FT-CI

Pronunciamiento da FT-QI

Haiti: Solidariedade operária e popular com o oprimido povo haitiano

16/01/2010

Haiti: Solidariedade operária e popular com o oprimido povo haitiano

O terremoto que arrasou o Haiti produziu uma verdadeira catástrofe no país mais pobre do continente Segundo a ONU, 3 milhões de pessoas, quase um terço dos 10 milhões de habitantes, foram afetados diretamente, enquanto que o próprio governo haitiano afirma que poderiam ser entre 30.000 e 100.000 mortos. A ONU também alertou que o número de vítimas pode se duplicar como consequência da falta de água e do estado de decomposição dos cadáveres.

Um país ocupado e saqueado

O Haiti está ocupado desde 2004 por ordem dos EUA em acordo com as Nações Unidas, sob uma missão militar liderada pelo Brasil e composta por vários países latino-americanos. Usando o argumento de uma suposta missão humanitária conhecida como Minustah (Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti), as tropas do Brasil, Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Equador, entre outros, além da polícia de mais de trinta países, mantêm uma ocupação no país para garantir o negócio dos capitalistas enquanto o povo haitiano está mergulhada na pobreza.

As organizações populares do Haiti tem repetidamente denunciado as violações dos direitos humanos cometidas pelas forças de ocupação, que vão desde perseguições e detenções até assassinatos políticos, massacres nos bairros mais pobres da capital e estupro de mulheres e meninas.

A pobreza extrema neste pequeno país é o resultado do saque imperialista e dos planos econômicos monitorados pelo FMI e Banco Mundial, que desde a década de 1980 com a exigência de uma abertura econômica "e uma reestruturação para eliminar as barreiras comerciais” tornaram a dizimada economia haitiana ainda mais dependente. Exemplo disso é que hoje importam mais de 80% de arroz, um alimento básico da população.

Na fronteira com a República Dominicana as empresas multinacionais, com o apoio do governo e sob a proteção da polícia haitiana e da MINUSTAH, transformaram o cinturão industrial da região em um verdadeiro centro de escravatura em que os trabalhadores não têm direitos e as tropas dos governos "progressistas" latino-americanos garantidem os lucros dos capitalistas, impedindo os trabalhadores de se organizarem.

Nos últimos anos, a situação do povo haitiano não fez mais que piorar. Sob a ocupação da ONU, enquanto as multinacionais estavam enchendo seus bolsos, os trabalhadores e o povo pobre do Haiti viram como a saúde, educação e infra-estrutura do país está em ruínas, enquanto 80% da população vive abaixo da linha de pobreza. Isto não é um produto de catástrofe natural, mas uma política orquestrada por empresas transnacionais e pela burguesia, cujo plano é transformar o país em uma “maquila” e garantir o roubo de terras, expulsando, como aconteceu nos últimos anos, centenas de milhares de camponeses para as miseráveis favelas urbanas, transformadas em reservatórios de mão de obra barata e semi-escrava, onde a fome é tão extrema que as pessoas comem bolachas de lama para sobreviver.

Uma catástrofe anunciada

Nos primeiros anos após a ocupação, diversas ONGs já tinham denunciado a crise da infra-estrutura, que deixa milhões de haitianos ã mercê de catástrofes climáticas. Segundo Camille Chalmers, diretor da Plataforma de Desenvolvimento Alternativo no Haiti -PAPDA, "o povo irmão do Haiti mergulhou em profunda crise, com falta de instalações e serviços básicos para o desenvolvimento da vida humana (...) inundações furacões e tempestades deixaram um saldo de mais de 3000 mortos, cerca de 300 mil perderam suas casas e vilas inteiras foram isoladas, ficando incomunicáveis, sem comida, água e medicamentos.

Hoje, o governo do Haiti fala da imprevisibilidade do terremoto e da "impensável" catástrofe para fugir ã responsabilidade pelas mortes de centenas de milhares de pessoas que vivendo em condições de insegurança absoluta são um alvo seguro de um desastre como o que abalou o país. A "solidariedade" de Obama, que disse estar seguindo de perto a situação não é mais do que um gesto cínico imperialista e para demonstrá-lo disse que iria "suspender temporariamente" a deportação de imigrantes "ilegais" do Haiti. Desde a ocupação, em 2004, a dívida externa do Haiti continuou a crescer, e o Banco Mundial e o FMI continuaram cobrando pontualmemte seus juros. Nos últimos anos, os países imperialistas, hipocritamente, anunciaram algum tipo de perdão parcial, mas isto não pode esconder que a dívida do país mais pobre do continente aumentou em mais de 40 vezes nos últimos 34 anos, passando de 40 milhões em 1970 a 1,6 bilhões em 2008. Enquanto os governos dos países imperialistas gastam centenas de bilhões de dólares para socorrer os bancos não está em seus planos resgatar da miséria o país mais pobre do continente! Por sua vez, a missão da ONU gasta mais de US $ 600 milhões para garantir a ocupação, que está acima das exportações totais do país.

Tudo isso mostra a responsabilidade, não só do governo do Haiti, mas dos governos latino-americanos que estão por trás das forças de ocupação, e dos países imperialistas, que continuam a saquear o país, mesmo diante da situação terrível pela qual passa o povo haitiano. Enquanto isso, em meio a esta situação catastrófica, as Forças Armadas de todos os países que compõem a MINUSTAH - ambos os governos "progressistas" e "nacionalistas" , como Lula, Kirchner e Bachelet, Evo Morales e Mujica, anunciaram para lavar suas mãos e mascarar os abusos que as suas tropas cometeram, como parte da missão da ONU, que os capacetes azuis estão realizando ações de emergência e “humanitária”.

A verdadeira missão do exército de ocupação é reprimir o povo haitiano, como ficou demonstrado pelas declarações de vários presidentes da região ao manifestarem que a sua preocupação é com a "prevenção" da pilhagem e de tumultos. É que estes governos, mesmo em situações de emergência, mostram seu verdadeiro caráter como defensores dos interesses da burguesia. O papel das tropas é controlar a população e militarizar o país, como acontece com o controle dos aeroportos e postos de atendimento médico por parte dos militares dos EUA.

O Haiti não é só a miséria: seus gritos libertadores inspiraram a Améria e o mundo

Como sempre, e para justificar seus planos intervencionistas, os imperialistas e os governos burgueses do mundo se usam invariavelmente das estatísticas da miséria que eles ajudaram a criar com os seus planos superexploração e definem o Haiti como um dos países mais pobres do mundo. No entanto, o Haiti não é só isso. Foi um exemplo para o mundo, tornando-se o primeiro Estado independente na América Latina, a partir do estabelecimento de uma república negra e onde ocorreu uma das únicas rebeliões de escravos exitosa. A rebelião negra, na qual desempenhou um papel brilhante o grande Toussaint Louverture, foi uma espada na cabeça das potências coloniais que atirou ao mar a aventura colonial do exército de Napoleão famosa na América na então colônia francesa de Saint Dominique . É este exemplo que nos querem fazer esquecer, começando com o não reconhecimento da independência do Haiti pelo. presidente dos EUA, Thomas Jefferson, que inicia um longo período de isolamento internacional promovido principalmente pelas potências europeias e pelos Estados Unidos, que não admitiu a existência de uma nação governada por ex-escravos, o que por sua vez, significou uma ameaça para os seus próprio sistemas escravista.

Fora as tropas imperialistas e a MINUSTAH! Por uma grande campanha de solidariedade com o povo do Haiti!

O terremoto no Haiti foi um fenômeno natural que não pôde ser evitado, mas as suas consequências e como lidar, não o são. A resposta da ONU para o desastre é uma “divisão militarizada" exigindo manter a ordem e paciência na espera de doações. Isso mostra o papel das forças de ocupação, a repressão aos que foram forçados ao saque em busca de alimentos. Como se a catástrofe não foram suficientes, o povo do Haiti deve sofrer a vigilà¢ncia na mira das escopetas da MINUSTAH.

Da mesma forma Aramick Louis ministro da Saúde, declarou que "bandos armados começaram a tomar o controle das ruas", acrescentando que "a maior preocupação do governo é com um eventual surto de violência", abrindo o caminho para a repressão. Portanto, não será nem as tropas estrangeiras nem o governo servil do Haiti que é completamente subserviente ao imperialismo e ás multinacionais que darão uma solução para a situação destas pessoas. Apenas os trabalhadores e o povo haitiano podem administrar a assistência sob o seu próprio controle.

Ante esta catástrofe que o povo haitiano vive hoje desde a FT e suas seções na América Latina chamamos a uma grande campanha unitária das organizações dos trabalhadores e das organizações políticas que defendem os interesses do povo a se mobilizar e exigir que a distribuição ás multinacionais a distribuição gratuita e imediata de todos os insumos necessários para enfrentar a catástrofe, como combustíveis, medicamentos, alimentos, etc.

- Fora já as tropas da MINUSTAH!

- Fora ianques do Haiti e de toda América Latina!

- Que os lucros dos capitalistas sejam utilizados para enfrentar a catástrofe

- Que as organizações dos trabalhadores controlem os recursos recebidos

- Pelo cancelamento da dívida externa do Haiti

Fração Trotskista - Quarta Internacional

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)