FT-CI

Estado Espanhol

Resgate para os bancos, miséria para os trabalhadores

17/06/2012

Por Guillermo Ferrari

Este fim de semana, o governo espanhol acabou aceitando um empréstimo da União Européia (EU) com o objetivo urgentíssimo de evitar a bancarrota do sistema financeiro. Semanas de tensão com a Bolsa em queda livre, altíssimos juros para a dívida espanhola e um risco-país disparado precederam o desfecho anunciado. Tudo mais acelerado pela incerteza que causam as próximas eleições gregas nos governos da UE frente ã possibilidade de que saiam perdedoras as forças pró-austeridade.

Rajoy e De Guindos estão mais aliviados porque esperam assim conseguir frear momentaneamente o ataque sobre a praça espanhola. A UE e o FMI também, porque desta forma querem evitar um crack espanhol que repercutiria imediatamente sobre o Euro e o restante das potências imperialistas.

A concessão do empréstimo não é exatamente uma ajuda, pois está ligada a condições draconianas. O governo mente quando diz que só são impostas condições aos bancos, ou que isto não é um resgate do Estado Espanhol. A UE empresta ao Estado Espanhol por meio de uma entidade pública, o Fundo para a Reconstrução e Ordenamento Bancário (FROB), criado pelo Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), e este empresta aos bancos. O FROB passa a estar sob o controle quase absoluto da UE, assim será ela quem supervisionará diretamente o sistema financeiro espanhol.

Além disso, a Comissão Européia deixou claro que as parcelas de crédito estarão condicionadas a que o governo aplique as receitas de ajuste que sejam demandadas: aumento do IVA, endurecimento da reforma trabalhista, maiores cortes na educação e saúde, aplicação mais rápida da reforma das aposentadorias... Vendem este resgate como uma “barganha”, seus juros são só de 3%. Certamente é um grande negócio para os bancos, mas há um preço que não nos contam: que o governo de Rajoy fará com que seja pago pelos trabalhadores e o povo pobre.

Rajoy nos faz pagar a crise

O banco está a espera de quanto será a quantia total que terá que utilizar, já que tem que esperar as auditorias do FMI. Mas é muito provável que o empréstimo seja usado para pagar as dívidas dos banqueiros. Sem dúvida, este empréstimo é muito pravável que nunca chegue a ser pago pelos bancos e caixas, os responsáveis pela crise. Então será pago pelo Estado Espanhol, quer dizer, com o orçamento dos impostos que pagamos, em maior quantidade os trabalhadores e o povo. Esta questão implicará maiores cortes nas conquistas sociais, mais crescimento de desemprego e aumento dos impostos ao povo. Diante dessa situação, o presidente Rajoy vai tranquilamente assistir uma partida de futebol da seleção porque diz ter resolvido a situação. Esta é a enésima mostra de que os governos, sejam conservadores ou de centro-esquerda, sempre se preocupam com os lucros dos bancos e das grandes empresas. Assim o fez Zapatero na gestão passada ao negar legislar sobre o “pagamento em espécie” porque seria muito prejudicial para o sistema financeiro espanhol, enquanto oferecia milhões em ajudas e garantias aos bancos e caixas. Rajoy e De Guindos mentem descaradamente quando dizem que a crise do sistema financeiro não será paga pelos trabalhadores.

Rubalcaba quer vender como um “resgate” que sirva aos trabalhadores através da volta do crédito. Não obstante, que crédito pode haver para aqueles que estão desempregados, ou para os precarizados. Quando o PSOE foi governo também teve a mesma política de Rajoy: reduções salariais, demissões em massa, cortes sociais... Por isso não podemos acreditar na críticas que Rubalcaba faz ao governo, enquanto apoia o “resgate” recebido (na verdade, um “salva-vidas de chumbo”).

Os trabalhadores não temos benefício algum com os “resgates” nem com os “cortes”. É como escolher entre a forca e a guilhotina. Na Grécia, Portugal e Irlanda se vêem os efeitos dos “resgates” com os planos de austeridade. No Estado Espanhol já sofremos os efeitos dos cortes. Milhões de pessoas desempregadas, emigração da juventude, precarização do trabalho, aumento de impostos, milhares e milhares de despejados... Esta é a realidade do sistema capitalista e sua crise. Nos anos de crescimento, os bancos e as multinacionais se encheram de euros com empréstimos usurários (empréstimos com altíssimos juros) contra a maioria do povo. Eram lucros privados que os trabalhadores e os setores populares não viram nem desfrutaram. Porém, agora que a crise se aprofunda não só não usam esses milhões que lucraram, mas impõem que arquemos com as perdas. Diante dessa situação social de emergência, a reação dos líderes sindicais demonstra uma vez mais não estar ã altura das circunstâncias. Em lugar de convocar outra greve geral para acabar com os ataques de Rajoy, exigem que Rajoy além de realizar o “resgate” tenha também políticas de “reativação econômica”. Sem dúvida, o “resgate” não está dirigido ao desenvolvimento econômico, só servirá para que a dívida dos bancos sejam pagas pelos trabalhadores.

Que a crise seja paga pelos bancos

Não podemos continuar suportando o enorme peso de anos de especulação financeira. Já chegamos a 25% de desemprego (mais de 50% de desemprego na juventude), com uma precariedade que dobra a média da UE, com famílias dejalojadas e que agora vivem abrigadas na casa de seus familiares... A educação em queda livre, os serviços de saúde negados para os imigrantes sem visto ou para os maiores de 26 anos que estejam desempregados. Por isso, é necessário levantar e iniciar a luta por um programa operário de emergência:

1)Contra as demissões e o desemprego, distribuir todas as horas de trabalho entre todos até acabar com o desemprego e sem redução salarial.

2)Contra os cortes sociais, aumento dos impostos ás grandes fortunas para garantir a saúde e a educação.

3)Contra a chantagem da quebra do sistema financeiro, nacionalização sem indenização de todos os bancos (tendo perdas ou não) sob controle dos trabalhadores e dos pequenos poupadores.

Que os trabalhadores demonstrem a responsabilidade dos governos e banqueiros de toda essa bagunça.

Com estas medidas se começa a solucionar os graves problemas sociais dos trabalhadores e dos setores populares ã custa da riqueza que uma ridícula minoria de grandes empresários e banqueiros nos tirou durante anos explorando nosso trabalho e, agora, incrementando uma “expropriação” animalesca de dinheiro público. Sem dúvida, estas medidas não serão realizadas por um governo do PP ou do PSOE. É necessário lutar por um governo dos trabalhadores que acabe com o domínio capitalista que exercem os bancos e as grandes multinacionais. É necessária uma revolução operária e popular para acabar com a exploração capitalista e este regime político reacionário. Uma revolução que seja o primeiro passo para criar a Federação de Estados Unidos Socialistas da Europa.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)