FT-CI

Estados Unidos

Ferguson: "não é um momento, é um movimento"

26/11/2014

Ferguson:

A decisão de não apresentar acusações contra o policial Darren Wilson, que assassinou o jovem afroamericano Michael Brown em agosto passado, incendiou a ira dos manifestantes em Ferguson mas também se estendeu como uma onda de repúdio por todo o país.

O caso Brown é emblemático porque já se converteu em um ícone que supera amplamente o que se poderia ter contabilizado como um assassinato a mais de um jovem negro por parte de um policial branco. Ferguson atuou como catalisador: a brutalidade do assassinato de um jovem desarmado, o acobertamento inicial por parte da polícia, a repressão brutal das primeiras manifestações, a militarização sem precedentes da cidade, e o racismo aberto de um Ku Klux Klan que se manifesta livremente pelas ruas. Estes são alguns dos elementos que converteram este caso no emblema de uma nova etapa, ou de um novo movimento, da luta contra o racismo.

São os próprios manifestantes de Ferguson os que expressam que não se trata de “um momento, mas de um movimento”, ou seja, que não é só a luta pontual por justiça para Michael Brown, mas que é o disparador de um questionamento profundo de um racismo social. Mais ainda, é o questionamento ã ideia de uma sociedade pós-racial quando da entrada de Obama na Casa Branca.

Como dizíamos, a construção política dessa “ilusão” pós-racial foi “reforçada com a eleição do primeiro presidente negro, que confunde a ampliação de direitos e um discurso politicamente correto com a eliminação do racismo”. Ferguson não só pega no eixo dessa ilusão, mas abre a possibilidade e “coloca o interrogante de se a juventude negra será o novo emergente da ‘geração dos movimentos’”.

Ainda que seja uma pergunta de resposta ainda incerta, o que já se pode afirmar é que desde agosto se vem expressando um descontentamento entre setores da juventude negra, que já não responde ã autoridade de alguns dos “emblemas” da luta pelos direitos civis, como o Reverendo Al Sharpton, que vinham atuando politicamente como figuras de desvio para uma passividade nos marcos do bipartidarismo. Ou seja, evitar rebeliões ao estilo da de Los Angeles em 1992, ao mesmo tempo em que atuam como nexo entre a comunidade negra e o partido Democrata.

A desconfiança em Al Sharpton, que alguns manifestantes expulsaram dos protestos em Ferguson, é mostra deste “choque geracional” e expressa a erosão da legitimidade de líderes históricos do movimento, como também uma contratendência ã carga simbólica e ideológica que produziu sobre a “concepção pós-racial” a chegada de um afroamericano ã Casa Branca.

É por estes motivos que Obama se apressou a fazer declarações, a alguns minutos de conhecida a sentença do grão jurado de St. Louis. Seu discurso esteve destinado a fortalecer a ideia de que a comunidade negra tem de lutar de forma pacífica por seus direitos, repudiar os revoltosos e subordinar-se aos ditames da justiça.

Tratando de fazer malabarismos, Obama afirmou que “nas últimas décadas fizemos grandes progressos nas relações raciais, fui testemunho disso em minha própria pele, mas segue havendo problemas” e chamando os manifestantes a realizar protestos pacíficos, e condenando os distúrbios de “uma minoria”, afirmou que “há maneiras de canalizar suas preocupações construtivamente”.

Não obstante o relato de Obama se mostrou absolutamente efêmero. Enquanto ainda dava seu discurso, a polícia de Ferguson já estava disparando gás lacrimogêneo sobre os manifestantes.

Como contraposição a este discurso de Obama, um setor dos manifestantes de Ferguson dava a conhecer uma carta aberta frente ã decisão do grão jurado, onde expressam o seguinte:

“Durante 108 dias, nos aconselharam que deixássemos que o ‘sistema funcionasse’, esperar e ver qual seria o resultado. Já estão prontos os resultados. E ainda não temos justiça. Esta luta pela dignidade de nossa gente, pela importância de nossas vidas, pela proteção de nossos filhos e filhas, não começou com o assassinato de Mike Brown e não terminará com este anúncio. O ‘sistema’ no qual nos disseram que nos apoiássemos nos manteve ás margens da sociedade. Este sistema nos alojou nas piores casas, educou nossos filhos e filhas nas piores escolas, encarcerou nossos homens a níveis inimagináveis e envergonhou nossas mulheres por receber o apoio que necessitam para serem mães. Este sistema no qual nos aconselharam acreditar nos decepcionou consistente, inequívoca e descaradamente, nos expulsou uma e outra vez.

Este mesmo sistema no qual vocês nos dizem para confiarmos, o mesmo sistema destinado a servir e proteger a cidadania, uma vez mais assassinou dois de nossos irmãos desarmados [Akai Gurley, no Brooklyn, e uma criança de 12 anos, Tamir Rice, em Cleveland] (...) Seguiremos lutando porque sem luta não há progresso. Seguiremos ‘interferindo na vida’, porque se não ‘interferirmos’, temeremos por nossas vidas (...) E até que este sistema seja desmantelado, até que o status quo que nos considera de menor valor que outros já não seja aceitável ou rentável, seguiremos lutando. Lutaremos. Protestaremos (...) Marchamos com um propósito. O trabalho continua. Isto não é um momento, mas um movimento. O movimento vive”.

Esta carta aberta, ainda que reflita conclusões de um setor que vem fazendo uma experiência de mais de três meses em Ferguson, é em linhas gerais expressão de um descontentamento generalizado que já superou amplamente os limites da cidade e se começou a expandir ao largo do país.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)