FT-CI

Honduras

Os chefes dos golpistas estão em Washington

06/08/2009

A um mês do golpe de Estado que derrubou ao presidente Zelaya, o governo de fato de Micheletti segue em “suas” funções. Isto apesar do amplo repúdio internacional e das mobilizações dos trabalhadores, camponeses, estudantes e setores populares hondurenhos que dia após dia vêm enfrentando o golpe com fechamentos de rodovia e paralizações, como a do magistério, desafiando ao toque de recolher e ã repressão.
Se Micheletti segue no poder não é só por contar com o apoio do conjunto das instituições do regime hondurenho e das Forças Armadas, senão, em primeiro lugar, porque o governo de Obama o tem permitido. Primeiro, o embaixador norteamericano esteve conspirando junto com os golpistas até mesmo a saída de Zelaya. Logo, quando a mobilização antigolpista vinha em ascenso, impulsionaram a “mediação” do presidente da Costa Rica, Óscar Arias, colocando em igualdade de condições a Zelaya e os golpistas e impondo uma “saída” que, entre outros pontos, bloqueava toda perspectiva de convocatória a uma Assembléia Constituinte, questão a que EUA se opôs desde o começo. A OEA aceitou esta política de deixar tudo nas mãos de Obama e Hilary Clinton, o mesmo que o próprio Zelaya, que aceitou os termos da saída apresentado por Arias.

Para além da retórica, a OEA atuou de fato como um verdadeiro “ministério de colônias” dos EUA: nas palavras emitiu uma dura declaração contra o golpe, se negou a reconhecer ao governo de Micheletti e exigiu o retorno imediato de Zelaya ã presidência; nos atos foi parte da política de Obama e Hillary Clinton de legitimar o governo de Micheletti tratando-o como um “interlocutor válido” e dando-lhe tempo para consolidar sua frente interna e ganhar aliados entre a direita republicana dos Estados Unidos e da região.

Segundo alguns meios [de comunicação], o plano da mediação de Arias, surgiu de um acordo entre Obama e o presidente brasileiro Lula da Silva, o principal aliado de Obama na América Latina para neutralizar o peso de Chávez e manter a estabilidade na região. Como mostra um jornalista, “Como Lula queria que Zelaya voltasse e Obama queria que não ficasse [no poder], consensuaram em Moscou que Zelaya voltaria, mas não ficaria” (Página 12, 26-7-09). Isto expressava a posição do governo Obama, que coincidia com os golpistas no objetivo de colocar fim ao projeto de Zelaya e evitar a convocatória a uma Assembléia Constituinte, mas não podia reivindicar a metodologia do golpe de Estado, já que dificultaria sua política de mudar a imagem do imperialismo norteamericano a respeito da política exterior do governo de Bush. A esta política, para além dos discursos, subordinaram- se todos os governos da região, incluindo Chávez, Evo Morales e o resto dos integrantes do bloco da ALBA.

O plano Obama-Clinton- Arias é, a todas as luzes, reacionário: em primeiro lugar legitima aos golpistas, colocando em igualdade de condições a Zelaya com quem recorreram ás forças armadas para derrubá-lo. Em segundo lugar, impõe tantas condições ao retorno de Zelaya que o transformam de fato em um “bobo da corte” dos golpistas: segundo a última versão da oferta de diálogo, conhecido como “Acordo de San José”, que agora voltou a estar em discussão como uma saída possível, Zelaya voltaria ã presidência, mas não poderia nomear seus ministros, senão que se estabeleceria um governo de “unidade nacional” (sim, com os que deram o golpe), ademais se garantia a impunidade para os golpistas e Zelaya se comprometia a renuncia ã convocatória de uma Assembléia Constituinte. Zelaya, que tem confiado sua sorte aos bons ofícios do imperialismo norteamericano, aceitou estas condições humilhantes, que implicavam sua rendição em toda a linha. Entretanto, foram os golpistas quem rechaçaram o acordo e se negaram a fazer a mínima concessão, reiterando sua política de não aceitar o retorno de Zelaya, exceto para que enfrente ã justiça golpista ante a que está acusado de vários crimes políticos, entre eles, o de tentar convocar a uma Assembléia Constituinte.

A nova volta falida de Zelaya

Depois do fracasso da mediação de Arias e ante a perspectiva certa de que com o tempo o golpe termine por naturalizar- se, Zelaya optou por aumentar a pressão para lograr que o governo de Micheletti aceite a negociação proposta por Washington e Arias, instalando-se desde o 24 de julho na fronteira entre Nicarágua e Honduras.

Ante isto Hillary Clinton não vacilou em qualificar de “imprudente” esta ação de Zelaya, favorecendo assim ao discurso dos golpistas. E isto, para além que o feito por Zelaya tem ganhado um conteúdo principalmente simbólico, já que evitou em todo momento confrontar com os militares golpistas, retirando-se ao povo nigaragüense de Las Manos onde ainda permanece com um punhado de seguidores.

Esta ação simbólica de Zelaya coincidiu com um aumento da pressão regional e norteamericana para fazer que o governo de Micheletti retorne ao diálogo e poder dá-lhe assim uma resolução ã crise política nos marcos do “Acordo de San José”.

O governo de Obama busca assim lograr a saída que mais favorece a seus interesses e, ao serviço da mesma, tem estado os gestos diplomáticos da última semana, como o que se expressou na cúpula de presidentes do Mercosul em 24 de julho. Nela se repudiou novamente o golpe e se adiantou que não se reconheceria nenhum governo que surgira de eleições convocadas pelos golpistas. A isto se somou a declaração do exército hondurenho redatada segundo os meios nos Estados Unidos, na que declara o apoio das forças armadas aos “Acordos de San José”. Finalmente, o governo estadounidense, que até o momento não havia tomado nenhuma medida concreta contra o governo de fato (nem se quer retirou seu embaixador de Honduras) decidiu retirar-lhes o visto diplomático a quatro figuras do regime de fato, como um sinal simbólico de que Washington prefere que se aceitem os termos estabelecidos pela “mediação” de Arias.

A política de Chávez

Apesar de seus discursos antiimperialistas, a verdadeira política de Hugo Chávez ante o golpe de Honduras foi deixar a resolução da crise nas mãos do governo de Obama. Isto é o que explica que os setores “bolivarianos” não tenham impulsionado a mobilização de massas contra o golpe no continente. Segundo uma nota aparecida em Página 12, a política ante o golpe em Honduras produziu “a maior aproximação diplomática entre Venezuela e Estados Unidos que se tenha conhecimento até o momento, segundo confiou uma fonte que presenciou o trabalho conjunto, aproximação que ambos governos preferem ocultar por razões óbvias de política doméstica: Chávez é má palavra nos Estados Unidos e Estados Unidos é má palavra na Venezuela chavista” (Página 12, 26/7/09). Tanto é assim que nem Chávez e nem Evo Morales assistiram ã reunião da OEA do 4 de julho na qual pela primeira vez se discutiram as medidas que tomariam os governos latinoamericanos contra o golpe de Estado. Nessa reunião EUA, Panamá e outros países se opuseram ao retorno de Zelaya a Honduras e dessa maneira a OEA não avalizou oficialmente a tentativa de retorno de Zelaya que viajou no 5 de julho, quando foram assassinados dois manifestantes no aeroporto de Tegucigalpa. Nem sequer os principais referentes da ALBA, a exceção de Correa, estiveram presentes em El Salvadar esperando esse dia o regresso de Zelaya. Chávez permitiu inicialmente que se desenvolvesse a mediação de Arias, e só quando era evidente que Micheletti não ia fazer concessões, saiu a dizer que o diálogo era um fracasso e a criticar a Hillary Clinton por negar-se a definir ao golpe de Estado como tal, exigindo a Obama que se coloque ã frente e que tome alguma medida contra os golpistas.

Em síntese, a política de Chávez e do bloco da ALBA não foi organizar medidas efetivas no continente, chamar a mobilizar em toda América Latina, organizar o boicote econômico ao governo golpista e denunciar que a política imperialista fortaleça a Micheletti e ã direita continental, legitimando futuras tentativas de destituir governos quando vêem ameaçando seus interesses. Pelo contrário, sua política foi gerar expectativas em que o governo de Obama pode significar uma mudança favorável para a região no lugar de denunciar que, para além de mudanças formais, Obama defende os interesses do imperialismo noteramericano e que é necessário desenvolver a mobilização antiimperialista e em solidariedade com a luta do povo hondurenho em todos os países da América Latina, começando pela organização de um boicote efetivo aos golpistas na América Central.

Mobilização independente para derrotar aos golpistas

A política de Zelaya tem sido a de confiar em uma saída negociada auspiciada pelo imperialismo norteamericano, o mesmo que mantém Honduras submetida a uma relação praticamente colonial e que tem usado seu território e suas relações com militares e empresários para levar adiante suas políticas contra-revolucioná rias, como o ataque ã revolução nicaragüense na década de 1980, e onde ainda hoje conserva a base militar de Soto Cano. Esta estratégia está condenada ao fracasso e só permite que a direita se engrandeça. A importante experiência que estão fazendo os trabalhadores e os setores populares hondurenhos que estão enfrentando o golpe deixa ás claras que a única perspectiva realista para derrotar o golpe é repudiar toda negociação com os golpistas e aprofundar a mobilização dos trabalhadores, dos camponeses, dos estudantes e dos explorados e oprimidos de Honduras, generalizar os piquetes e os fechamentos de estradas, organizar uma verdadeira greve geral indefinida e preparar a auto-defesa para resistir ã repressão das forças armadas. A Frente Nacional de Resistência contra o Golpe segue defendendo entre suas demandas a realização de uma Assembléia Constituinte. Só aprofundando o caminho da mobilização independente será possível impor uma Assembléia Constituinte revolucionária que coloque em discussão a organização do país, a ruptura de sua subordinação ao imperialismo e que permita desenvolver a luta por um governo operário e camponês baseado em organismos de autodeterminação de massas.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)