FT-CI

Debate

Podemos, Gramsci e o populismo

28/11/2014

Podemos, Gramsci e o populismo

O debate sobre o “populismo” realizado no Fort Apache (programa conduzido pelo eurodeputado Pablo Iglesias, líder d partido Podemos do Estado Espanhol) é muito interessante para compreender o resgate “pósmarxista togliattiano” com o qual os porta-vozes de Podemos tentam sustentar uma linha de continuidade entre Antonio Gramsci e Ernesto Laclau. E assim, autoinvestir-se como fenômeno emergente de uma “situação populista” e portanto como um movimento político de caráter “populista”. Cabe esclarecer, como já se disse uma infinidade de vezes, que “uso” de Gramsci não necessariamente é “abuso”, mas veremos lamentavelmente que este não é o caso.

Um começo que é toda uma confissão de parte: em um gesto muito pouco “populista” e bastante “liberal”, a referência colocada por Iglesias e depois bendita por Errejón é a política do PC italiano depois da Segunda Guerra Mundial. Para os referentes de PODEMOS, que consideram superada a luta de classes do marxismo clássico, a história “ético-política” se independentiza do momento da coerção, da força e do enfrentamento direto das classes (ou entre o povo e as castas reacionárias) e incorrem no mesmo erro que Gramsci criticava em Benedetto Croce por iniciar sua História da Europa no século XIX, depois da revolução e das guerras napoleônicas.

Este “erro” é muito funcional ao conjunto da argumentação. Já que falar do papel do PCI na saída da Segunda Guerra Mundial e de sua política para sustentar a instauração de uma democracia burguesa (bem retratada no filme Novecento) seria traçar um pouco favorável paralelismo para o próprio processo do PODEMOS.

Em segundo lugar, reivindicar o “eurocomunismo” na Itália permite não ter que fazê-lo com o “eurocomunismo” espanhol, que apresentou seu apoio aos Pactos de La Moncloa como um equivalente do “compromisso histórico” levado adiante pelo PC italiano. Por isso o jornalista Enric Juliana, denominado por Iglesias de “gramsciano de direita”, fala da corda na casa do enforcado e lhes propõe reivindicar a transição e especialmente o papel do PCE que depois da “Matança de Atocha” tinha a possibilidade de “incendiar as ruas de Madri, mas não o fez”, em troca de obter sua legalidade e incorporar-se ao regime.

Por último, circunscrever-se aos inícios da política “hegemônica” ã La Togliatti, mas não ao seu desenvolvimento posterior, permite driblar os distraídos diante do fenômeno do ascenso operário e popular que na Itália vai de 1968 a 1979 (o mais longo da Europa nestes anos), no qual o PC desempenhou um papel ultraconservador e oposto aos próprios operários cuja centralidade havia deixado de lado nas décadas anteriores. A crise do movimento operário e da esquerda italiana hoje deveria levar a refletir sobre que relação tem a situação atual com toda a experiência prévia do PC na Itália.

Algo mais, ainda que se diga que no Estado Espanhol a recepção das obras de Antonio Gramsci foi tardia e influída pela operação ideológica de Palmiro Togliatti, o certo é que desde 1975 existe a edição dos Cadernos do Cárcere de Valentino Gerratana e uma profusão imensa estudos gramscianos que mostraram cada vez mais como o projeto teórico dos cadernos não é assimilável nem “via italiana ao socialismo” nem ao “eurocomunismo” (o que permite por exemplo trabalhar sobre as convergências e divergências entre Trotsky e Gramsci), de modo que voltar a unir Gramsci e Togliatti, ainda que seja para chegar ao “mais na moda” Laclau, não deixa de ser bastante retrógrado, desde o pont de vista do marxismo, mas também desde o ponto de vista de qualquer investigador minimamente interessado na obra de Gramsci.

Sobre a relação de Gramsci com Laclau, qualquer tentativa em tal sentido deveria partir de reconhecer que a “hegemonia” laclausiana dá um pulo ao vazio com respeito a qualquer “populismo” que pudesse existir em Gramsci.

Com efeito, ainda que Gramsci sustentasse em linhas gerais a hegemonia proletária e a centralidade da classe operária como sujeito, seu posicionamento nos debates internos da URSS em 1926 contém um certo deslocamento da centralidade operária a um bloco popular dirigido pelo partido “com o ponto de vista” da classe operária. Sobre isto nos referimos aqui. Sua posição sobre este tema nos Cadernos é um pouco ambivalente, enquanto sustenta que a hegemonia não pode ser somente ético-política, mas também econômica (C13 §18), com o que de alguma maneira estaria matizando seu posicionamento anterior, ainda que mantenha uma tensão entre peso social e hegemonia política. Em resumo, ainda que seja certo que em Gramsci existe este deslocamento, todo o demais corre por conta dos que posteriormente quiseram situá-lo como um teórico da “hegemonia sem determinação de classe”, como fizeram com distintas ferramentas, mas com um sentido similar, José Maria Aricó e Ernesto Laclau.

Quanto ao uso das ferramentas teóricas de Laclau para analisar o “momento populista” que PODEMOS expressaria politicamente, estes rapazes estão um pouco “em cima do cavalo” e isto gera uma supervalorização dos efeitos que geram os discursos políticos na realidade e suas relações de força.

Além do assinalado pelo deputado de IU, podemos dizer também que se trata de um “populismo débil” ou um “populismo cidadão”, em que o exagero da potência criativa do discurso político perde de vista elemento central de todo “populismo”: a criação (ou utilização) de relações de forças sociais como fundamento das relações de força políticas.

Tomemos o caso de um “populismo” que conhecemos bastante: o peronismo. Ninguém duvidaria que Perón mudou para todo um longo ciclo o discurso político argentino, criou significantes “flutuantes” ou como se prefira chamá-los, começando pelo próprio peronismo, que é tudo e é nada. Mas também criou uma relação entre os sindicatos e o Estado, que persiste até hoje, inclusive quando o peronismo vem inclinando-se para os votantes de classe média e a administração da pobreza, em detrimento dos sindicatos, desde a saída da ditadura. Perón, ademais, tinha em seu lado os militares, pelo menos até 1955. E a reativação econômica argentina foi produto da substituição de importações durante a Segunda Guerra.

Em resumo, não tinha somente o “discurso performático” (“O sujeito é segundo com respeito ao discurso”, diz o alemão na mesa), mas forças sociais e materiais nas quais apoiar-se. E se havia um “vazio” relativo era no marco internacional do “já não mais” do imperialismo inglês e do “ainda não” do imperialismo norteamericano. Neste contexto, a teorização de Laclau, ex-integrante da “esquerda nacional” argentina, não deixa de ter um pouco de “picardia peronista”: canta louvores ao giro lingüístico para tornar peronismo mais digerível para os europeus, mas sabe que a única verdade (ou pelo menos uma parte muito importante dela) é a realidade dos aparatos e das forças materiais.

Em síntese, os resgates históricos de PODEMOS começam a mostrar com o que pensam pagar a “hipoteca” (nos termos colocados pelo referente de IU) que lhes outorgou sua emergência política. O modelo dos partidos comunistas socialdemocratizados ou dos populismos latinoamericanos, com os quais pretendem compartilhar todos os defeitos, sem possuir nenhuma de suas “virtudes”: a ancoragem social para suas manobras. Esse é o vazio do significante PODEMOS e o que o pode converter num fenômeno episódico e acelerar sua institucionalização, para o qual sua direção (Iglesias) avança com gosto.

Não por nada em uma de suas últimas intervenções públicas, Iglesias reivindica o novo líder de uma das castas mais eternas e retrógradas da história humana (embora passe hoje por um “momento populista”): Jorge Mario Bergoglio, mais conhecido no mundo como Papa Francisco.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)