FT-CI

LANÇAMENTO DA 2ª EDIÇÃO DO LIVRO “A PRECARIZAÇÃO TEM ROSTO DE MULHER”

Mais de 300 trabalhadores e estudantes lotam a Casa Socialista Karl Marx

11/03/2013

No último sábado, dia 09 de março, como parte das atividades do dia internacional das mulheres, as Edições ISKRA e o grupo de mulheres Pão e Rosas, com apoio da Juventude As Ruas organizaram o lançamento da 2ª edição do livro “A precarização tem rosto de mulher”. Com um auditório lotado, mais de 300 pessoas presenciaram o lançamento, apresentado por Letícia Parks e André Bof, estudantes da USP e militantes da Juventude As Ruas que estiveram lado a lado ás trabalhadoras da União em sua greve no ano de 2011, também retratado nesta 2ª edição.

O livro conta a história de luta das trabalhadoras terceirizadas da USP e de outros locais, como a grande luta dos operários da Façon no Metrô de São Paulo. Por isso a presença de trabalhadores e trabalhadoras terceirizadas de diversas empresas como Dima, União, Façon, BKM, Guima, Brazanitas, entre outros, trabalhadoras da luta das merendeiras em Campinas, trabalhadores de fábricas, mas também de dezenas de estudantes e secundaristas de São Paulo, Campinas, Franca, Marília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, entre outros. Estiveram presentes também as agrupações Metroviários Pela Base, Professores Pela Base e Boletim Uma Classe dos bancários da Caixa Econômica Federal. Além disso contamos com a presença de diretores do Sindicato dos Trabalhadores da USP, bem como de Cida, mãe de Cícera Maria, trabalhadora terceirizada da USP assassinada em 2007, ã quem dedicamos esta 2ª edição do livro.

Na mesa de abertura estiveram presentes Silvana Ramos, principal liderança da greve das trabalhadoras e trabalhadores terceirizados da Dima na USP em 2005 e militante do Pão e Rosas e Diana Assunção, dirigente da LER-QI e diretora do Sindicato dos Trabalhadores da USP, uma das trabalhadoras perseguidas pelo Ministério Público e pela Reitoria no caso da denúncia aos 72 estudantes e trabalhadores. A atividade teve início com uma breve apresentação de Letícia Parks e André Bof, demonstrando que a luta por construir uma juventude que lute pelo seu futuro é a luta por estar estrategicamente ao lado da classe trabalhadora em seus combates de classe contra este sistema capitalista. Uma saudação honorária foi feita as mulheres da Índia e da chamada “Primavera Árabe”, sendo fortemente aplaudida. Em seguida foi exibido um vídeo da luta das trabalhadoras da União em 2011.

Silvana abriu sua intervenção dizendo em primeiro lugar que o livro contava não apenas a história de sua luta, mas a história de nossa luta, da luta de todas as mulheres que estavam no lançamento e de tantas outras que não puderam vir. Contou toda a situação de exploração e opressão que viveu como trabalhadora terceirizada, bem como os primeiros passos de organização dos trabalhadores e a luta contra a burocracia sindical. Foi efusivamente aplaudida quando contou que conseguiram “dobrar a patronal” ao conquistar a aliança com os trabalhadores terceirizados que tinham sido contratados para substituir ela e outras trabalhadoras em greve.

“As trabalhadoras devem buscar se organizar e devem convencer seus maridos e companheiros para nos ajudarem em nossa luta. Durante a greve da Dima eu convenci meu companheiro a dividir as tarefas domésticas comigo, pois eu não conseguia ficar nas assembléias e depois dar conta de tudo sozinha. Mas isso não é suficiente. Temos que exigir que o Estado garanta creches, lavanderias e restaurantes públicos para que não tenhamos que continuar arcando de forma gratuita com o trabalho doméstico dentro das nossas casas, o que para as trabalhadoras significa uma dupla jornada de trabalho”, disse Silvana ao fim de sua intervenção, chamando todas as mulheres a se organizarem no grupo de mulheres Pão e Rosas em seus locais de trabalho e estudo.

Diana Assunção, também organizadora do livro, abriu agradecendo ã Natália Viskov, diretora das Edições ISKRA e toda a equipe de militantes desta publicação, bem como aos professores Jorge Luiz Souto Maior, Maria Beatriz Costa Abramides e Claudia Mazzei Nogueira que escreveram as apresentações do livro. Diana iniciou sua intervenção falando sobre as características da precarização do trabalho como uma política de Estado para dividir e enfraquecer a classe operária, e o papel que governos como o do PT cumpriram “Nesta década de PT no governo, as “grandes terceirizadoras”, empresas onde cotidianamente morrem trabalhadores por péssimas condições de trabalho como a Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, foram as empresas da construção civil que mais lucraram com o chamado “Programa de Aceleração do Crescimento” (PAC). Uma tendência que deve aumentar diante dos megaeventos como a Copa e as Olímpiadas em 2014. Estas empresas são ao mesmo tempo as grandes financiadoras do PT e do PSDB nas eleições – e em São Paulo, com Fernando Haddad não é diferente”.

A uma situação nacional de aparente passividade, e onde a crise capitalista ainda não atingiu profundamente, Diana fez um contraponto a partir destas pequenas lutas de trabalhadores precários e a própria situação em países da Europa onde a burguesia tenta descarregar os efeitos da crise que ela mesma criou nas costas dos trabalhadores e da juventude, que por sua vez começam a dar suas respostas. Pontuou também uma perspectiva marxista revolucionária sobre a opressão ás mulheres que se opõe ao feminismo burguês (e também ã sua versão menos escancarada que é o feminismo pequeno-burguês) pois considera que a luta contra a opressão é uma luta para destruir pela raiz esta sociedade, abrindo espaço para a verdadeira possibilidade de emancipação das mulheres.

Diana buscou também pontuar cada processo de luta e como foi a confluência entre a combatividade e espontaneidade de centenas de trabalhadores terceirizados, com um Sindicato combativo e classista como o Sintusp e o programa e prática política de militantes revolucionários trotskistas, que colocando toda sua força conseguiram transformar pequenas lutas em verdadeiras batalhas de classe, forjando amplos setores da universidade na luta pela efetivação dos trabalhadores precários sem necessidade de concurso público.

Por fim, Diana fez um amplo chamado:

“Como dizia Leon Trotsky, um dos dirigentes da Revolução Russa ao lado de Lenin ‘Se queremos transformar a vida, temos que aprender a enxergá-la através dos olhos das mulheres’. A partir da publicação da 2ª edição do livro “A precarização tem rosto de mulher” fazemos um chamado a todas as mulheres, a toda a juventude, a todos os trabalhadores a se organizarem conosco, no grupo de mulheres Pão e Rosas e nas agrupações de trabalhadores e estudantes que impulsionamos na USP, no Metrô, entre professores, trabalhadores bancários, dos Correios, das fábricas, terceirizados e nas universidade, e que a partir da difusão deste livro organizemos um amplo movimento contra a precarização do trabalho, por nossos direitos e pelo fim desta sociedade de opressão e exploração. Porque exigimos o nosso direito ao pão, mas também ás rosas!”.

A atividade foi encerrada com Fabiana Leite, estudante de teatro e professora de Artes da rede estadual de São Paulo declamando o poema “Pão e Rosas” de Mara Onijá. A atividade contou com exposições sobre a luta das trabalhadoras da União e sobre o levante das mulheres na Índia, bem como com um impactante grafitte feito por Joks, Difavela, Sapiens e Populacho com as imagens de Karl Marx e Rosa Luxemburgo. Depois seguimos com uma grande confraternização com um delicioso yakissoba, bebidas e samba da melhor qualidade com o samba dos amigos Tiaraju, Vitor, Juninho, Thiago e Pirulito durante toda a noite para encerrar esse dia tão especial.

Em breve vídeos e entrevistas exclusivas sobre o lançamento. Para adquirir o livro envie email para a Editora Iskra(iskra@ler-qi.org) ou entre em contato com um de nossos militantes no seu local de trabalho ou estudo.

Veja aas saudações internacionais que o lançamento do lviro recebeu de companheiras do grupo de mulheres Pão e Rosas do México, Estado Espanhol e Argentina.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)