FT-CI

Chile

Governo repressor a serviço do mercado da educação

26/10/2011

Por Nicolás Miranda, do Partido de Trabajadores Revolucionarios - Clase Contra Clase (Chile)

A política repressiva tem como objetivo desarmar o verdadeiro coração das manifestações: as ocupações, onde se agrupa, se discute e se organiza a vanguarda em luta. A desocupação é o centro de sua política, para debilitar o movimento e fazer da discussão parlamentarista um processo dos que estão acostumados, preparando o palco para outra foto de braços levantados como fizeram depois de 2006 e LGE.

As desocupações são brutais. Na Universidad de Tarapacá, em Arica (UTA), o reitor mandou trazer Forças Especiais de Inquique, que invadiram a universidade e a militarizaram. Sem ordem de despejo.

Na Universidade de Antofagasta (UA), também sem ordem de despejo, a polícia invadiu a casa de estudos, inclusive entrando com a cavalaria e “passeando” por suas dependências como se fosse na época da ditadura.

Na Universidade Católica do Norte (UCN) também em Antofagasta, acompanhados pelo reitor, as Forças Especiais atuaram com ônibus, blindados, carros, caminhonetes, cachorros (...).

Tudo isso se dá devido ã maldita lei Hinzpeter, onde prevê a prisão daqueles que ocupem espaços públicos.

A Intendência proíbe as marchas por onde os estudantes querem livremente se manifestar: a última convocada pelo CORPADE e secundaristas para o dia 23/10, domingo, teve que ser suspendida.

A polícia criou o grupo “Caçadores” para, literalmente, caçar estudantes que se encapuzam diante da grande repressão e perseguição.

O Governo ameaçou os juízes, ao melhor estilo da ditadura, com a ameaça de não promoção nas suas carreiras caso os mesmo continuem deixando livre os manifestantes detidos em mobilizações. A patronal do judiciário respondeu com números nas mãos que processam 90% dos casos que a eles chegam. Para o governo é insuficiente, e deu um passo a mais no autoritarismo.

O que o governo busca é golpear os setores da vanguarda mais radicalizada que desejam ir com a sua luta até o final, desmoralizando-a e isolando-a. Apesar de difundir temor em amplos setores com esta grande repressão, ameaças e ataques, as mobilizações massivas mostram que não está conseguindo o que busca. Enquanto o governo ataca este setor do movimento estudantil, as Juventudes Comunistas (JC) em vez de fortalecer as ocupações e defendê-las dos ataques, se cala, deixa que as ocupações se debilitem, e pior, Camila Vallejo declarou que os Carabineros (a polícia chilena) deveria focalizar sua repressão nos estudantes e jovens encapuzados.

Mesmo assim, não se consegue impedir a decisão dos estudantes de continuar lutando, e o enorme apoio social que se mantém, dos quais todas as pesquisas seguem refletindo. (...) Nas Universidades do Norte, como na UTA e na UA, os estudantes estão pedindo a renúncia dos reitores. As organizações estudantis e o Colégio de Professores devem exigir a proibição da entrada da polícia das Universidades. Deve-se recuperar uma autêntica autonomia universitária entregue aos caçadores verde oliva. Todos os estudantes devem gritar com força: Fora polícia das Universidades e colégios! A repressão não desanima os estudantes em luta. Porém acabaram colocado algumas ocupações na defensiva e algumas se desarticularam.

As ocupações são de todos: devemos defendê-las!

As ocupações são o coração do processo de luta. Alí se realizam as assembléias de discussão e decisão democráticas. Se articulam diferentes universidades e colégios. Se organizam as marchas. Se realizam fóruns. Permite a participação aberta de todos os estudantes que quiserem participar (diferente da CONFECH, CONES e ACES, onde somente é aceita a participação dos “dirigentes”). Estes estão sob ataque do governo e da polícia. É necessário defendê-las! A auto-defesa surge das mesmas assembléias e ocupações de estudantes diante de ataque policial. Deve-se fortalecê-la, abrindo as ocupações ã comunidade, somando-as aos sindicatos e bairros, convocando os companheiros estudantes que as apóiam mas não participam diariamente. Os professores devem se somar com aulas públicas e fóruns de discussão, chamando uma greve indefinida de Professores de Ensino Médio e Universitários unificada.

Pelo contrário, a burocracia estudantil, tanto a moderada JC como pro-Concertação, quanto a burocracia de esquerda dos coletivos populares na CONFECH/CONES/ACES chamam a pressionar os parlamentares para levar a discussão ao Parlamento.

O mesmo Parlamento binominal de parlamentários milionários já declararam que estão contra a educação gratuita e se negaram a legislar contra o lucro dos empresários (titulares) e dos colégios. O mesmo Parlamento repudiado pelo povo trabalhador, como constam nas pesquisas. E que agora foi tomada sua sede em Santiago.

A ocupação do Congresso de Santiago e a demanda do plebiscito: uma nova reforma cosmética por baixo da Constituição de Pinochet

Na sexta-feira, dia 21/10, o Movimento Democracia para o Chile, líderes em algumas escolas, de Corpade, etc., ocuparam a sede do Congresso em Santiago. Em poucas horas de ocupação já haviam feito um acordo de que se retirassem depois de assinar um documento com o presidente do Senado, o PDP Girardi. Uma nova política errônea do governo repressor, pedindo reitegração de posse ã polícia, virou centro das atenções, fazendo com que a ocupação se estendesse. Girardi se negou a usar a força policial, optando pela saída voluntária dos manifestantes. A política repressiva do Governo e da direita os enfureceu e estão tratando de destituir o cargo de Girardi. A demanda dos ocupantes era que se fizesse uma reforma na Constituição, que permitira a incorporação do plebiscito vinculante.

Os plebiscitos são a ferramenta mais antidemocrática da democracia para os ricos. Apenas permitem decidir pelo “SIM” ou pelo “NÃO”. Embora vinculativo, a interpretação e decisão final sobre seus resultados segue nas mãos do Governo da direita e do Parlamento binominal dos parlamentários de direita e da Concertação com saldos milionários e que governam a favor dos patrões e contra os trabalhadores. O plebiscito apenas acoberta o fato em si com um falso pano democrático. (...) Esta demanda de plebiscito vinculante deixa de pé a Constituição de Pinochet. Seria a Constituição de ’80 com um plebiscito vinculativo.

E a direita repressora e a Concertação que preservou a herança pinochetista continuariam onde estão: governando a favor dos patrões e contra os trabalhadores. Já é hora de dar um basta ã esta situação! Assim, estas organizações, Movimento Democracia para o Chile e o PC buscam como aliados os mesmos parlamentários da Concertação. Porém a luta estudantil está contra a educação pinochetista que a própria Concertação aprofundou.

Por uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana baseada na mobilização do povo

A luta estudantil chilena é o primeiro passo contra toda a herança pinochetista. Para que isso se dê deve-se defender as ocupações, que são de todos, lutar pela retirada da polícia das Universidades, unificar a luta num novo organismo de combate colocando em pé uma Assembléia Geral de Luta baseada em delegados mandatados por assembléias e revogáveis, iniciar uma Paralização Nacional Indefinida de Professores, Secundaristas e estudantes Universitários para impor as demandas da luta, com uma educação gratuita para todos agora como demanda mínima. (...) Devemos lutar por converter estas mobilizações em um ponto de apoio para avançar pelo término de toda a herança da ditadura! Para isso os chilenos devem lutar para construir uma esquerda operária e socialista, como a que avança em contruir o Partido de Trabajadores Revolucionarios – Clase contra Clase (PTR-CcC), e levantar as bandeiras de uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana em base ã mobilização para começar a discutir todos os problemas com que os patrões, seus políticos de direita e a Concentración golpeam os estudantes, os trabalhadores, a juventude explorada e oprimida e, de imediato, não entregar a negociação desta luta ao Parlamento binominal das leis patronais.

26-10-2011

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)