos e as tropas dos governos "progressistas" latino-americanos garantidem os lucros dos capitalistas, impedindo os trabalhadores de se organizarem.

Nos últimos anos, a situação do povo haitiano não fez mais que piorar. Sob a ocupação da ONU, enquanto as multinacionais estavam enchendo seus bolsos, os trabalhadores e o povo pobre do Haiti viram como a saúde, educação e infra-estrutura do país está em ruínas, enquanto 80% da população vive abaixo da linha de pobreza. Isto não é um produto de catástrofe natural, mas uma política orquestrada por empresas transnacionais e pela burguesia, cujo plano é transformar o país em uma “maquila” e garantir o roubo de terras, expulsando, como aconteceu nos últimos anos, centenas de milhares de camponeses para as miseráveis favelas urbanas, transformadas em reservatórios de mão de obra barata e semi-escrava, onde a fome é tão extrema que as pessoas comem bolachas de lama para sobreviver.

Uma catástrofe anunciada

Nos primeiros anos após a ocupação, diversas ONGs já tinham denunciado a crise da infra-estrutura, que deixa milhões de haitianos ã mercê de catástrofes climáticas. Segundo Camille Chalmers, diretor da Plataforma de Desenvolvimento Alternativo no Haiti -PAPDA, "o povo irmão do Haiti mergulhou em profunda crise, com falta de instalações e serviços básicos para o desenvolvimento da vida humana (...) inundações furacões e tempestades deixaram um saldo de mais de 3000 mortos, cerca de 300 mil perderam suas casas e vilas inteiras foram isoladas, ficando incomunicáveis, sem comida, água e medicamentos.

Hoje, o governo do Haiti fala da imprevisibilidade do terremoto e da "impensável" catástrofe para fugir ã responsabilidade pelas mortes de centenas de milhares de pessoas que vivendo em condições de insegurança absoluta são um alvo seguro de um desastre como o que abalou o país. A "solidariedade" de Obama, que disse estar seguindo de perto a situação não é mais do que um gesto cínico imperialista e para demonstrá-lo disse que iria "suspender temporariamente" a deportação de imigrantes "ilegais" do Haiti. Desde a ocupação, em 2004, a dívida externa do Haiti continuou a crescer, e o Banco Mundial e o FMI continuaram cobrando pontualmemte seus juros. Nos últimos anos, os países imperialistas, hipocritamente, anunciaram algum tipo de perdão parcial, mas isto não pode esconder que a dívida do país mais pobre do continente aumentou em mais de 40 vezes nos últimos 34 anos, passando de 40 milhões em 1970 a 1,6 bilhões em 2008. Enquanto os governos dos países imperialistas gastam centenas de bilhões de dólares para socorrer os bancos não está em seus planos resgatar da miséria o país mais pobre do continente! Por sua vez, a missão da ONU gasta mais de US $ 600 milhões para garantir a ocupação, que está acima das exportações totais do país.

Tudo isso mostra a responsabilidade, não só do governo do Haiti, mas dos governos latino-americanos que estão por trás das forças de ocupação, e dos países imperialistas, que continuam a saquear o país, mesmo diante da situação terrível pela qual passa o povo haitiano. Enquanto isso, em meio a esta situação catastrófica, as Forças Armadas de todos os países que compõem a MINUSTAH - ambos os governos "progressistas" e "nacionalistas" , como Lula, Kirchner e Bachelet, Evo Morales e Mujica, anunciaram para lavar suas mãos e mascarar os abusos que as suas tropas cometeram, como parte da missão da ONU, que os capacetes azuis estão realizando ações de emergência e “humanitária”.

A verdadeira missão do exército de ocupação é reprimir o povo haitiano, como ficou demonstrado pelas declarações de vários presidentes da região ao manifestarem que a sua preocupação é com a "prevenção" da pilhagem e de tumultos. É que estes governos, mesmo em situações de emergência, mostram seu verdadeiro caráter como defensores dos interesses da burguesia. O papel das tropas é controlar a população e militarizar o país, como acontece com o controle dos aeroportos e postos de atendimento médico por parte dos militares dos EUA.

O Haiti não é só a miséria: seus gritos libertadores inspiraram a Améria e o mundo

Como sempre, e para justificar seus planos intervencionistas, os imperialistas e os governos burgueses do mundo se usam invariavelmente das estatísticas da miséria que eles ajudaram a criar com os seus planos superexploração e definem o Haiti como um dos países mais pobres do mundo. No entanto, o Haiti não é só isso. Foi um exemplo para o mundo, tornando-se o primeiro Estado independente na América Latina, a partir do estabelecimento de uma república negra e onde ocorreu uma das únicas rebeliões de escravos exitosa. A rebelião negra, na qual desempenhou um papel brilhante o grande Toussaint Louverture, foi uma espada na cabeça das potências coloniais que atirou ao mar a aventura colonial do exército de Napoleão famosa na América na então colônia francesa de Saint Dominique . É este exemplo que nos querem fazer esquecer, começando com o não reconhecimento da independência do Haiti pelo. presidente dos EUA, Thomas Jefferson, que inicia um longo período de isolamento internacional promovido principalmente pelas potências europeias e pelos Estados Unidos, que não admitiu a existência de uma nação governada por ex-escravos, o que por sua vez, significou uma ameaça para os seus próprio sistemas escravista.

Fora as tropas imperialistas e a MINUSTAH! Por uma grande campanha de solidariedade com o povo do Haiti!

O terremoto no Haiti foi um fenômeno natural que não pôde ser evitado, mas as suas consequências e como lidar, não o são. A resposta da ONU para o desastre é uma “divisão militarizada" exigindo manter a ordem e paciência na espera de doações. Isso mostra o papel das forças de ocupação, a repressão aos que foram forçados ao saque em busca de alimentos. Como se a catástrofe não foram suficientes, o povo do Haiti deve sofrer a vigilà¢ncia na mira das escopetas da MINUSTAH.

Da mesma forma Aramick Louis ministro da Saúde, declarou que "bandos armados começaram a tomar o controle das ruas", acrescentando que "a maior preocupação do governo é com um eventual surto de violência", abrindo o caminho para a repressão. Portanto, não será nem as tropas estrangeiras nem o governo servil do Haiti que é completamente subserviente ao imperialismo e ás multinacionais que darão uma solução para a situação destas pessoas. Apenas os trabalhadores e o povo haitiano podem administrar a assistência sob o seu próprio controle.

Ante esta catástrofe que o povo haitiano vive hoje desde a FT e suas seções na América Latina chamamos a uma grande campanha unitária das organizações dos trabalhadores e das organizações políticas que defendem os interesses do povo a se mobilizar e exigir que a distribuição ás multinacionais a distribuição gratuita e imediata de todos os insumos necessários para enfrentar a catástrofe, como combustíveis, medicamentos, alimentos, etc.

- Fora já as tropas da MINUSTAH!

- Fora ianques do Haiti e de toda América Latina!

- Que os lucros dos capitalistas sejam utilizados para enfrentar a catástrofe

- Que as organizações dos trabalhadores controlem os recursos recebidos

- Pelo cancelamento da dívida externa do Haiti

Fração Trotskista - Quarta Internacional

 

Receba nosso boletim eletrônico.
Online | www.ft-ci.org


Organizações da FT
A Fração Trotskista-Quarta Internacional está conformada pelo PTS (Partido de los Trabajadores Socialistas) da Argentina, o MTS (Movimiento de Trabajadores Socialistas) do México, a LOR-CI (Liga Obrera Revolucionaria por la Cuarta Internacional) da Bolívia, o MRT (Movimento Revolucionário de Trabalhadores) do Brasil, o PTR-CcC (Partido de Trabajadores Revolucionarios) do Chile, a LTS (Liga de Trabajadores por el Socialismo) da Venezuela, a LRS (Liga de la Revolución Socialista) da Costa Rica, Clase Contra Clase do Estado Espanhol, Grupo RIO, da Alemanha, militantes da FT no Uruguai e Militantes da FT na CCR/Plataforma 3 do NPA da França.

Para entrar em contato conosco, escreva-nos a: contacto@ft-ci.org