FT-CI

Jornal Palavra Operária: Editorial

Não deixemos Alckmin e Rodas calar este exemplo punindo os 73!

27/11/2011

A ação dos estudantes da USP abriu uma grande discussão nacional sobre a polícia, sobre as universidades e sobre o movimento estudantil. Sua luta ofuscou os debates nacionais tão proeminentes como a iminente queda do outrora todo-poderoso ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), homem forte da segunda maior central sindical do país, a Força Sindical. A concomitante invasão da Rocinha por quase 4 mil homens armados também aumentou a contraposição entre um clima nacional todo ordeiro pró-polícia e a corajosa postura contra a corrente dos estudantes da USP que questionam a polícia na universidade, contando inclusive com um setor estudantil que também questiona a polícia que reprime e assassina nos bairros, morros e favelas.

Cada TV, jornal, revista brasileira, começando pelas mais reacionárias, clamou pela prisão e porrada aos “baderneiros”, “bandidos” e outros substantivos amáveis que elas costumam reservar aos sem-terra, sem-teto e todos os que não aceitam esta ordem exploradora, esse estado de coisas. Também não faltaram tentativas por parte do governo Alckmin (PSDB), da reitoria e infelizmente em incriminar os manifestantes nestas duas primeiras fases do conflito, antes das prisões e a entrada da greve (a primeira, a resistência ã prisão de três estudantes e ocupação da FFLCH; a segunda, a ocupação da reitoria e o início de massificação do conflito). Mesmo diante da reacionária campanha da reitoria, do governo e da imprensa contra os estudantes, correntes importantes na USP, como PSOL e PSTU, fizeram coro e deram munição a esses ataques que buscavam isolar a vanguarda estudantil para derrotá-la com o discurso de “minoria radical”.

Todo o maccartismo (caça ás bruxas) contra os estudantes e as organizações políticas participantes, e em grande medida especialmente ã LER-QI, tinha uma razão de existência: os estudantes da USP colocaram um desafio importante ao projeto de país em curso, de um país-potência pacificado com botas policiais pisando em corpos negros e silenciado dos protestos contra as persistentes desigualdades sociais, tudo composto num clima social de estabilidade econômica, consumismo, conformismo e individualismo.

Nós da Liga Estratégia Revolucionária encaramos a atual batalha na USP como parte de uma guerra muito superior. A guerra em curso com maior agudez em países do mediterrâneo europeu e africano, e também em nossos vizinhos Chile e Colômbia, é uma guerra entre duas perspectivas de classe e estratégicas opostas. Por um lado, transformar as universidades em um cemitério da vida e das idéias, privatizadas e elitizadas para atender aos interesses econômicos e políticos (de hegemonia) de uma burguesia submissa aos interesses imperialistas e desafiada pela maior crise econômica desde os anos 30, ou, por outro, fazer das universidades barricadas de conhecimento e militância para o questionamento do conjunto da exploração capitalista, na perspectiva de uma universidade democrática, aberta ás massas, onde o conhecimento esteja voltado aos interesses da maioria e da nação. Os mais conscientes e reacionários articulistas como Reinaldo de Azevedo, da Veja, expressaram muito bem esta dicotomia histórica e política que estará crescentemente posta em nossas terras: estudantes submissos, obedientes e policialescos, ditos “modernos” e privatistas como a direita eleita na UnB, ou “arcaicos”, rebeldes e ligados ao espírito combativo e revolucionário de 1968 como os estudantes da USP. De nossa parte, aceitamos essa diferenciação. Queremos ser como os estudantes de 1968, na perspectiva de superá-los, começando por recriar em grande escala uma de suas máximas: do questionamento da universidade de classes ao questionamento da sociedade de classes.

Encaramos a atual batalha como parte desta guerra superior e que hoje passa pela prioridade em lutar pela retirada dos inquéritos ilegais contra os 73 presos políticos da USP. A repressão aos 73 estudantes e trabalhadores da USP, que seguiam a resolução de seu sindicato (Sintusp), solidário à luta estudantil, é um passo que um setor da burguesia quer dar contra o conjunto do movimento de massas. Setores tucanos e afins em São Paulo querem mostrar como tratar não só os estudantes mas fundamentalmente os trabalhadores, os sem-terra, os sem-teto, criminalizando os que lutam enquanto fecham os olhos aos assassinatos no campo, ameaças de morte aos lutadores da Unir (Universidade Federal de Rondônia), chacinas policiais e ataques de grupos nazi-fascistas herdeiros da ditadura militar. Para essa burguesia que vive de joelhos diante dos amos imperialistas, a juventude combativa e radical da USP deve ser punida exemplarmente para não incomodar os negócios capitalistas, os lucros extraordinários com a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Nesse projeto estratégico contam com o governo Dilma, o PT e o PCdoB como aliados, que portanto devem ser responsabilizados pela desenfreada criminalização dos lutadores sustentada pela impunidade aos políticos corruptos e aos agentes civis, policiais e militares da ditadura militar.

É preciso colocar de pé uma ativa campanha unificada e democrática em defesa da retirada dos inquéritos ilegais aos 73 presos políticos da USP. O primeiro passo para isto exige que as principais organizações políticas do movimento estudantil da USP, o PSOL e o PSTU, saiamí de seu jogo mesquinho da pequena luta política (fracionalismo, intrigas e calúnias) contra os estudantes combativos e determinados para cumprirem as resoluções aprovadas nas grandes assembleias que exigem a defesa dos 73 – começando pelo respeito elementar do DCE (PSOL) em publicizar e fazer cumprir o que for de fato votado.

O que está em jogo, como bem apontaram diversos renomados intelectuais em artigo de opinião na Folha de São Paulo (“USP: privatização e militarização”), não são somente as punições destes 73 mas todo um projeto de privatização da universidade que exige sua militarização, com a consequente perseguição, espionagem e impedimento das manifestações políticas. O ataque aos 73 presos políticos da USP, assim como os processos administrativos abertos contra trabalhadores e estudantes e a inconstitucional demissão do dirigente sindical Claudionor Brandão são funcionais ã elitização cada vez maior da USP, na estratégia de transformá-la em “centro de excelência” para poucos e a serviço dos negócios de grandes grupos capitalistas monopólicos, ou seja, um projeto contra os interesses da maioria e do país. Como mostram também estes intelectuais a batalha pela retirada dos inquéritos dos 73 presos é parte de uma guerra superior contra este projeto tucano que Rodas aplica com os métodos da ditadura militar, a quem serviu e continua servindo, impondo a PM e a repressão na universidade. Lutar contra a PM na USP é um grande passo em defesa de uma universidade democrática, com acesso livre a todo o povo trabalhador, sem vestibular, e uma posição a conquistar para que os trabalhadores, negros e negras e os lutadores sociais encontrem uma voz forte contra os desmandos, perseguição, repressão e assassinatos impetrados pelas polícias e seus agentes para-estatais nos bairros, morros e favelas de todo o país.

O que Rodas, Alckmin e um setor da burguesia conseguirem impor contra estudantes da USP será uma arma contra o movimento de massas em todo o país. Cada organização democrática e popular, principalmente as organizações de esquerda, precisam colocar-se ativamente em defesa da anulação dos inquéritos ilegais contra os 73 presos políticos da USP, seguindo o exemplo de importantes professores e personalidades como Francisco de Oliveira, Lincon Secco, Francisco Alambert, Jorge Grespan, Luiz Renato Martins e Marcos Soares.

Uma vanguarda que soube estar na contra corrente. Fortalecer e nacionalizá-la como direção consciente de um movimento estudantil revolucionário

Esta luta, muito superior, para construir um movimento estudantil que seja radical, massivo, democrático e tribuno de quem está fora das universidades exigirá forças centuplicadas, uma vanguarda consciente, revolucionária, em todo o país. É para contribuir neste projeto que a LER-QI dedica suas forças. Chamamos os estudantes e jovens que vivenciaram este processo aberto na USP e têm acordo com nosso programa de ação a darem um passo adiante para construirmos uma grande juventude combativa, classista, anticapitalista e anti-imperialista para continuar os combates em defesa da anulação dos inquéritos contra os 73 presos políticos da USP, pelo Fora PM da USP, bairros, morros e favelas, pela defesa dos terceirizados e sua efetivação com salários e direitos iguais, solidariedade incondicional a todos que lutam no campo e na cidade contra esse sistema de miséria, exploração e opressão. Venha conosco construir a Juventude As Ruas, que reúne militantes da LER-QI e independentes.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)