FT-CI

23 días de heróica luta dos trabalhadores

Terrabusi: não ã repressão e não cair em enganos

13/09/2009

A histórica luta dos trabalhadores e trabalhadoras de Terrabusi continua escrevendo novas paginas. Haviam retomado a paralisação total da produção na terça-feira dia primeiro e a luta continuava firme. Nesse marco, na sexta –feira dia 4 pela manha a empresa descarregou um lock-out contra os trabalhadores, com a ajuda da fiscal de Talara, Laura Capra. A desocupação completa da fabrica foi ordenada `as 10 da manha. A intenção estava clara: aterrorizar o conjunto dos trabalhadores e deixar apenas os demitidos dentro para preparar a desocupação sem a presença das centenas de companheiros que trabalham por turno.

As 11 da manha a fábrica estava vazia e apenas um grupo de demitidos encontrava-se isolado no prédio imenso. Como foi possível cair nesta manobra da patronal ianque? Lamentavelmente os delegados da comissão interna do turno estavam cientes desta situação, porem uma assembléia do turno da manha não havia sido realizada onde a base operaria pudesse discutir e preparar as medidas da massa de trabalhadores do turno matutino. Na medida em que a assembléia não se realizou e não foi possível organizar o turno, quase todos se retiraram quando a empresa ordenou o esvaziamento da fabrica, em uma retirada completamente desordenada na qual a comissão interna tentou inutilmente deter a saída dos trabalhadores. (Está é a verdade dos fatos; não as historias e calunias que o PCR circula em seus jornais). A partir disso as discussões sobre o que fazer, começaram. Para nós a melhor medida era manter um setor dos dirigentes dentro da planta enquanto outro setor se mantivesse na luta fora. Os companheiros da maioria da Comissão Interna tinham outra posição, que era de manter todo o grupo dentro, inclusive os principais dirigentes internos e resolver esta questão em uma assembléia na qual apenas os demitidos que estavam dentro participassem. Erro fundamental frente ao perigo eminente de repressão. Enquanto isso os companheiros do turno (que não podia entrar) cortaram a estratégica Av. Henry Ford.

Assembléias para massificar a luta

Finalmente foram realizadas assembléias conjuntas, no portão, onde mais de 200 trabalhadores, entre demitidos e não demitidos, resolveram que seria melhor que todos se retirassem para não passar o fim de semana isolados e na segunda-feira voltar a ingressar quando todos os trabalhadores estivessem presentes. Procurar uma medida na qual os demitidos estivessem rodeados de varias centenas de companheiros foi uma medida acertada. Desta forma foi como cedo na segunda-feira os demitidos se organizaram e conseguiram entrar na fábrica. Apesar de uma forte presença policial de mais de 200 efetivos e para a surpresa dos trabalhadores do turno matutino, os demitidos conseguiram ingressar no refeitório junto ã Comissão Interna, provocando uma enorme alegria. Depois a policia tentou detê-los, mas não conseguiu. Dezenas de trabalhadores saíram em sua defesa e o rodearam da solidariedade necessária para evitar a detenção diante de um grupo de policias que chegou a disparar dentro do refeitório. Uma grande ação espontânea dos trabalhadores do turno matutino que demonstrava quão necessário é procurar uma unidade entre demitidos e não demitidos. A partir disso a planta se manteve paralisada, por mandato da assembléia.

A Bonaerense ã serviço da Kraft-Terrabusi

Do lado de fora um grupo de demitidos queria ingresso quando foram reprimidos. Balas de borracha, gases, e cassetetes foram utilizados para dispersar os companheiros que não se acuaram. Houveram feridos, entre eles o companheiro Javier Hermisilla do turno noturno, membro da Comissão Interna, que recebeu quatro balaços, entre elas uma no rosto. Em pouco tempo todos os canais de televisão transmitiam ao vivo a situação de Terrabusi. Foi possível colocar o conflito na vida política nacional. O turno vespertino e noturno estiveram paralisados. Durante o dia organismos de DDHH foram entrevistados pela fiscal que havia ordenado a saída dos trabalhadores e recusaram uma comissão encabeçada pelo Premio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel. Nesse meio tempo, um grupo de trabalhadores e familiares se dirigiu ã ao palácio de Olivos para reclamar ã Presidenta. O jornal Clarín e Critica refletiram essa medida. Durante a noite a situação fica tensa. Apos ás 23 horas, o Ministério não informa sobre nenhum prorrogação na conciliação obrigatória, dando por fim a medida. O Ministério do Trabalho que prorroga a maioria das conciliações quando esta não ha acordo, não prorrogou desta vez, se colocando do lado da patronal. Diante disso tudo, os trabalhadores demitidos se mantiveram dentro da planta e uma assembléia numerosa do turno noturno vota a continuação da luta. Chega-se ao consenso que desta vez um grupo de delegados por turno fique do lado de fora para organizar a luta caso ocorra repressão e detenções. A paralisação continua e são votados cortes de rotas. Pela manha de quarta-feira o turno entra e decide manter regime de “assembléia permanente” pela reincorporarão dos demitidos. Os lideres não conseguiram quebrar esta situação. Chantagem os trabalhadores e lhes dizem que se a medida se mantivesse não seriam pagos, mas mesmo assim não conseguem que os trabalhadores voltem ao trabalho. No final da tarde Capra, a fiscal, retorna ã fábrica. Os trabalhadores a repudiam. Chegou ao absurdo de tomar declarações dentro da planta diante dos gerentes e sem a presença de um advogado ou de um membro da interna. Os trabalhadores tem razão quando a acusam de estar do lado da empresa. A fiscal teve de se retirar diante do massivo repudio.

Todo o apoio para que triunfem

Na quinta-feira pela manha a luta histórica continua. O PTS coloca a disposição todas suas forcas para o triunfo deste histórico conflito da classe trabalhadora. Redobramos nossos esforços ate conseguir o triunfo desta luta. É necessário fortalecer o fundo de greve e os bônus que conseguiram para continuar a luta. É necessário que a partir dos locais de trabalho ou de estudo se redobre uma campanha para o triunfo desta luta. Viva a luta dos companheiros e companheiras da Terrabusi!

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)