FT-CI

Siria

Seguem os combates, aumenta a crise política

11/08/2012

Por Diego Dalai

No dia 8 de agosto, o bairro Saladino – fortaleza dos rebeldes – sofreu, após dias de bombardeamentos, a ofensiva generalizada do exército que nos dias prévios havia concentrado 20 mil efetivos nas periferias de Alepo. O governo disse que recuperaram a região, mas os rebeldes negam. O certo é que se luta rua por rua, casa por casa. Depois de quase 20 dias, a segunda cidade mais importante da Síria continua sendo o principal cenário da guerra civil que movimenta o país há mais de um ano. Mas o “palco das operações” abarca todo o país. Na capital, Damasco, os rebeldes retrocederam frente ao maior poder de fogo do regime, mas ainda conservam zonas sob seu controle e recentemente desferiram um golpe com um novo atentado com bomba desta vez ã Televisão estatal. No interior a luta também continua e se calcula que 40% do territorio nacional esteja sob controle rebelde.

Uma deterioração progressiva do regime

Outro fato de grande repercussão nos últimos dias foi a deserção e fuga do primeiro ministro, Riad Farid Hijab, que Assad havia nomeado há apenas dois meses. Esta deserção em si tem grande importância, já que é a de mais alto escalào político. Mas é de importância ainda maior se tomarmos em conta que Hijab era sunita e dirigente do partido Baaz. Está claro que Assad está progressivamente perdendo os poucos aliados internos que lhe restam e e que se vão reduzindo ao seu entorno mais próximo dentro da minoria opressora alawita.

Contar com aviões de caça – bombardeiros e helicópteros armados – que dia após dia esmagam as posições inimigas com tanques e artilharia pesada, não bastam para a ditadura de Assad esmagar o movimento. Tampouco as tropas de elite do exército e as temidas “shabiha” (bandos de capangas armados) que se contam aos milhares. É que a frente de batalha pouco clara e disseminada por todo o território obriga o exército a desviar as forças em diversos pontos, debilitando sua força num combate pouco convencional e com muitos traços de guerrilha urbana. Há também uma grande dispersão em grupos locais e até por bairros, entre os quais estão os Comitês Locais de Coordenação, que lutam contra a ditadura.

A oposição armada

Entre as massas existe um profundo ódio contra a ditadura da família Assad que governa há 42 anos em base ã força de repressão e mantendo o domínio da minoria religiosa e rica alauita (em acordo com a burguesia sunita e a minoria cristã) sobre a imensa maioria do povo que é sunita (80% da população). Desde que iniciaram os protestos de massas como parte da “primavera árabe”, em março de 2011, a base da mesma esteve nos bairros mais pobres. Logo, mostrando os limites da espontaneidade, a revolta tomou as características de uma guerra civil onde as massas não atuam de forma independente e setores da oposição como o Conselho Nacional Sírio (CNS), no exílio, são abertamente pró-imperialistas. As organizações armadas dos rebeldes, como o Exécito Livre Sírio (ELS), não respondem diretamente a eles nem pediram até agora uma intervenção das potências imperialistas como ocorreu no caso da Líbia onde os rebeldes pediram a intervenção armada da OTAN. Sem dúvida, o ELS recebe apoio ativo de potencias regionais, principalmente da Turquia (onde funciona o quartel general do ELS), Arábia Saudita e Quatar que são aliados e agentes diretos dos EUA na região. Além disso, recentemente, veio ã público que “meses atrás” o presidente Obama habilitou a CIA e outras agências de inteligência yanquis a prestar “assistência” aos rebeldes na Síria (El País, 02/08).

O cenário regional

Um fato de grande relevância nesses dias é que o maior aliado do regime sírio na região, o Irã, está se vendo obrigado a entrar mais abertamente no conflito. No domingo, um contingente de 48 iranianos foram feitos prisioneiros pelo ELS e acusado de pertencer (alguns deles) ã Guarda Revoluconária, elite das Forças Armadas iranianas. O Irã desmentiu a acusação afirmando que se trata de peregrinos religiosos e pediu expressamente ã Turquia e Quatar que mediem para chegar numa solução.

Dias mais tarde, Said Jalili, enviado do lider supremo do Irã Ali Jamenei, viajou pessoalmente ã Damasco para transmitir o decidido apoio do Irã ao regime sírio. Caso Assad caia, o Irã perderá seu principal aliado na região. Seu outro aliado é o Hezbolá libanês, mas é muito menos importante do que a Síria. Isso tudo num momento delicado para o regime iraniano, pois a “pressão internacional” (leia-se: imperialista), com a desculpa de seu projeto nuclear, vem aumentando.

O Irã não pode permitir uma mudança de regime na Síria que, de todas as perspectivas, lhe será prejudicial, ainda que se mantenham alguns elementos da ditadura de Assad. É por isso que, frente ao avanço do ELS no terreno e sobretudo nas contínuas deserções de altos funcionários, o Irã se vê obrigado a se meter mais profundamente no conflito o que, por sua vez, redobra o alerta de Israel e do imperialismo e traz a possibilidade de aumentar o conflito.

O imperialismo busca uma transição ordenada

A guera civil está acelerando as discussões e negociações fora do país para encaminhar uma transição mais ou menos ordenada. Nos EUA, a direita republicana e o lobby israelense (de cara para as eleições de novembro) criticam Obama pela “falta de liderança” frente ao conflito sírio. Num recente editorial do diário de Washington Post disseram abertamente o que deveria fazer: 1)Criar uma coalizão com influência real no terreno com os países amigos da Síria – Turquia, Arábia Saudita, Quatar e Jordânia e mais França e Grã-Bretanha; 2)Formar uma frente de oposição no exterior (ainda que reconhece que é uma tarefa muito difícil) que possa preparar uma transição pacífica atraindo elementos do velho regime evitando assim um caos pós-Assad; 3)Prestar ajuda militar abertamente ao ELS para que esta tarefa não fique só nas mãos dos “poderes regionais” (Turquia e Arábia Saudita) e ganhar um lugar nas negociações quando os combates terminarem; 4)Nessas condições, chegar a um entendimento com a Russia assegurando que seus interesses não sejam afetados em um novo regime sem Assad, isso deixaria o Irã “fora do jogo”; 5)Manter um papel ativo na ONU para definir um “roteiro” de transição e comprometê-la com um papel relevante como teve no Afeganistão.

Mas não é tão fácil

Como dissemos noutros artigos, a negociação com a Russia é complicadíssima porque poderia perder suas última posições em uma região chave a nível mundial. A idéia de formar uma frente de oposição mais ou menos estável é difícil devido aos vários interesses que dividem cada fração. Muitos analistas vislumbram o aprofundamento da guerra civil depois da saída de Assad. Os EUA também devem evitar que a Turquia se veja tentada a intervir militarmente na Síria aproveitando o conflito com os curdos, o que faria aumentar a crise.

Neste marco, as perspectivas que podem se abrir depois da queda de Assad são pouco claras. Por isso a Casa Branca – que sempre quis aproveitar a revolta síria para impor uma troca de regime que lhe favorecesse, e tentou três vezes votar sanções no Conselho de Segurança da ONU, mas que Rússia e China vetaram – vem apoiando a oposição armada do ELS através de seus aliados regionais. Nos próximos dias mandará Hilary Clinton ã Ancara para discutir com o governo turco a articulação de uma oposição de substituição de Assad o mais confiável possivel.

A mobilização operária e popular independente de toda variante burguesa e contra qualquer ingerência imperialista é a única que pode apresentar uma saída progressiva para o povo trabalhador sírio.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)