FT-CI

Resultados da eleição na França

O triunfo do Partido Socialista na França

12/05/2012

Por Juan Chingo

O futuro da relação com a Alemanha, o ascenso da direita xenofóbica, a política reformista da Frente de Esquerda e a campanha da “extrema esquerda”


Qual é a primeira análise das eleições?

O triunfo de Hollande se explica por um enorme cansaço – sobretudo dos setores populares, trabalhadores, empregados, os jovens dos bairros – na luta contra a política que o governo Sarkozy vem desenvolvendo durante os últimos anos, protagonizando grandes batalhas como a luta contra a reforma das aposentadorias de 2010. Esta última incluiu setores da classe operária como os das refinarias e municipais, com mobilizações multitudinárias e inclusive com a entrada em luta dos estudantes que diziam: “não aos planos de ajuste de Sarkozy”. Não obstante a derrota desta luta das aposentadorias, a política de negociação e colaboração de classe das centrais sindicais – em particular da CGT e CFDT – levou a que o anti-sarkozysmo se expressasse fundamentalmente no terreno eleitoral. E isso é o que explica que um político não muito conhecido como Hollande tenha conseguido ganhar a eleição, ainda que com uma margem bem curta. Esta pequena margem é expressão da política de Sarkozy, que tratou de cortejar o eleitorado da extrema-direita, que em boa parte terminou votando nele.

Frente a que cenário se encontra Hollande?

No fundo o plano de Hollande é fazer passar a crise, avançar na austeridade mas mudando de método. Se Sarkozy colocava um método mais bonapartista, passando por cima das organizações sindicais, mais parecido a um “governo da direita forte”; o método de Hollande é o de fazer bater o pé no diálogo e na reconciliação.

Em relação ã Europa é evidente que o candidato preferido de Merkel era Sarkozy e isto significa uma derrota para a Alemanha, que fica mais isolada. Entretanto, as esperanças de que haja uma modificação substancial da política europeia são uma ilusão que pode se transformar num grande desencanto. O que Hollande está defendendo são medidas temerárias de estímulo econômico que são inclusive menores que as que os EUA tomou e, que como se está vendo no próprio EUA, a crise não passou e está voltando o desemprego.

Ou seja, são tíbias medidas de estímulo econômico e algum limite ao setor financeiro, mas no marco de manter o equilíbrio orçamentário e o ajuste fiscal. Estas medidas têm de ser negociadas com a Alemanha, e é muito provável que termine num compromisso para alargar um pouco os tempos da aplicação dos planos de ajuste em troca de reformas estruturais nas leis trabalhistas, como a Alemanha e o Banco Central Europeu exigem. Um pequeno “alívio”, mas que não mudará nada de fundo.

Que perspectiva se abre?

Mais de fundo, a situação na Europa é que a política alemã, a potência imperialista mais forte, que trata de impor ao restante dos países europeus um regime econômico drástico em relação aos planos fiscais, está pondo em discussão o equilíbrio dos estados europeus, e isso gera um grande problema. Pelo temor da França de ficar afastada da Alemanha, e que isso implique um golpe econômico dos mercados, parece difícil que no imediato haja grandes rupturas. Mas, ao calor do aprofundamento da crise e da luta de classes, as opções dos governos podem mudar. Ainda que o eixo “franco-alemão” se mantenha, a política que levou Sarkozy em relação a Merkel, desde o ponto de vista de seus interesses imperialistas, foi de subordinação da França ã Alemanha. Passará Hollande a encabeçar um bloco com os países mediterrâneos como Espanha e Itália, que ponha limites ás ambições hegemônicas da Alemanha? A realidade é que toda a política da burguesia alemã, francesa e imperialista lamentavelmente está levando de novo a Europa a uma situação na qual os estados nacionais voltam com força, da mesma forma que a xenofobia nacional e os discursos nacionalistas reacionários. E isso, para os trabalhadores e para a juventude, não é uma perspectiva em nada progressista.

O crescimento da ultra-direita e do reformista Mélenchon A votação na Frente Nacional, de Marine Le Pen, expressa a crise do bipartidarismo que vem governando a França há anos, com a alternância de partidos de direita e de centro-esquerda, como o PS. E, sobretudo, mostra a crise da direita, do partido conservador e tradicional da burguesia [UMP, pelo qual foi eleito Sarkozy] que, desde o governo e o Estado, vem desenvolvendo uma política contra os imigrantes, que em última instância favoreceu o fortalecimento de Le Pen. Desde o ponto de vista social, o crescimento de FN expressa por um lado “nervosismo” em setores das classes médias e de pequenos comerciantes, que vêm que a situação econômica não melhora e que não viam perspectivas no sarkozysmo; e, por outro lado, expressa a situação de desespero de setores da classe operária, que nas zonas desindustrializadas ficaram ã deriva. Nesse marco, as políticas demagógicas da FN, com denúncias ás finanças e aos ditados de Bruxelas e ao mesmo tempo contra os imigrantes e por medidas de um estado forte e protecionista, ganham uma certa repercussão. Nesse marco há de se perceber os limites do reformismo da Frente de Esquerda de Melenchón, que por não ser uma crítica radical nem aos interesses da França imperialista, nem tampouco ã forma do estado e do regime político, ao bipartidarismo, obteve no primeiro turno muito menos votos que o esperado. Nos últimos dias o discurso de Melenchón, que ao princípio da campanha criticava Hollande, já era uma discurso a favor de Hollande frente ã disputa com Sarkozy. No dia em que ganhou Hollande, Melanchón disse que lhe desejava uma boa presidência e que era um grande dia para Europa. No lugar de preparar os trabalhadores para enfrentar a nova face da austeridade que vai assumir o governo de Hollande, acaba semeando ilusões.

A eleição de Philipe Poutou do NPA

Por sua vez, a campanha de Philipe Poutou do NPA foi reivindicável desde o ponto de vista de que era um candidato operário que em sua fábrica, a Ford, pôde parar parcialmente as demissões e evitar o fechamento. Por outra parte, conseguiu que sua mensagem pudesse ser escutada e terminasse se convertendo em um fato político, com uma denúncia aos políticos profissionais (incluindo Melenchón) e ao mesmo tempo conseguiu demonstrar o desprezo social que há na televisão contra um candidato operário, ao que tratavam de ridicularizar por descriminação de classe. Ora, os limites de sua candidatura são os limites do próprio NPA. Poutou não era a expressão nas eleições de uma camada de operários combativos que estavam entrando na política anti-capitalista. É um antigo companheiro militante que não podia, com alguns eixos corretos de campanha, substituir a política impotente do NPA nos últimos anos, como no conflito das aposentadorias, na ausência de uma política alternativa ã burocracia e na ausência de uma política de estruturar-se na classe operária.

Qual a perspectiva que a CCR coloca para os revolucionários na França?

Hoje o NPA está pagando essas falências ligadas a concepção estratégica de um partido amplo sem uma clara delimitação de classe e com um programa ambíguo, quer dizer, de ter abandonado a herança trotskista para construir um novo partido sem “hipóteses estratégicas”, rompendo a relação indissolúvel entre os meios estratégicos (ditadura do proletariado, governo dos trabalhadores) e o objetivo, o “fim político” (a sociedade sem classes, quer dizer, o comunismo). Resolver este impasse estratégico é a única “decisão vital” que o NPA deve tomar se quer sair de sua crise. Enquanto que os dirigentes do NPA que seguiram a Frente de Esquerda insistem com sua política de fazer um bloco estratégico com variantes do regime burguês como Mélenchon e os reformistas para “enfrentar a FN”, nossa melhor arma contra a extrema-direita é nosso programa anticapitalista e revolucionário que diz alto e forte que há outra alternativa radical ã UMP-PS, a alternativa da revolução socialista. Alternativa que opõe ã xenofobia e ao patriotismo um discurso internacionalista proletário. Que explica aos trabalhadores que o único “Estado forte” que estará a seu favor é o que eles próprios dirigirem democraticamente. A luta por esse programa anticapitalista, que não é o de Mélenchon, vai desde a necessidade de uma política audaz de frente única para a ação com todos os que se oponham a austeridade, mas sem confundir nossas bandeiras. O ascenso da FN, em um cenário de crise aguda como o que vive a Europa e que pode golpear a França mais aberta e catastroficamente faz urgente a discussão sobre o tipo de partido que se necessita para os futuros enfrentamentos. Nossa luta é por construir um partido revolucionário capaz de vencer as traições das direções sindicais, contra o método de ajuste de Hollande, e que se prepare estrategicamente para um endurecimento do regime, caso a decepção com o PS leve a um governo da direita recomposta em torno da FN. Este é o desafio para o apaixonante e dramático período que nos abre.

10-05-2012

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)