FT-CI

Argentina

O exemplo da luta de Kraft ou a “paz social” dos patrões

27/10/2009

A luta operária da Kraft e as ações solidárias que desencadeou, desatou a reação das classes dominantes contra “o clima de violência social”. A campanha lançada nos meios de comunicação coloca tudo no mesmo saco. Desde o grupo de choque pró- kirchnerismo em Jujuy comandado por Milagros Sala contra o deputado radical Morales, os desaforos de Maradona ou o legítimo escracho dos estudantes de Mendoza ã Embaixada norte-americana, tudo lhes parece válido.

Enquanto aos trabalhadores tenta-se impor a paz social, as internas entre os de cima ganham em virulência e mostram a decomposição do regime político. A disputa pelo controle do aparato repressivo e da segurança da Capital, entre Macri e sua nova polícia Metropolitana versus Aníbal Fernández e sua polícia Federal, abriu o escândalo das denúncias de espionagem que, uns e outros, utilizam permanentemente contra os trabalhadores e o povo.

Acontece que a luta da Kraft acabou conseguindo o milagre de reavivar um morto político: o pacto social que não puderam institucionalizar pela divisão inter-capitalista na licitação aberta com as patronais do campo, agora é esse mecanismo que utilizam para conter o que produziu essa gesta do movimento operário. A Câmara de Comércio dos EUA na Argentina (AmCham) que agrupa 700 multinacionais norte-americanas, reunidas com a Embaixadora ianque e a presidente Cristina Kirchner, saiu condenando os “atos ilícitos como ferramenta de pressão” referindo-se aos métodos da greve e dos piquetes utilizados durante o conflito. No mesmo sentido, pronunciaram-se os industriais da UIA. Obediente, o ministro da Economia Boudou, disse que “o importante é que a empresa continue produzindo num marco de segurança judicial que devem ter as empresas, mas que também deve existir para os trabalhadores.”

Os empresários, o governo e a burocracia sindical da CGT condenam a metodologia da ação direta, buscando bloquear a possibilidade que Terrabusi seja o gatilho de uma onda de conflitos que abra uma nova situação na qual os trabalhadores sejam, definitivamente, protagonistas. A batalha de Terrabusi deu visibilidade nacional a um novo movimento operário que vínhamos assinalando que se expressava desde final de 2008, com a resistência nas montadoras contra as demissões e suspensões, e já havia dado diversas mostras de emergência depois da derrota eleitoral do PJ que debilitou os mecanismos de contenção do governo e da burocracia sindical peronista. Temem que Terrabusi abra a porta da política nacional a um ascenso que vem se gestando desde baixo e que querem impedir.

Correlação de forças

O objetivo da Kraft de descabeçar a organização de base do triunfo eleitoral da direita em 28 de Junho – demonstrou-se por fora da correlação de forças. Como sustentamos, as eleições produziram um resultado que combinou o debilitamento do governo, e de sua agente, a burocracia sindical da CGT, em seu principal bastião do cone-urbano bonaerense, com a fragmentação da oposição burguesa.

E ao mesmo tempo em que a dispersão do voto opositor, majoritariamente alimentado por um giro a direita das classes médias, demonstrava que não havia surgido um pólo forte de uma “restauração neoliberal” porque não havia condições para “uma volta aos 90”, como denunciava o kirchnerismo para polarizar falsamente a eleição. Esta correlação de forças, mal interpretada pela direção empresarial da Kraft, como mostra o chamado a terminar com “o estado assembleário” e o “poder dos delegados” nas empresas por parte de seu advogado assessor, De Diego, o mesmo 29J desde o diário de De Narváez, terminoram indo contra ele. Deu lugar ã primeira grande luta de fábrica em décadas que se transformou em uma demonstração política da classe trabalhadora e obrigou a um retrocesso de um dos principais monopólios que arrastou todas as corporações patronais e até a própria Embaixada norte-americana. O primeiro resultado de dois meses de luta, todavia não concluída, produziu uma derrota política da multinacional ianque e uma debilitação do governo e das burocracias de Daer e Moyano, que se colocaram, de cara, ao isolamento da greve e a repressão. Se os trabalhadores não conseguiram impor a totalidade de suas reivindicações e reincorporar todos os demitidos, não foi por conta de uma correlação de forças desfavorável. Contavam com enorme simpatia popular frente uma patronal deslegitimada na população e um governo em crise. Necessitaram da colaboração da CCC, a maioria da Comissão Interna da Kraft, que aceitou subordinar-se ã chantagem do Ministério do Trabalho e sua imposição da “paz social”.

Direção

A luta de Kraft trouxe a tona a crise da direção da CGT frente a primeira grande batalha do movimento operário industrial. Seu resultado potencializa os processos do sindicalismo de base que vem se desenvolvendo. O dirigente kirchnerista de La Fraternidad, Maturano, disse que “nada substituiu a representatividade que tem o sindicalismo peronista”. Mas, por via das dúvidas, mandou uns capangas para espancar os ferroviários que denunciaram a cúpula do grêmio no filme de Pino Solanas. É de se esperar esse tipo de ataques da camarilha sindical, para os quais devemos estar preparados. Segundo alguns meios de comunicação, o funcionário recentemente renunciado Emilio Pérsico e seu movimento Evita, somar-se-iam ã corrente político-sindical lançada pelo chefe da CGT Hugo Moyano para fazer anteposição ás “agrupações de esquerda e setores sociais que se enfrentam com o Governo, que fortaleceram a comissão interna na Kraft em meio ao conflito pelos demitidos e mostraram os limites da CGT para conter o protesto social (El Cronista, 21-10)”.

Por sua vez, a direção da CTA ficou descolada. Víctor De Genaro começou diminuindo a luta por ser dirigida pela esquerda. Depois, frente sua transcendência, teve que ceder um lugar a Bogado e Hermossila no palco de seu ato pela liberdade sindical e, finalmente, terminou criticando o ministro Tomada por ceder ã multinacional ianque. Em todas as instâncias, enquanto crescia a simpatia nos filiados da CTA pela causa operária, a direção da central alternativa se manteve alheia e sem realizar uma só medida de força solidária.

Nesse espaço perdido pelas direções da CGT e da CTA frente a incipiente entrada em cena do movimento operário, é que se pode crescer a iniciativa impulsionada a partir do Hotel Bauen, na reunião convocada pelo Sindicato Ceramista de Neuquén. A corrente político-sindical lançada pelos ceramistas de Zanon junto a ala esquerda classista de Terrabusi e o Corpo de Delegados do metrô, entre dezenas de delegados de importantes fábricas e grêmios de todo o país, sai a lutar em busca de um pólo classista na classe trabalhadora. O PTS considera um passo importante que chamamos todas as organizações combativas e de esquerda a apoiar. Como informamos nessas páginas, essa nova corrente se propõe, em primeiro lugar, continuar apoiando os conflitos em curso e a coordenação de todas as organizações operárias de base, comissões internas, corpos de delegados e sindicatos anti-burocráticos para a luta. Mas não se limita a um classismo sindical mas também impulsiona a independência política de todas as frações patronais e seus partidos, e a construção de um próprio, como disse a declaração proposta pelos operários de Zanon: “um movimento para construir uma ferramenta política dos trabalhadores”.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)