FT-CI

As patronais alentam a repressão

Nos unamos em defesa da luta em Kraft-Terrabusi

19/09/2009

Com as concessões do governo de Cristina Kirchner para obter a maioria no Congresso para sancionar a Lei de Mídia postergando a entrada das empresas telefônicas, os Kirchner ganham uma batalha contra o Grupo Clarín e a oposição. Mas apesar de seguirem abertas as tensões entre os de cima, se unem contra os trabalhadores. Enquanto deputados governistas e opositores discutem na TV sobre a “liberdade de expressão”, as corporações patronais lançaram uma campanha pública através dos meios contra os direitos da classe trabalhadora a se defender com greves das demissões e dos ataques à liberdade sindical. A luta que já tem um mês é levada adiante por 2600 operários e operárias da Terrabusi, e ganha mostras de solidariedade em amplos setores da população, uma cruzada midiática tenta condená-los e preparar o clima para derrotá-los com a repressão.

Comunidade de interesses

O Grupo Clarín vem emitindo sistematicamente em seu jornal argentino um comunicado da COPAL (Coordenadora das indústrias de Produtos Alimentícios) que pede o desalojamento dos operários da Terrabusi, com a assinatura de seu presidente, Jorge Zorreguieta, que foi secretário da Agricultura do governo militar de Videla. A linguagem da corporação patronal, dominada por monopólios estrangeiros se refere ao legítimo direito a greve e liberdade sindical como “comportamentos ilegais, que violam o estado de direito e constituem um prejuízo aos próprios trabalhadores, as empresas e a sociedade de conjunto”. Pelo bem de todos, a COPAL pede “cessar o estado de ocupação ilegítimo para que possa se restabelecer o trabalho e a produção na fábrica em questão”. Isto é, a repressão pura e simples contra os operários e operárias que estão defendendo 160 companheiros demitidos, incluindo parte da comissão de delegados, com o objetivo de acabar com a organização sindical que coloca limites ã voracidade patronal. O governo está deixando as mãos livres, através do Ministério do Trabalho, que lhes permite a violação, mediante o lockout patronal, e da própria determinação judicial que exigia a reinstalação temporária dos postos de trabalho, desrespeitada pela patronal. De acordo com esta linha, o governo local enviou ã sede da multinacional um grande números de policiais, que militarizou a fábrica do bairro de Pacheco, depois de ter reprimido os trabalhadores em 7 de setembro, e é uma ameaça permanente contra os direitos elementares dos trabalhadores.

Porém, o “empresariado nacional” argentino saiu a defender o monopólio estrangeiro e condenou em um comunicado: “A metodologia abertamente ilegal adotada por um grupo de operários (...) afetam a segurança jurídica e o clima necessário para o investimento”. O que chamam “grupo” com “métodos ilegais” é a imensa maioria de uma fábrica de 2600 trabalhadores que unanimemente foram capazes de parar a fábrica durante todo o mês, de uma das patronais mais poderosas do mundo.
A difusão que os meios deram ã campanha para instalar um clima que prepare o desalojamento violento não é de estranhar. É pura solidariedade de classe da grande mídia, vanguarda nos ataques aos direitos sindicais, começando pelo Clarín, que em seus jornais, rádios e TV proíbem a organização sindical, e expulsam aqueles trabalhadores que se atreveram a impulsionar comissões internas de imprensa em suas empresas.
Está em curso, com a preparação da repressão na fábrica de Pacheco, uma ofensiva contra o novo movimento operário e suas organizações de base combativas. Neste clima a empresa Metrovías de Roggio, como Kraft, pediu que o Ministério do Trabalho declare ilegal as ações do Corpo de Delegados do Metrô pelo reconhecimento de seu sindicato independente da burocracia da UTA, que voltou a demonstrar com uma paralisação total das linhas durante 3 horas quem é a verdadeira representação dos trabalhadores.

“Querem liberdade sindical?”

“Querem liberdade sindical? Aí a tem”, disse Hugo Moyano, o chefe da CGT, que alerta que “se o governo e a Justiça continuam legalizando (como a Corte Suprema fez) a formação de grêmios afiliados ou não ã Central de Trabalhadores Argentinos (CTA), e independentes da CGT, se darão mais casos como o de Kraft”. É reveladora a coincidência com os jornais que gastaram rios de tinta contra Moyano.Infobae, um jornal de direita, denuncia que “Os conflitos trabalhistas no metrô,na empresa alimentícia Kraft (ex Terrabusi) respondem a uma mesma matriz: sindicatos que não conseguem controlar as comissões internas, delegados de base hiperpolitizados e uma fraca intervenção do governo nacional que não consegue controlar esta base”. Outro inimigo declarado de toda organização sindical, o neoliberal Âmbito Financeiro, dedica uma extensa análise ã “onda de rebeldia dos trabalhadores que transborda as direções sindicais ‘naturais’”.

Ante esta “preocupação” Moyano se apresenta como garantia de “paz social”. A burocracia da CGT que começou denunciando que “para estas empresas estrangeiras o melhor sindicato é o sindicato que não existe”, agora descobriu que pode prestar novos serviços atacando os dirigentes eleitos pelos trabalhadores, enquanto que os homens do sindicato de alimentação passaram a atuar diretamente como fura-greves tentando por em funcionamento setores da fábrica junto aos chefes. E a CTA, o que faz?
Ante esta ofensiva patronal a CTA tem “planificada” uma marcha para fim de mês ao Ministério do Trabalho para reivindicar “liberdade sindical”. Enquanto foram os deputados próximos ã CTA, como Macaluse, Fabio Basteiro e Claudio Lozano, os que denunciaram nos meios e no Congresso a repressão a Kraft, a central não a tomou, como organização operária, uma só medida de ação solidária com a greve em uma das maiores fábricas do país. A CTA aparece a cada vez mais ante seus próprios afiliados como alheia ás lutas e ã vida real do movimento operário. Já seu dirigente nas fábricas de Pneus, Pedro Wasiejsko, deixou passar em seu momento, o ataque aos delegados da fábrica FATE e as demissões dos melhores ativistas da greve por salário de 2007. Os defensores da “liberdade sindical” se negam atualmente a reconhecer o triunfo da oposição classista e de esquerda no sindicato docente de La Plata.

Mobilização urgente

A heróica luta de Terrabusi entra num momento decisivo. A partir dos pronunciamentos dos principais organismos de direitos humanos, de deputados, personalidades da cultura, até as ações solidárias de centros e federações estudantis, o movimento militante de mulheres e organizações operárias em todo o país devem exigir dos sindicatos da CTA e CGT a convocação imediata a uma paralisação e mobilização para evitar o desalojamento e a repressão aos grevistas e conseguira reincorporação de todos os demitidos como o pedem em mais de um mês de luta.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)