FT-CI

Campanha de solidariedade ás vítimas da tragédia

Petroleiros levam sua solidariedade ã população de Teresópolis

17/01/2011

Leandro Lanfredi, vice-presidente da CIPA TECAM (Duque de Caxias-RJ)

Publicamos abaixo relato sobre a campanha de solidariedade de trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás ás vítimas da tragédia e do descaso dos governantes da região serrana do Rio de Janeiro.

Dia 14/01 petroleiros próprios e contratados fomos a Teresópolis levar nossa solidariedade ã população. Levamos duas picapes d’água, feijão, biscoito, pasta de dente, entre outros produtos básicos. As duas toneladas de materiais que coletamos é o pouco que conseguimos juntar em dois dias. Da empresa só conseguimos as picapes. Esta situação dos trabalhadores fazendo seu esforço, mas não as empresas e o os governos, reflete o drama que também passa a região: os moradores se viram sozinhos.

Enquanto o centro de Teresópolis debaixo das câmeras das TV está militarizado, repleto de policiais, cheio de soldados do Exército, e o govenro procura mostra-se fazendo algo, nas regiões mais afastadas e atingidas – os bairros mais proletários e de pequenos agricultores – são os moradores e os voluntários que cavam com instrumentos improvisados, ou as próprias mãos, que desbravam estradas destruídas e adentram trilhas para fazer chegar água, remédios, alimentos, velas, ás regiões mais atingidas e ainda isoladas. Locais que a defesa civil não faz buscas alegando que não há sobreviventes, deixando as pessoas sem alternativa para buscar seus mortos e desaparecidos.

O povo de Teresópolis dá mostras de uma inegostável fonte de solidariedade. Conhecemos centenas de pessoas que estão há dias sem dormir buscando sobreviventes e vítimas ou organizando abrigos, refeitórios, etc. Até adolescentes tão novos de 13 anos estão há dias sem dormir nesta imensa corrente para salvar suas famílias, vizinhos e cidade.

Levando nossa solidariedade a bairros que a mídia nem menciona

No caminho de nossa distribuição sentimos aqueles que querem se aproveitar da situação, mas também sentimos como se ergue este povo buscando se salvar, engole suas lágrimas e coloca os mais metidos dos vereadores em seu lugar. Houve vereadores que buscaram se aproveitar de nossos donativos e levar a determinado abrigo que querem converter em seu curral eleitoral ou centro social, no entanto os voluntários neste mesmo lugar não deixaram. Fizeram justamente o que queríamos, pegaram só o que precisavam, nem 100 quilos de materiais, e nos encorojaram a ir onde não chega quase nenhuma ajuda. Daí fomos ao interior.

Em bairros afastados como Bonsucesso o dia 14 era o primeiro dia desde as chuvas que havia fornecimento intermitente de luz elétrica. Depois deste bairro há destruição. Em Bonsucesso em um abrigo improvisado em uma igreja escura, sem luz, forma-se um grande abrigo e centro de distribuição para apoiar o muito mais atingido bairro vizinho de Vieira. Lá ouvimos o terrível relato de que em Vieira há pelo menos 1000 mortos.
Longe da mídia e com difícil acesso lá se fala em caminhões soterrados por tanta lama. Os agricultores sobreviventes, deste que era o principal pólo hortifrutigranjeiro da região serrana, se preocupam com seu futuro. Quase não sobraram lavouras nem terras agriculturáveis. “Daqui a dois meses quando não houver doações será a miséria”, nos disseram, já anunciando o abandono dos governantes que falarão em reconstrução mas não passará de palavras. Com os olhos cheios de lágrimas pensando nos mortos de ontem e na miséria de amanhã esta gente forte encontra forças comoventes para nos abraçar e agradecer nossa pequena ajuda.

Nossa pequena ajuda mal chega a ser uma gota no oceano. As pessoas precisam de muito mais doações, precisam urgentemente de velas para fugir da especulação que cobra R$ 20 ou R$ 40 por um pacote neste item de luxo em bairros arrasados e escuros. A população precisa de resgatistas, alpinistas, motoristas off-road, trilheiros, para chegar onde o governo e a mídia nem pretendem chegar.

A Petrobrás tem centenas destes profissionais, é urgente sua liberação para estar onde são necessários. Ao contrário, esta empresa estatal segue sua inércia atrás dos lucros, sequer enviou um email institucional instando a força de trabalho a doar alimentos e sangue. Nós trabalhadores precisamos fazer diferente, não deixemos ninguém para trás. Como nos disseram “ontem foi em Niterói hoje em Teresópolis, a única coisa que temos é um apoiar o outro”.

Redobremos nossa solidariedade!

Os pequenos passos que damos na Transpetro Campos Elíseos são uma mostra do que pode e deve ser feito. Falta os sindicatos em cada grande empresa do país tomar a frente desta tarefa urgente! Porque as centrais sindicais não se metem a fazer este trabalho de formiguinha que nós estamos fazendo de carregar os carros e ir onde a mídia não vai, estar com nossos irmãos em Teresópolis, Nova Friburgo? Por que preferem se calar para manter seus pactos com os governos e as empresas? Sigamos nossa pequena campanha mas lutemos por uma grande campanha nacional de solidariedade organizada pelos trabalhadores em cada local de trabalho! A tragédia de Teresópolis e Nova Friburgo e a corajosa e solidária reação do povo atingido reafirmam que os trabalhadores e o povo pobre só podem contar com suas próprias forças.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)