FT-CI

Honduras

La Verdad Obrera entrevistou Andrea D’Atri, dirigente nacional do PTS(Partido dos Trabalhadores Socialistas), que encontra-se em Tegucigalpa.

02/11/2009

Na última sexta-feira, depois de um novo ultimato de Zelaya o qual não teve nenhuma repercussão entre os golpistas, a equipe de negociação do presidente deposto deu por concluído o denominado Diálogo Guaymuras. A quatro meses do seqüestro e expulsão de Manuel Zelaya, o regime golpista encabeçado por Roberto Micheletti e o próprio presidente deposto tinham chegado em vários acordos. Este último – que já havia aceitado quase todos os pontos exigidos pelos golpistas no diálogo – chegou, inclusive a cojitar a possibilidade de ser restituído depois das eleições fraudulentas. Contudo, a intransigência dos golpistas no que concerne a sua restituição voltou a atravancar a situação.

No marco deste novo impasse nas negociações e quando se completam quatro meses de golpe, chegaram a Tegucigalpa, Thomas Shannon – secretário de Estado adjunto para América Latina dos EUA – e Dan Restrepo – conselheiro adjunto da Segurança Nacional da Casa Branca. Após a visita da OEA (Organização dos Estados Americanos), que se retirou na semana passada sem resultados, chega esta nova missão para pressionar por um novo acordo que sane a crise aberta pelo golpe cívico militar. As missões dos EUA e da OEA não têm outro objetivo senão o de dar o golpe final para fechar um acordo reacionário no qual a restituição de Zelaya termine endossando o resultado eleitoral fraudulento, legitimando o regime golpista.

Qual a situação das negociações entre Zelaya e os golpistas?

Como puderam ver na mídia, na sexta passada a comissão de Zelaya deu por concluída as negociações do chamado Diálogo Guaymuras. As comissões de ambas as partes tinham chegado em vários acordos, porém finalmente voltou a travar um diálogo em torno da restituição de Zelaya. E, ainda que a imprensa golpista hondurenha relacione este resultado ã intransigência dos zelayistas, o certo é que Zelaya quem vem aceitando todas as exigências colocadas pelos golpistas na mesa de negociações. Por começar, aceitando este diálogo mesmo quando ainda havia estado de sítio; mas aceitando também as exigências de marchar para um governo de unidade nacional, a impunidade para os golpistas e a renúncia de convocar uma assembléia constituinte. Apesar de todas estas concessões, os golpistas continuam relutantes em aceitar a restituição de Zelaya e, até agora, mantêm a proposta de um governo de transição, encabeçado por uma terceira pessoa, ou seja, nem Zelaya nem Micheletti.

Depois de quatro meses, os resultados obtidos por negociação – impulsionada pela OEA, o imperialismo e os governos da região – mostram que o diálogo só serviu para fortalecer os golpistas. E, ainda que, no início vários governos tenham dito que desconheciam o resultado das próximas eleições de 29/11, ã medida em que o tempo passa e as eleições se aproximam, alguns já começam a manifestar seu repúdio ã fraude eleitoral. Há um mês, por exemplo, na assembléia de emergência da OEA, tanto os EUA como outros países se abstiveram de definir qual será sua posição frente aos resultados das próximas eleições, deixando aberta a possibilidade de dar legitimidade internacional.

Entre o diálogo e a repressão, os golpistas avançam na campanha eleitoral. Não é assim?

O que se pretende impor é um clima de normalidade e canalizar todos para as eleições fraudulentas de final de novembro. E, ainda que se tenha terminado formalmente o estado de sítio, a repressão se mantém. O exemplo mais recente é o massacre na colônia Ramón Amaya Amador, onde quatro jovens foram mortos a tiros; um crime que a impresa tratou de vincular ã suspeitos ajustes de conta de delinqüentes, mas que ninguém acredita, já que dois dos assassinados eram irmãos e tinham uma barbearia no bairro, o terceiro era um trabalhador amigo dos anteriores e o quarto foi assassinado por ter passado no lugar e presenciado o ocorrido.

Além disso, alguns deles eram filhos de uma conhecida ativista antigolpista e este bairro, localizado à leste de Tegucigalpa, se destacou por sua resistência. Nos últimos dias, em circunstâncias não esclarecidas, foram assassinados o sobrinho de Micheletti, um coronel das Forças Armadas e, também, foi seqüestrado o empresário e político Alfredo Jalil, que é o pai do vice ministro de Defesa do regime golpista. Todo aquele, no marco da repressão seletiva contra a resistência, pode ser utilizado pelo mesmo regime para desencadear uma verdadeira “caça as bruxas” contra o ativismo antigolpista. Por isso, a insistência de Zelaya na resistência “pacífica” e em confiar numa saída negociada, não faz outra coisa que desarticular qualquer possibilidade de resposta da resistência hondurenha e promover a demobilização.

Quais perspectivas se apresentam a partir desta situação?

Parece-me que o que temos visto em cada rodada de negociação é que, em todos os casos, é o regime golpista que sai fortalecido. Significa que os acordos são uma variante que os setores que têm se mobilizado contra o golpe, sofrendo a repressão, não devem aceitar. As professoras e professores, os sindicatos que estão em resistência, a juventude da universidade e dos bairros, as mulheres e o povo que se mobilizam contra o golpe não alcançarão, com estes diálogos, nenhuma resposta ã suas demandas. Por isso, é preciso redobrar as mobilizações e o apoio do povo hondurenho contra a armadilha das negociações e da saída eleitoral fraudulenta, que não busca outra coisa que proteger o regime político oligárquico de Honduras. Para isso, é necessário que a Frente Nacional de Resistência rompa definitivamente com qualquer expectativa de diálogo e retome o caminho de luta e mobilização nas ruas, com a perspectiva de organizar um boicote ativo ás eleições. É indispensável que, em nossos respectivos países, redobremos a mobilização e apoio à luta do povo hondurenho.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)