FT-CI

Itália

Um governo de “técnicos” para salvar os banqueiros e a Confederação Industrial

20/11/2011

Por Claudia Cinatti, PTS

Depois de ocupar o cargo de primeiro ministro por três ocasiões durante as últimas duas décadas, Berlusconi teve que deixar o poder no dia 12 de novembro.

Logo após sua renúncia, o senado e a câmara de deputados aprovaram em tempo recorde o pacote de cortes sociais, congelamento de salário dos funcionários públicos e flexibilização do mercado de trabalho.

Dezenas de milhares de pessoas saíram ás ruas em Roma para festejar a saída e o que poderia ser o fim político do “Cavaliere”. Entretanto, Berlusconi não caiu pela ação do movimento de massas, embora seu governo fosse profundamente impopular como vimos nas múltiplas mobilizações e lutas, mas sim produto da pressão da União Européia (UE), a patronal agrupada na Confederação Geral da Indústria Italiana (Confindustria), e o FMI. A imprensa capitalista opositora e o amplo arco policlassista “antiberlusconiano” tenta criar expectativas em que seu sucessor, Mario Monti, devolverá a “seriedade” ao capitalismo italiano, presidindo um governo “neutro” ou “técnico” que permita recuperar a confiança nos mercados e reviver o anêmico crescimento econômico.

Entretanto, a pretendida “neutralidade” é uma grande mentira que mais cedo ou mais tarde ficará em evidência: Monti representa os interesses dos bancos e das grandes corporações que o colocaram no governo, inclusive melhor do que fez o próprio Berlusconi.

Uma substituição ao gosto dos capitalistas

Há muito tempo, Berlusconi perdeu a confiança da grande patronal, dos banqueiros, dos “mercados” e de seus sócios da União Européia, principalmente de Merkel e Sarkozy, que o consideravam absolutamente incapaz de levar adiante o duro ajuste econômico exigido para evitar um possível default da dívida italiana –que cresceu 120% do PBI do país, ao redor de 2 trilhões de euros - que arrastaria consigo os grandes bancos alemães e franceses e ã mesma eurozona (ver LVO 452).

Foram justamente estas forças –a patronal, os bancos, a UE e o FMI- as que precipitaram sua saída e as que hoje são a sustentação do novo governo “técnico” encabeçado por Mario Monti, um economista liberal e ex-comissário da União Européia, posto a dedo pelo presidente G. Napolitano para que preserve os interesses dos grandes capitalistas locais e europeus e descarregue a crise sobre os trabalhadores e a grande maioria da população.

Para o caso de ficar alguma duvida do caráter de servente dos interesses do grande capital do governo “técnico” de Monti, basta ver a composição de seu gabinete, integrado entre outros, por figuras provenientes das finanças e das grandes empresas, como Corrado Passera, executivo de Intesa Sanpaolo, um dos dois bancos mais poderosos do país, que estará a cargo das pastas da indústria e infra-estrutura (obra pública e transporte).

Para ocupar o cargo do governo, Monti exigiu permanecer no cargo por pelo menos um ano e meio, quando deverão ocorrer as eleições parlamentares. Necessita esse tempo para levar adiante as reformas econômicas profundas exigidas pela União Européia. No imediato, seu governo tentará implantar um pacote de austeridade que inclui o congelamento do salário dos funcionários públicos que se poderia prolongar até depois de 2014; aumento do IVA; extensão da idade para aposentadoria e uma reforma trabalhista que facilitará a demissão dos trabalhadores.

Embora os partidos políticos não participem do novo gabinete, com exceção do “socialista” G. Amato, Monti conta com o apoio de um amplo espectro que vai desde a direita berlusconiana até a centro-esquerda burguesa do Partido Democrático. Inclusive foi saudado pelo governador “esquerdista” de Puglia, Nicchi Vendola, líder do partido Esquerda, Ecologia e Liberdade (SEL sigla em italiano). Somente o ex-sócio de Berlusconi, Umberto Bossi, da ultra-direitista Liga Norte, preferiu ficar fora das negociações febris que precederam ã formação do governo. Não só a patronal e seus partidos sustentam Monti, mas também a traidora burocracia das centrais sindicais oficiais lhe deram seu apoio. Os sindicatos de base chamaram a mobilização para o início de dezembro, a imagem e semelhança da CGIL, vinculada ao PD, que não podia atuar de outra forma ante o anuncio do plano de ajuste divulgado pelo ex Comissário europeu.

Mas apesar desta aparente unidade, o governo de Monti é produto da debilidade da classe dominante.

Tendências bonapartistas

Tanto a ascensão de Monti na Itália, como a de Lucas Papademos na Grécia substituindo o ex primeiro ministro Y. Papandreu começam a marcar uma tendência para a formação de governos de “unidade nacional” ou de “técnicos” impostos pelos banqueiros, a grande patronal e os líderes da UE, Merkel e Sarkozy (que junto com o FMI e o Banco Central Europeu formam o chamado “Grupo de Frankfurt”), para responder ã crise política burguesa e lidar com o movimento de massas e levar adiante os planos de austeridade.

Na Grécia, o governo de “unidade nacional” que sucedeu Papandreu está formado pelos dois principais partidos do regime, o social-democrata PASOK e o conservador Nova Democracia e pelo partido de extrema direita LAOS, uma organização xenófoba com boas relações com a Igreja Ortodoxa. Uma das principais missões deste governo será tratar de derrotar a dura resistência que vem travando os trabalhadores, a juventude e os setores populares que nos últimos 18 meses protagonizaram mobilizações massivas e 15 greves gerais – o último de 48 horas em 19 e 20 de outubro.

No caso da Itália, foi o presidente G. Napolitano, um velho político ex militante do Partido Comunista Italiano, que nomeou Monti como senador vitalício e negociou, como representante dos interesses da UE e da patronal, a conformação do novo governo.

Esses supostos “técnicos” não são apolíticos nem neutros, senão aqueles que se elegem em função de sua capacidade para implantar medidas profundamente anti-operárias e antipopulares sem ser pressionados pela mobilização. Como explicava o revolucionário italiano A. Gramsci, “todo governo de coalizão é um grau inicial de cesarismo, que pode ou não desenvolver-se até graus mais significativos”, ou seja, uma “solução arbitraria” a uma situação na qual não decidiu ainda o enfrentamento entre as classes fundamentais.

Esta tendência bonapartista (ou cesarista) que impõe governos que se colocam por cima das contradições sociais, se desenvolve mais em crises capitalistas profundas como a que estamos vivendo, na qual se desgastam os mecanismos clássicos da democracia burguesa, como o parlamentarismo, e tende a ficar exposta a ditadura do grande capital.

Dificilmente estes governos conseguirão impor suas políticas de austeridade sem provocar uma ampla resistência e oposição dos trabalhadores e dos setores populares. Pela direita, as tendências bonapartistas das burguesias e o surgimento de variantes nacionalistas extremas, e pela esquerda, a resistência operária e popular aos planos de austeridade, como na Grécia, a emergência do fenômeno dos indignados, preanunciam o desenvolvimento de acontecimentos convulsivos. Para essa perspectiva, nos preparamos, os revolucionários.

17-11-2011

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)