FT-CI

Estado de Emergência no Paquistão

Um auto-golpe militar com a cumplicidade de EUA

11/11/2007

O general Pervez Musharraf, um aliado chave dos EUA em sua suposta “guerra contra o terrorismo” decretou no dia 03/11 o estado de emergência. Este general que subiu ao poder após um golpe de Estado em 1999 suspendeu indefinidamente a constituição o direito de liberdade de expressão, de reunião, e associação e livre movimento, retirando a autoridade das cortes constitucionais de ditar ordens contra ele mesmo como presidente, o primeiro-ministro e todo aquele que fale em seu nome; impôs uma rigorosa censura ã imprensa, e introduziu duras penas contra o “crime” de “ridicularizar” o presidente, as forças armadas ou qualquer outro órgão executivo, legislativo ou judiciário. Musharraf também destituiu o chefe da Corte Suprema, Muhammad Chaudhry, que deveria deliberar (provavelmente em forma negativa) sobre a legalidade da reeleição presidencial de Musharraf de 6 de outubro. O general-presidente obteve esta reeleição por sufrágio indireto, em um momento em que sua popularidade está em plena decadência.

A cumplicidade dos EUA

Este segundo golpe de Musharraf tem sido avalizado pela administração Bush, pelo governo trabalhista britânico, e outros poderes ocidentais. A secretária de estado, Condoleezza Rice, enquanto descrevia a declaração do estado de emergência como “altamente lamentável”, reafirmava que Washington seguiria cooperando com o regime militar paquistanês. A reação do Pentágono foi ainda mais moderada, com seu porta-voz declarando que o estado de emergência “...não impacta em nosso apoio militar aos esforços do Paquistão na guerra contra o terror”. Estas plácidas reações contrastam com a vigorosa denúncia contra a junta militar birmane (um aliado da China) e sua violenta supressão das manifestações contra o aumento dos preços da gasolina e a falta de liberdades democráticas no mês passado. O que explica isso é que o regime do Paquistão é um aliado chave de Washington em sua política na Ásia Central e Oriente Médio. Musharraf deu apoio logístico ás invasões e ocupações do Afeganistão e Iraque, além de ter provido as agências de inteligência norte-americanas com centros para a prática de torturas. Além disso, conta com armas nucleares que poderia cair nas mãos dos grupos islamitas, um dos maiores pesadelos do Ocidente. Assim, os EUA e seus aliados não retirarão seu apoio a Musharraf. Ao contrário, o aumentarão - como parecem ter feito com êxito ainda que haja declarações contraditórias dos porta-vozes do regime - até que comece a reconstruir uma fachada de constitucionalismo.

Uma situação extremamente convulsiva

O estado de emergência é um ato desesperado de um regime que está perdendo o controle da situação. Este regime militar manteve um equilíbrio difícil: enquanto se representava como um dos baluartes da “guerra contra o terrorismo” de Bush, lançava limitados ataques contra os fundamentalistas islà¢micos em seu território. Neste sentido, o massacre da Mesquita Vermelha marca um ponto de inflexão na relação dos militares com o islamismo político. Dois fatores se combinaram para este giro. Em primeiro lugar, a suspensão do chefe do Tribunal Supremo, Chaudry, abriu espaço para um vasto movimento de massas contra o governo. Este movimento revigorou os partidos políticos burgueses, os quais incorporando-se ás mobilizações encabeçadas pelos magistrados e advogados, chegaram inclusive a chamar greves de massas após os ataques armados dos partidários semifascistas de Musharraf. Este movimento fez o governo recuar, reinstalando o chefe de justiça suspenso. O segundo elemento foi a pressão dos EUA contra a continuidade do uso das fronteiras do norte do Paquistão como base de operações das forças que lutam contra a ocupação da OTAN no Afeganistão. Frente a esta crescente oposição interna e ás dúvidas em Washington sobre sua capacidade ou vontade de conduzir a “guerra contra o terrorismo” em seu próprio território, é que o regime se viu obrigado a um confronto com os fundamentalistas islà¢micos.

Com estas ações, Musharraf tratava de ganhar a simpatia norte-americana, uma vez que se abriria ao Partido Popular do Paquistão de Benzair Bhuto, ex-presidente do país e a favorita dos EUA e da UE para desviar a ação das massas a uma “contra-revolução democrática”. Entretanto, o custo deste giro foi uma maior desestabilização que ameaça estender a guerra civil ao conjunto do país, como demonstra a série de atentados suicidas, expressão da crescente oposição ao regime da maioria da elite religiosa. Com as recentes medidas de emergência, Musharraf isolou as classes médias e profissionais educadas, apostando no apoio dos militares e na sua coesão interna como única via para conservar o poder.

Para Washington o estado de exceção imposto pelo presidente paquistanês ameaça se voltar contra ele, avivando o descontentamento da população contra o Exército - o principal sustentador do Estado paquistanês dado seu caráter fragmentado como nação - e o conjunto da burguesia pasquitanesa, além de multiplicar os atentados extremistas próximos ã Al Qaeda. Era isso o que havia tratado de prevenir promovendo o acordo com o partido populista de Bhuto, a qual já em duas ocasiões salvou os militares do ódio da população preservando a autoridade bueguesa, quando as ditaduras sustentadas pelos EUA colapsaram. O fracasso desta saída complica os planos dos EUA na região, vendo outro de seus aliados iniciar um jogo contra seus desígnios, como é o caso da Turquia em relação ã guerra do Iraque.

Pela greve geral para derrubar Musharraf e toda a ditadura militar!

A primeira medida de emergência é a maior unidade de ação para liquidar o estado de sítio, mediante a imposição de uma greve geral como a que já neste ano fez retroceder parcialmente o general paquistanês. Só mediante uma greve geral indefinida se poderá derrubar a Musharraf e toda a ditadura militar. Benazir Butto, a principal opositora do país com apoio de massas, espera uma espécie de repartição de poder com Musharraf e até agora havia mobilizado seus simpatizantes deixando só os milhares de advogados que encabeçaram os primeiros protestos contra o estado de sítio. Agora, chama uma grande marcha com outros líderes opositores. Em suas declarações ã imprensa disse “se não fazemos nada, então Musharraf pensará que a nação apóia o que passou. O povo deste país quer mudança. Eles querem que o general Musharraf anuncie a restauração da Constituição, sua retirada como Chefe do Exército e a realização das eleições”. A covardia política dos líderes opositores burgueses não tem limites: agora pressionada pelo repúdio ao autogolpe o máximo que chega a exigir é que Musharraf renuncie ã chefia do Exército mas conservando a presidência como civil e a realização de eleições na qual espera ser consagrada como primeiro-ministro, mas sob o marco da ditadura, respeitando desta maneira o anti-democrático de uma ditadura constitucional forjado pelos EUA, Bhuto e Musharraf.

Por isso é essencial que os trabalhadores e pobres da cidade e do campo não confiem nos políticos como Benzair Bhuto que pactuou com o regime de Musharraf em troca do fim de seus processos de corrupção, e que só pode levar ã continuidade concertada do regime militar ou no melhor dos casos a uma saída falaciosa da ditadura para uma “contra-revolução democrática” salvando as forças armadas assassinas. E menos ainda a uma posição independente dos EUA. Estes políticos patronais estão contra desatar com suas ações uma mobilização independente das massas operárias e camponesas que não só jogue por terra a ditadura, como que ponha em questão o domínio das forças armadas.

Por isso, a queda da ditadura só pode vir da ação independente dos trabalhadores e dos pobres da cidade e do campo. Para conseguir esta saída é essencial que a classe operária que vem resistindo contra os planos neoliberais de Musharraf se localize como caudilho da nação, lutando para liquidar Musharraf e a ditadura e o peso das Forças Armadas na vida do país, ao redor de uma poderosa aliança das classes que não só tome em conta suas reivindicações de classe, como também as demandas destes setores oprimidos, lutando pela expropriação dos grandes latifundiários e pelo fim dos bandos armadas nos povos formando uma milícia operária/camponesa.

Só se a classe operária se coloca como a maior defensora dos direitos democráticos elementares das massas na luta contra o imperialismo, a ditadura e as Forças Armadas assassinas, será capaz de tirar os pontos de apoio ás forças islà¢micas, que ainda que se enfrentem ao imperialismo - enfrentamento que todo revolucionário deve apoiar - jogam um papel fortemente reacionário na política interna atacando todo militante de esquerda ou mulher que não apóie a implementação da sharia (leis islà¢micas). Só a classe operária encabeçada por um partido revolucionário, que una a luta democrática estrutural à luta pela revolução socialista pode extirpar a exploração, a corrupção e o domínio militar do Paquistão, das duas forças que o vêm dizimando e que como demonstrou o escandaloso acordo entre a populista Bhuto e Musharraf estão fortemente entrelaçados.

— 

Para saber mais

O Paquistão é formado por cinco grupos étnicos: punjabíes, pastunes, cachemires, sindhis e baluches. Nenhum destes grupos é inteiramente paquistanês, como é o caso dos baluches que também estão no Irã, pastunes no Afeganistão e os punjabíes na Índia. Devido a suas fortes divisões - fruto da conquista britânica da Índia e das fronteiras que foram herdadas pelo Paquistão e demais países da região quando se separou da Índia em 1947 - as forças armadas tem sido o elemento central do Estado já que garante a coesão do país. Não por casualidade o país passou mais da metade de seus 60 anos de existência sob o mando de generais golpistas. Por isso uma questão determinante da evolução do país é a unidade das forças armadas, seja pela via de fraturas pelo alto ou pelo surgimento de insubordinação na tropa.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)