FT-CI

APROVA-SE NOVO PLANO DE AUSTERIDADE, EM MEIO A PROTESTOS E LUTAS DE RUA

Greve de 48 horas paralisa a Grécia

01/07/2011

Em meio a um repúdio maciço, o governo conseguiu passar a portas fechadas o novo pacote de ajuste por uma pequena maioria de 17 votos (155 a 138) e infligir um ataque sem precedentes na história econômica. Em 28 e 29 de junho a Grécia viveu uma greve geral de 48 horas. A medida chamada pela central sindical GSEE (setor público) e ADEDY (privado) foi convocada para coincidir com a discussão e votação sobre um pacote que o primeiro-ministro George Papandreou tentou aprovar a todo o custo sob a insistência dos organismos financeiros internacionais e com a "bênção" da presidente recém-nomeada do FMI, Christine Lagarde, a redução de 28 bilhões de euros dos gastos públicos até 2015. Este voto foi vital para o governo s do PASOK, que com a aprovação do novo pacote irá receber um crédito de 120 bilhões de euros da União Europeia e do FMI. No meio de um forte clima de oposição, de acordo com várias pesquisas 80% da população se opõe ás medidas, o governo precisa desesperadamente de um novo empréstimo para saldar suas dívidas no final de julho, caso contrário, a Grécia entraria em default.

Greve e mobilização

O apoio ã greve foi esmagador, com escolas, universidades, empresas estatais, bancos e escritórios do governo fechados, os hospitais só atendendo casos de emergência, rodoviária, metrôs e trens trabalharam apenas para fazer a transferência para as manifestações. O aeroporto fechou e os controladores de tráfego aéreo entraram em greve por 4 horas no período da manhã e da tarde que forçou o cancelamento de vôos no Aeroporto Internacional de Atenas.

As ruas estavam cheias de centenas de milhares de pessoas que tornaram a dizer não ao pacote de ajuste em meio a um sentimento generalizado de raiva que aumenta todos os dias. É que para a maioria das pessoas tal como se expressa em suas declarações para a mídia “ser a favor dessas medidas é como cavar sua própria cova". Greves gerais e manifestações são comuns em um país onde o desemprego cresceu 16% em um ano devido aos ajustes já em vigor e devia 31.000 € por pessoa. O PAME, grupo sindical controlado pelo Partido Comunista da Grécia, que está centralmente com base entre os trabalhadores portuários, ao aderir ã greve convocada, escolheu fazer um movimento separado na Acrópole na parte antiga de Atenas, uma tentativa que falhou para enfraquecer o maior encontro fora do parlamento. Por sua vez, é uma política que não apresenta medidas alternativas ás greves isoladas de 24 horas que tem sido a política constante de pressão da liderança sindical.

Desde a manhã de terça-feira 28/6 começou a estar presente na Praça Syntagma, em frente ao parlamento, a primeiras delegações de trabalhadores, jovens precários, desempregados e aposentados. Nas colunas enormes que foram organizadas vários setores foram rapidamente se concentrando ante uma grande presença policial. Só em Atenas o governo mobilizou 5.000 policiais. Na parte da tarde, enquanto alguns estavam cantando ’nos declararam guerra e essa guerra responderemos com guerra "começou a se dar os primeiros choques entre jovens e a polícia, após as forças de repressão isolarem os manifestantes em um canto da Praça Syntagma para reprimi-los com granadas de gás lacrimogêneo com fumaça que se estendeu até as 02:00hs da madrugada.

Segundo dia de luta

Depois de algumas horas de relativa calma na quarta-feira, 29/6, dia da votação no parlamento, o desemprego manteve-se forte e as manifestações nas principais cidades eram mais numerosas. Desde a manhã os manifestantes todos usando máscaras de gás para diminuir os efeitos da repressão anunciada, se reuniram para perturbar a votação e antes de conhecer o resultado do mesmo - nas primeiras horas da mais tarde - as primeiras escaramuças com a polícia irrompeu que foram se tornando mais amplo e violento. O clima de protestos se espalhou por todo o dia e até este momento a juventude e os trabalhadores ainda estavam lutando nas ruas de Atenas. A juventude precária, os desempregados e os sem futuro são os setores mais determinados a enfrentar a repressão policial, que até agora deixou um saldo de 47 feridos e 29 presos.

Os primeiros comentários feitos pelos analistas europeus alertam que o pacote só evita a inadimplência no curto prazo, mas não vai evitar a falência do país a longo prazo. A indústria acredita que a cautela sobre um segundo resgate levará o país a uma dívida ainda maior. O parlamento, contra os interesses dos trabalhadores, jovens precários e aposentados, optou por um padrão ordenado em vez de um padrão caótico - mas em qualquer caso deseja descarregar a crise sobre os trabalhadores, jovens, desempregados e aposentados.

Em 30/6 o parlamento votou a favor da lei que implementará as medidas, durante a mesma é provável que o PASOK esteja mais isolado e a oposição conservadora (à direita) concorda com a privatização, mas não com impostos mais altos – entre outras coisas porque se anunciou imposto sobre bens de luxo.

"Não vamos aceitar este ataque”

Sob o lema "Nós não aceitamos este ataque" milhares de trabalhadores nas ruas, organizados em seus locais de trabalho, no movimento dos indignados, em reuniões nos bairros, ou no grupo Não pode pagar, Não paguem! vem deixando claro que com a aprovação do plano de ajuste no parlamento não terminou a luta. O governo, derrotado pela oposição em massa contra os cortes e empurrado pela direita por uma oposição conservadora terá muita dificuldade de implementar ajustes.

A greve de 48 horas foi uma das mais fortes nos últimos meses, ao lado de um setor importante dos jovens se radicalizando para lidar com os ataques. Ambos os fenômenos mostram a determinação para enfrentar os ataques, mas também a necessidade de impor uma greve geral por tempo indeterminado para derrubar o governo do PASOK, que coloque uma saída da classe trabalhadora para todos os setores oprimidos e explorados e discuta um plano transicional de emergência que a crise seja paga pelos capitalistas.

As medidas do novo ajuste incluem

Impostos

• Implementação de um imposto "solidário" entre 1% e 5% das receitas.

• Redução de 12.000 a 8.000 € do piso do imposto aos lucros.

• Aumento do imposto ã moradia.

• Aumento do IVA sobre os restaurantes e bares 13 a 23%.

• Aumento do imposto sobre cigarros e bebidas de 30%.

• Privatizações

• Privatização de correio, portos de Pireu e Salónica, Thessalonica Companhia de água, entre outros.

• Venda da participação de 10% na Hellenic Telecom para a Telecom da Alemanha.

• Venda de ações das Companhias de água em Atenas, Helénica refinaria de petróleo, aeroportos, estradas, territórios nacionais e dos direitos de mineração.

Cortes dos salários do setor público, encargos sociais e pensões

• redução de 15% nos salários dos funcionários públicos.

• redução de 30% dos salários dos trabalhadores em empresas públicas.

• Conclusão de todos os contratos temporários no Estado.

• Corte de saúde de 310 milhões de euros em 2011 (1.800 milhões até 2015).

• Cortar a educação através do encerramento de 1976 escolas.

• Redução de subsídios para os governos locais.

• Cortar os serviços sociais em 1.100 milhões em 2011 e 1.280 milhões em 2012.

• Aumento da idade de aposentadoria para 65 anos e imposição de 40 anos de serviço.

30 junho de 2011

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)