FT-CI

Crise Econômica Mundial

Não são as “noções econômicas”... é a crise capitalista

14/08/2011

Logo após a classificadora de risco Standard & Poor’s degradar a divida publica norteamericana e em meio do contínuo deslizamento de todas as bolsas do mundo, os neokeynesianos e prêmios Nobel de economia, Joseph Stiglitz e Paul Krugman, iniciaram uma cruzada sustentando que o problema não está fundamentalmente na economia, senão nas “noções econômicas” e na “extrema direita”. “A explosão de uma bolha conduziu a um estimulo keynesiano massivo que evitou uma recessão muito mais profunda, mas também impôs déficits orçamentários importantes” diz Stiglitz (Clárin, 6/8). “O déficit orçamentário dos Estados Unidos é, antes de tudo, principalmente o resultado da crise econômica que seguiu a crise financeira de 2008”, disse Krugman (The New York Times, 8/8). E apesar disso, a crise é fundamentalmente de “noções econômicas”, como disse Stiglitz ou provocada pela “extrema direita”, como disse Krugman, porque o problema seria que “as noções econômicas equivocadas a ambos lados do Atlà¢ntico tem estado reforçando-se entre si” (Stiglitz) ou que os problemas do Estados Unidos “são quase em sua totalidade (...) causados pelo crescimento de uma extrema direita disposta a criar crises repetidas em lugar de ceder um ponto sequer em suas demandas”. O que os, até agora, críticos pela esquerda de Obama querem dizer é que o verdadeiro perigo não vem das tendências estruturais profundas da economia capitalista que provocaram a crise de 2007/9, senão do risco crescente que os Estados centrais (que inicialmente atuaram com medidas relativamente coordenadas de contenção da crise) retirem os estímulos provocando uma situação similar a que se desatou nos EUA em 1937, ante a retirada por parte de Roosevelt das medidas de intervenção estatal.

As omissões de Stiglitz e Krugman

O drama das economias norteamericana e europeia é muito distinto do que aduzem ambos acadêmicos. O problema é que as intervenções estatais mais volumosas da história do capitalismo mundial, permitiram só uma débil recuperação das economias dos países centrais. No caso dos Estados Unidos com mais de 3 bilhões de dólares em resgate que elevou a dívida pública desde 64,4% do PIB aos fins da Segunda Guerra Mundial), apenas se atingiu um nível de crescimento que recupera a queda acumulada desde 2008. Tomando o ano de 2007 como base de 100, aos fins do ano 2009 a economia norteamericana estava em 96,186 pontos, o qual implica uma queda acumulada de 3,8% (em base a dados atualizados do Burô de Análise Econômica dos Estados Unidos). Se se leva em conta que o PIB cresceu durante 2010 aproximadamente 3% e durante os dois trimestres de 2011 ao redor de 0,8%, apenas estaria alcançando a recuperação da queda, enquanto o desemprego reside em torno de 9,2%, isto é, 5 pontos acima que em 2007 e quando os primeiros sintomas da recessão voltam a fazer-se presentes. Deste modo, as “noções econômicas” que – com críticas, claro e sugerindo algumas medidas mais radicais como incremento dos impostos aos ricos – defendem como “mal menor” Stiglitz e Krugman, só conseguiram conter as quebras bancarias e recompor parcialmente a cadeia de crédito. Questão que permitiu ao capital aproveitar as vantagens de uma débil recuperação para realizar lucros que no primeiro trimestre de 2011 resultaram 22% superiores as do último trimestre de 2007 (Catherine Rampell, The Economist, 8/8). Mas muito longe estiveram de recompor uma dinâmica relativamente estável de inversão (acumulação de capital), de crescimento do emprego e do consumo, que voltou a cair pela primeira vez em 2 anos, antes de que a economia terminasse de recuperar o perdido.

O problema não é a dívida, é a recessão

Tem razão Krugman quando assinala que o grande problema dos Estados Unidos não está nos déficits orçamentários e que se a economia marchar pelo caminho correto, a dívida não deveria ser um grande problema. É certo, mas só em condição de “a economia marchar pelo caminho correto”, coisa que não está sucedendo. O problema é que a intervenção estatal e o endividamento não permitiram mais que tirar conjunturalmente a economia da recessão com a qual a dívida estoura, agora sim, como um problema em si mesmo e as “noções econômicas” que defendem ambos economistas (insistimos, como “mal menor”), estão seriamente questionadas em sua efetividade. A possibilidade dos Estados Unidos de endividar-se está associada a seu rol no mundo, questão muito relacionada a fortaleza de sua economia. A máxima classificação e o “risco 0” da dívida norteamericana, se baseiam em ultima instancia na confiança do mundo na segurança que outorga EUA, no que o resto do mundo pensa dos EUA. As dificuldades para recuperar o ritmo de crescimento da economia que se acompanham de um persistente desemprego e decadência da sociedade norteamericana, vão contra essa “segurança”. Este é precisamente o limite dos EUA para tomar credito de forma infinita. Se a economia norteamericana se mostra débil, a confiança se debilita e o endividamento se encarece como indica o rebaixamento da classificação que em perspectiva deixam mais baratos os Bônus do Tesouro, e incrementa os juros que se devem pagar por eles. A situação da economia lhe põe um limite a capacidade de endividamento (por isso não era o mesmo endividar-se para o estado Norteamericano no anos ’30 com uma dívida aproximada a 0 e uma economia poderosa, que o fazer [endividar-se] em 2011). A recessão provocou uma destruição parcial de capitais e os estímulos estatais (de modo a evitar uma queda mais profunda, como assinala Stiglitz) ajudaram ao capital a aproveitar as vantagens dessa desvalorização e de um incremento do desemprego que impulsionou uma queda de salários elevando a taxa de mais-valia. O problema é que nem bem se chega ao status anterior, a sobreacumulação de capitais volta a se expressar no mínimo com a mesma força que inicialmente. Ao não atingir a economia uma dinâmica própria e independente dos incentivos estatais, a grande acumulação de dívida se combina com os sintomas que indicam a possível entrada de uma nova fase recessiva. Questão que por suposto põe em dúvida a capacidade de endividamento do Estado impedindo que os estímulos se reciclem ao menos na magnitude e com a potência que o fizeram na primeira fase. É um ciclo vicioso e tudo faz pensar que o prognóstico para a próxima recaída é mais sombrio que o anterior.

O Tea Party e a xenofobia europeia

O fortalecimento da ala ultradireita do Partido Republicano, Tea Party, não é a causa atual da crise senão a consequência da decadência, do salvamento impune dos bancos e as grandes corporações, da continuidade do desemprego e da extremamente débil recuperação da economia norteamericana. A ala Tea Party, tem seu correlato nas profundas tendências xenófobas que habitam a Europa. O florescimento de ditas tendências é, do mesmo modo, o resultado das políticas de contenção da crise que incrementaram exponencialmente as já avultadas dívidas dos países do sul da zona euro e Irlanda. É o resultado do estouro das dívidas que conduziu aos brutais planos de ajuste nas economias em estado recessivo e com muitos índices de desemprego, ditados pelos credores, Alemanha e França. É o resultado dos centenas de bilhões de euros que Alemanha e França destinaram para salvar a seus próprios bancos. O fortalecimento das “noções econômicas equivocadas” que “a ambos lados do Atlà¢ntico tem estado reforçando-se entre si”, são em realidade, o subproduto do fracasso das “idéias econômicas” que agora defendem Krugman e Stiglitz. Em última instancia, são produto da impotência das medidas de intervenção estatal destinadas a salvar o capital da crise que sobreveio como resultado do estouro das contradições acumuladas durante as últimas três décadas de “neoliberalismo”.

10/08/2011

Tradução: Iuri Tonelo

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)