FT-CI

Eleições argentinas

Excelente votação da Frente de Esquerda e dos Trabalhadores a nível nacional nas Primárias de 2013

22/08/2013

O dia 11/8 na Argentina foi palco de um enorme triunfo da esquerda revolucionária no âmbito eleitoral da luta de classes. Como conclusão de uma grande campanha militante, nas chamadas PASO (ou eleições prévias abertas, um sistema antidemocrático para vetar a participação de organizações não patronais na eleições), a Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, (composta pelo Partido Obrero, pelo Partido dos Trabalhadores Socialistas e a Esquerda Socialista) conquistou mais de 900.000 votos a nível nacional (350.000 na Grande Buenos Aires, 4%), superando amplamente os resultados de 2011 e postulando-se como a quarta força nacional nestas eleições. Em Mendoza, a FIT conseguiu ser a terceira força política, com quase 8% dos votos. Em Córdoba, 5,6% dos votos, 9% na capital. Jujuy (9,3%), Salta (11,3%) e Santa Cruz (7,8%), foram outros destaques da jornada. O governo de Cristina Kirchner sofreu uma derrota sem atenuantes: enquanto nas eleições de 2011 havia-se eleito com 54% dos votos, seu partido Frente Para a Vitória conseguiu apenas 26% a nível nacional, perdeu nos cinco principais distritos (Estado de Buenos Aires, Capital Federal, Córdoba, Santa Fé e Mendoza). Em meio ã crise de sucessão do oficialismo, que se expressa da divisão do peronismo argentino em distintos grupos que se levam por trás de variantes patronais, a FIT fez uma eleição histórica para a esquerda anticapitalista, classista e socialista.

A FIT se transformou em alternativa de esquerda para imensas camadas de trabalhadores e jovens por sua permanente presença militante nas lutas políticas e sociais deste período, tão importante quanto a continuidade das discussões públicas das diferenças entre as distintas forças da Frente na luta de classes (como foi o forte debate programático antes da composição da Frente). A partir do PTS, fomos os que denunciamos a espionagem ilegal do Estado ás organizações de esquerda e movimentos sociais (chamado “Projeto X”); os que levamos adiante a campanha pela prisão do burocrata sindical José Pedraza, responsável pelo assassinato do militante do PO, Mariano Ferreyra. Os que denunciamos as máfias do transporte responsáveis por tragédias sociais nos acidentes no metrô e nas ferrovias; que lutamos pela punição de todos os responsáveis pela ditadura genocida que ceifou a vida de 30.000 pessoas. A mesma militância, que impulsiona dezenas de chapas antiburocráticas nos sindicatos e nos centros estudantis, estando na linha de frente de cada luta operária (desde Zanon, até Kraft, Lear, Kromberg, Volkswagen), lutando pela educação pública nas escolas e faculdades e no movimento estudantil, que batalhamos no terreno das idéias com publicações da esquerda classista e que aproveita as posições provisórias no parlamento para denunciar esta cova de ladrões em sua entrega dos recursos naturais do país ao imperialismo, como no caso do petróleo ã Chevron, são os candidatos apresentados pela FIT, grandes referentes das lutas dos trabalhadores nos locais de trabalho, nas comissões de fábricas, nos sindicatos, nas universidades.

Os próprios candidatos são grandes referentes das lutas dos trabalhadores nos locais de trabalho, nas comissões de fábricas, nos sindicatos, nas universidades. A propaganda eleitoral da FIT fez um estrondo em toda a mídia argentina: teve grande êxito em diferenciar-se de todas as forças da centro-esquerda e da patronal, em apontar que as respostas aos problemas de fundo podem ser dadas nas mobilizações extraparlamentares, enfrentando-se diretamente com a burguesia e seu regime: combinando demandas “mínimas” (contra o imposto ao salário operário, pelo direito a aposentadoria plena, educação, saúde e transporte públicos e de qualidade) com demandas de “transição” (“terminar com a precarização do trabalho”, “varrer a burocracia sindical”, “que os deputados ganhem o mesmo que um trabalhador”), foram tribunas de ataque aos lucros das empresas e ao parasitismo dos funcionários burgueses. Aproveitando-se das lutas de massas no Brasil, mostrou a milhões que o desafio não é meramente canalizar o descontentamento operário e popular para obter bancadas e espaços estáveis por dentro do regime burguês (como costuma fazer a “esquerda tradicional” brasileira, que aprofunda sua adaptação ao regime democrático burguês neste domínio hostil aos trabalhadores), mas em utilizar a tribuna eleitoral para fortalecer as lutas em curso, e ser ferramenta para a construção de um verdadeiro partido revolucionário, com dezenas de milhares de militantes que seja expressão avançada dos trabalhadores tomando seus interesses históricos em suas mãos para dirigir o conjunto de sua classe em toda as manifestações da vida social contra esta sociedade de miséria e exploração.

Em menos de oito meses, desde a paralisação nacional do 20 de novembro na Argentina, a classe trabalhadora da América do Sul posicionou-se como um dos destacamentos fundamentais da luta de classes, enfrentando-se com os fenômenos de reconstrução dos estados burgueses latinoamericanos por governos que atendiam ao imperialismo reivindicando sua aliança com os movimentos sociais (o petismo, Evo Morales, Chávez, Kirchner). A escolha da esquerda classista e anticapitalista e um passo a mais, em um terreno da luta da classes favorável a nossos inimigos, da ruptura de setores de massas com estes governos burgueses e uma busca por uma saída independente. O inegável fato político das eleições da FIT, claramente anticapitalistas e fundadas na presença militante nas lutas, preocupa a mídia e a patronal argentinas, pois revela os espaços que se abrem aos trotskistas no interior da classe operária. A possibilidade de avançar em se converter em uma forte corrente na classe trabalhadora e na juventude é o maior desafio desses resultados, que apontam para as eleições em outubro.

É um exemplo internacional de como a esquerda revolucionária deve atuar no parlamento. A batalha eleitoral, muito importante neste momento, é uma tarefa a mais, dentro de uma estratégia de conjunto, porque “não somos um partido igual aos demais. Não ambicionamos apenas ter mais filiados, mais periódicos, mais dinheiro, mais deputados. Tudo isto falta, mas não é mais que um meio. Nosso objetivo é a total emancipação, material e espiritual, dos trabalhadores e dos explorados por meio da revolução socialista. Se não a fazemos nós, ninguém a preparará nem a dirigirá” (Trotsky, 1938). No sexto ano da crise mundial, o desafio de colocar de pé este partido, com um programa revolucionário e socialista, está na combinação do conjunto destas batalhas. O triunfo eleitoral coloca o desafio de potencializar estas tarefas preparatórias, para intervir com clareza ideológica, programática e estratégica e com suficiente força militante e impor uma saída revolucionária frente ás novas crises que se avizinham.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)