FT-CI

Contra o ajuste de Berlusconi

Grandes mobilizações e crises políticas na Itália

27/10/2011

Com o fundo de uma crise econômica que não cessa e que se aprofunda dia a dia, a Itália viveu novas jornadas de mobilizações massivas em todo o pais. Em 7 de outubro em torno de 100 mil estudantes se mobilizaram contra os drásticos cortes orçamentários na educação, fazendo esta parte da greve geral que obteve elevado índice de adesão. Foi o maior protesto desde dezembro do ano passado quando a mobilização e os enfrentamentos de rua colocaram o governo em xeque.

Com o lema “Esta crise não é nossa e nós não a pagamos” os italianos viram marchas em dezenas de cidades, incluindo as mais importantes como Roma e Milào, que tiveram suas principais ruas e avenidas bloqueadas durante horas. Os estudantes apontaram durante as marchas os verdadeiros responsáveis pela crise, como em Milào, onde houve a tentativa de ocupar a sede da agencia de classificação Moody e atiraram ovos contra o edifício da UniCredit, o maior banco da Itália. No sábado dia 8, 20 mil pessoas voltaram ás ruas para participar da marcha dos trabalhadores estatais convocada pela central de trabalhadores CGIL contra o ajuste no setor público.

Berlusconi, novamente na corda bamba

Nas mobilizações também foi reivindicado a renúncia do primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi. O descrédito deste personagem é muito presente nas manifestações, e em dezembro de 2010 por muito pouco não foi obrigado a renunciar seu cargo. Seu governo está atravessando por inúmeros casos de corrupçãoo e abuso de poder, como o emblemático “caso Rubi” de prostituição de menores. Em 29 de maio e 12 de junho sofreu importantes derrotas eleitorais, perdendo o governo de várias cidades e os projetos de plebiscito. Il Cavallieri (quem é este cara?) também possui crescentes problemas com seus próprios aliados no governo, como com a ultra-direitista Liga Norte até com o ministro da economia.

Na terça-feira, 11 de outubro , na sessão do parlamento onde seria votado as contas do exercício fiscal de 2010 e uma lei que censurasse os jornalistas da oposição, Berlusconi queria se utilizar desta ocasião para mostrar-se forte e com apoio de sua bancada, mas a sessão se transformou em um duro revés político e abriu uma nova crise para o governo. Duas figuras chave, o titular do ministério da Economia Giulio Tremonti e o líder da Liga do Norte, Umberto Bossi, em um abierto desplante, não se apresentaram para a votação. Sobre esta base, os referentes dos partidos de oposição defenderam, mais ou menos diretamente (contraditório, não?), a renúncia do primeiro-ministro.

Uma reunião de todos os partidos com representação parlamentarista dicidiu na quarta-feira que Il Cavalieri deverá afrontar um “voto de confiança”, que se dá contrário ao primeiro-ministro e o obrigará a apresentar a renúncia ao Presidente da República, Giorgio Napolitano. Este último teria se convertido nos últimos dias na nova figura política do momento. Ele foi saudado terça-feira no Parlamento em que Berlusconi saía ao mesmo tempo derrotado e furioso, numa mostra de que amplos setores da própria burguesia imperialista italiana consideram que já é hora de uma substituição. Necessitam de uma nova figura que dê um novo ar ã um regime muito desgastado e que está levando adiante um brutal ataque contra as massas.

Crise econômica e ajuste contra trabalhadores

No mês de julho, Berlusconi votou no Parlamento (com uma grande colaboração da oposição) um brutal pacote de ajustes para que sejam os trabalhadores e o povo que paguem pela crise econômica e financeira. Há meses a Itália é um dos focos do ataque do capital financeiro que especulam com o risco de default de sua dívida pública. Em consonância com estes capitais e com a política do FMI e do Banco Central Europeu, o ajuste de Berlusconi pretende afundar a educação e os serviços públicos para pagar aos credores, para a casta política corrupta, para a Igreja Católica (que está livre de qualquer tipo de imposto e recebe subsídeos do Estado de 8 bi de euros anuais), nem sequer se questionaram. O corte atingiu a grandiosa soma de 80 bi de euros em 4 anos, incluindo um amplo programa de privatizações. Ainda que os maiores ajustes venham em 2013 e 1014 (passando a bola ao próximo governo), os cortes já afetaram substancialmente a saúde e a educação, as pensões e todo tipo de planos sociais e assistenciais, uma vez que impõem fortes aumentos impositivos.

Apesar dos ajustes draconianos, o ataque dos “mercados” é desenfreado e segue horadando as finanças e a economia italiana. A quarta maior economia da Europa têm uma dívida pública que supera 120% do PIB nacional, e seu financiamento se encarece cada vez mais, tendo que tomar crédito a altas taxas para uma economia imperialista, de 5 a 6%. Na semana passada a qualificadora Fitch voltou a “baixar a nota” da dívida italiana (um mecanismo que indica o grau de “confiança” em que um país pagará suas dívidas e que incide diretamente na taxa de interesse que se cobra para lhe dar créditos).

Il Cavallieri parece reconhecer as massivas manifestações e, provocativamente, reiterou seu “programa de reformas” e descreveu como “absurdas” os chamados de renúncia. Gozando da hipocrisia que o caracteriza, manifestou que para seu governo significa um grande “esforço pessoal” dirigir o país em meio a crise. Definitivamente, uma série de elementos que fazem prever uma situação muito dinâmica nos próximos meses.

13-10-2011

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)