FT-CI

Campinas

Videoconferência com estudantes chilenos aprofunda debate internacional no IFCH-UNICAMP

19/08/2011

“Fantástico, estudantes chilenos estiveram aqui dentro do IFCH”, se referia um estudante ã videoconferência que se realizou na Unicamp na última quinta-feira (18/08) : dois estudantes e um jovem professor, todos do Partido dos Trabalhadores Revolucionários (PTR) e ativistas orgânicos dos processos de mobilização que vem envolvendo centenas de milhares de estudantes, puderam compartilhar com algumas dezenas de estudantes da Unicamp a rica experiência no processo chileno.

Numa conjuntura internacional em que vemos diversos processos revolucionários explodindo no mundo árabe, mobilizações massivas na Europa - como as greves gerais da Grécia, os indignados na Espanha, as lutas contra as reformas de Sarkozy na França e, mais recentemente, as explosões na periferia da Inglaterra –, as mobilizações que vemos no Chile são primeiras expressões do potencial reservado da força da juventude e dos trabalhadores na América Latina.

Assim, na teleconferência, os companheiros chilenos puderam colocar uma reflexão sobre algumas raízes dessas mobilizações em sua particularidade : num país em que a educação sofreu um ataque bastante concentrado, advindo dos anos duros de privatizações de Pinochet e da falácia da transição democrática - chegando ao cúmulo de ditador “deposto” se transformar em senador vitalício-, manteve-se castas burocráticas nas universidades e burgueses especulando através dos negócios privados da educação. Desse modo, a crise aberta no regime chileno, especialmente com o governo de direita de Piñera do Renovación (que, igualmente como anteriormente a frente Concertación, tem aprofundado os ataques), expressa uma situação limite na qual a juventude chilena quer dar um basta, colocando a plataforma da educação gratuita não como o ponto de chegada, mas como uma condição fundamental para questionar mais de fundo todo um sistema político que só tem levado a ataques ã juventude e trabalhadores de conjunto.

A questão do Chile também possibilita uma reflexão importante no sentido da falsa estabilidade, propagandeada aos quatro ventos pelos governantes, que as semi-colonias latino-americanas pareciam ter adquirido. Chile e Brasil eram tidos na América Latina como os países mais estáveis, onde o Chile era apontado, pelas relações bilaterais com o imperialismo (marca do governo “socialista” anterior de Bachelet) como um “exemplo” neoliberal na região. Nesse sentido, abrimos uma reflexão na videoconferência de como a estabilidade aparente da situação política brasileira pode sofrer mudanças bruscas, como tem ocorrido no Chile em que, desde Pinochet, não se via mobilizações de massas nas ruas como as que estão ocorrendo agora com centenas de milhares.

Do ponto de vista da conjuntura nacional e os ataques que temos visto no último período, vem se implementando um projeto acelerado de privatizações para o ensino superior no Brasil, com os governos financiando os lucros empresarias através de universidade pagas e precarizadas (fundamentalmente através do PROUNI) ; nesse sentido, as lições do processo chileno também contribuem para aprofundarmos a discussão de educação na conjuntura nacional, possibilitando campanhas que discutam mais profundamente que projeto de educação e de universidade a juventude deve reivindicar.

Para nós do ANEL ás Ruas esse processo passa por combater ferrenhamente esse plano de privatização, lutando por uma universidade aberta e a serviço dos trabalhadores (sem o filtro social do vestibular) e pela estatização dos monopólios privados da educação. O “Brasil potencia” mostra seus pés de barro em sua debilidade estrutural educacional, e a juventude tem que, como nas mobilizações chilenas, extrapolar o debate corporativo de educação, questionando os projetos do governo que vinculam a educação com a formação de força de trabalho precarizada, a serviço da hiperexploração via terceirizações e demais formas que vem mantendo os trabalhadores e a juventude em condições de vida degradantes, facilitando a extração de altos lucros para as multinacionais e o imperialismo.

Assim, a videoconferência propiciou ricos elementos para pensarmos nossa situação nacional e as contradições colocadas na falsa estabilidade do “Brasil potencia”, trazendo num outro sentido experiências fundamentais para avançarmos num movimento estudantil realmente internacionalista, que crie solidariedade orgânica com os processos internacionais e, ao mesmo tempo, aprenda e tire lições desses processos, forjando uma juventude revolucionária.

Festa em apoio ás mobilizações

No mesmo dia, como um “desdobramento” da teleconferência, os estudantes do bloco ANEL ás Ruas também impulsionamos uma festa temática em solidariedade aos processos internacionais, particularmente a Inglaterra e no Chile. Com iniciativas artísticas, os estudantes decoraram a festa com diversas frases, faixas e fotos dos processos em vigência, inclusive um telào projetava durante toda a festa fotos e vídeos das mobilizações internacionais.

A festa também contou com participação especial da banda “As Papoulas”, que deram o tom musical imprimindo o ânimo para uma festa diferente do tradicionalismo conservador que é imposto ã juventude, subvertendo a lógica da indústria cultural que com todas as pressões conservadoras mantém a arte refém da escória cultural burguesa.

Com isso, o bloco ANEL ás Ruas buscou fazer da festa e socialização um espaço dos estudantes que questione e aponte uma outra perspectiva para juventude, inspirada na “indignação” expressa no cenário internacional e que busque forjar uma novo espírito e nova subjetividade, em consonância aos novos tempos que se avizinham num marco de crise internacional capitalista, processos revolucionários e mobilizações em todo mundo.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)