FT-CI

Eleições em Israel

Ganha a direita após novos massacres do povo palestino

20/02/2009

As eleições para o novo governo de Israel que aconteceram no dia 10 de fevereiro não tem até o momento um claro vencedor. A tarefa de formação de uma nova coalizão de governo pode recair tanto em Tzipi Livni do Kadima, atual ministra das relações exteriores que esteve na linha de frente do massacre ao povo palestino iniciado em dezembro, quanto em Benjamin Netanyahu do partido de direita Likud. Tzipi Livni detém 28 assentos dos 120 do Knesset (parlamento). Já o Likud levou 27 assentos, portanto contabilizando apenas uma cadeira a menos de diferença com o Kadima, restabelecendo seu papel no regime israelense após o debilitamento que havia sofrido com a ruptura com o Kadima em 2005. Já o partido de extrema-direita Yisrael Beitenu (Israel Nossa Casa) de Avigdor Lieberman, o “racista da moda” segundo o jornal espanhol El País, ganhou 15 assentos, quatro a mais do que já tinha emergindo como um grande favorecido.

Por fim, o Partido Trabalhista do Ministro de Defesa, Ehud Barack, elegeu apenas 13 deputados, perdendo 6 representantes. Os demais assentos parlamentares se dividem entre os 9 partidos que compõem o regime israelense, como o centro-esquerdista Meretz, e o Hadash, que levanta posições mais ã esquerda – sendo parte da Frente Democrática pela Paz, com partidos árabes e o Partido Comunista Israelense, além de partidos religiosos ortodoxos como o Shas, e outros da extrema direita. O primeiro ministro será o que obtiver uma maioria de 61 assentos. Sendo assim, a única certeza que emerge após os resultados eleitorais terem sido publicados é que há um giro ã direita claro em Israel, e que Avigdor Lieberman e seu partido racista e reacionário Yisrael Beitenu são hoje peças chave para a composição do novo governo, tenha ele a liderança que for. Por outro lado, o Partido Trabalhista sofreu uma clara derrota, apesar de ter apoiado e atuado pela reacionária ofensiva sobre Gaza buscando também restituir sua posição na política do país indo mais ã direita. Neste marco, todos os outros setores mais moderados, ou pacifistas foram golpeados, muito embora mesmo dentre estes o que primou no último período foi o giro ã direita, com o apoio até mesmo pacifista do Meretz ã ofensiva assassina sobre Gaza .

No plano político o resultado eleitoral ainda segue aberto. Tzipi Livni, que falhou na chance que teve em formar uma coalizão de governo no final do ano passado após o afastamento do primeiro-ministro do Kadima, Ehud Olmert por numerosos escândalos de corrupção, agora se proclama vencedora das eleições e já fez movimentos para propor um governo de coalizão com o Likud. Por ora, Benjamin Netanyahu, que também se auto-proclamou vencedor das eleições fez declarações negando-se a reconhecer a vitória de Livni e de atender ao seu chamado por uma coalizão. O que Benjamin Netanyahu almeja é se apoiar nos ultra-direitistas que conseguiram ampliar sua participação para tentar ganhar a maioria e impor-se como primeiro-ministro. Assim, nega a perspectiva de uma reprodução do sistema de revezamento entre o Kadima e o Likud, tal como havia se dado em 1984 quando o Likud, na época tendo ã frente Isaac Shamir, e o Partido Trabalhista, com Shimon Peres. Como ressalta o El País analisando as declarações de Livni “’O povo me elegeu. Sinto grande responsabilidade para exercer o poder que me outorgaram para agir de modo a unificar o país’, declarou a sucessora de Ehud Olmert ã frente do Kadima. Seu argumento, porém, não se sustenta. O fato de ser o grupo com mais assentos não confere, segundo as leis israelenses, o direito a encabeçar o governo. É o presidente quem, após as consultas com todos os líderes com representação parlamentar, que se celebrarão na próxima semana, que indicam aquele que consideram que tem mais probabilidade de exercer o papel de primeiro-ministro. Livni carece, a princípio destes apoios ”. Neste sentido, é provável que o próximo primeiro-ministro seja Benjamin Netanyahu, caso consiga a indicação dos demais direitistas.

Entretanto, a definição do futuro chefe de governo de Israel ainda está aberta, e é possível que assistamos a novas reviravoltas no cenário político israelense. Isso por que a enorme fragmentação e a disputa entre os setores da cúpula das forças políticas que tomou conta do cenário político israelense em tempos recentes, aprofundada após a derrota na ofensiva do Líbano em 2006 e agora parcialmente restabelecido ã custa do massacre da última ofensiva militar israelense sobre o povo palestino em Gaza, ainda não está resolvida.

Giro ã direita antecipa futuros enfrentamentos

O novo governo israelense foi eleito após o que se caracterizou como uma das piores ofensivas sobre o povo palestino, desde a Guerra dos Seis Dias em 1967. Para tentar recompor seu lugar no Oriente Médio após a derrota militar no Líbano em 2006, e aproveitar os últimos dias do governo Bush, a cúpula governamental israelense desferiu uma guerra sem limites contra o povo palestino, assassinando cerca de 1400 pessoas, dentre as quais muitas crianças e mulheres. As próprias agências internacionais do imperialismo, como a ONU, denunciaram bárbaros crimes de guerra perpetrados por Israel, como foi o uso de fósforo branco contra civis e outras armas químicas.

Entretanto, mesmo frente ã crueldade evidente do governo israelense, este contou com o apoio de 80% da população. Isso mostra uma direitização da sociedade israelense, que se aprofundou após os anos de governo dos neoconservadores norte-americanos, que por sua vez polarizou de conjunto a situação do Oriente Médio. Assim, Israel busca assentar posições saindo ã ofensiva contra os palestinos, e também mandar um “aviso” ao Irã e aos demais países cuja população apresenta alguma hostilidade em relação ã sua existência. Ao contrário do que pretendem muitos analistas, o estado sionista segue contando com o apoio – que apesar de menos aberto que o de Bush se mantém – dos EUA de Obama, que se materializou no silêncio cúmplice deste frente ao genocídio em Gaza.

Por sua vez, a autoridade ganha por Yisrael Beitenu e seu líder anti-árabe Lieberman é a maior mostra do processo de decadência do estado de Israel, em que grande parte da cúpula governamental ou expressa aspirações fascistitóides ou encontra-se imersa em numerosos escândalos de corrupção, ou ambos. Como oposição Avigdor Lieberman já havia defendido o uso de armas nucleares contra Gaza. Agora, o slogan racista da campanha do Yisrael Beitenu era “só Lieberman entende árabe”, enquanto exibia uma imagem beligerante e seus seguidores gritavam “morte aos árabes”. Um dos principais pontos de sua plataforma é um “teste de fidelidade” que concederia cidadania israelense apenas aos que estivessem dispostos a apoiar os ditames belicistas do governo israelense, como o serviço militar que dura de 2 a 4 anos. Esta política visa isolar ainda mais a minoria de 20% da população israelense que se colocou contra o massacre em Gaza. Isso explícita toda demagogia que pretendia apresentar o estado sionista como um “berço civilizador”, ou um “pedaço do Ocidente avançado” no Oriente Médio, e demonstra seu claro caráter colonialista. Assim, o cenário que se abre após as eleições israelenses é de um recrudescimento das políticas duras em relação aos palestinos, em detrimento das negociações. Portanto, devemos nos preparar para novos ataques sobre o povo palestino no próximo período.

Soma-se a isso uma deterioração econômica e social que se aprofunda. “Este é um país cujo nível de vida caiu em relação aos países ocidentais e onde a taxa de pobreza e desigualdade cresce constantemente desde 1970. Um país com um sistema universitário que apesar de ser um dos melhores se acha hoje ã beira do abismo(...)”, segundo Dan Bem-David, professor da Universidade de Tel Aviv. Portanto, frente ã crise econômica que golpeia duramente o estado de Israel, imensamente dependente da indústria bélica e da ajuda financeira dos EUA, que por sua vez encontram-se concentrados nos gastos para reduzir os efeitos internos de sua crise econômica, a perspectiva que se abre é de um aprofundamento da política de exploração brutal sobre os árabes israelenses, em primeiro lugar, e dos trabalhadores em geral, aumentando as imensas disparidades sociais do estado de Israel. Isso reforça ainda mais que somente uma saída imposta pelos trabalhadores, explorados e oprimidos do Oriente Médio, e em primeiro lugar do povo palestino, imposta de maneira independente de suas burguesias submissas pode apontar o caminho para acabar com as misérias dos povos oprimidos da região.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)