FT-CI

Crise econômica

Europa: das “duas velocidades” a um choque em cadeia?

02/06/2011

A crise de dívida que golpeia Grécia, Portugal, Irlanda, Itália e Espanha, já não é só uma crise de dívida. A profunda crise política aberta como subproduto dos planos de ajuste na Espanha, em Portugal e na Grécia torna impensável que os desprestigiados governos possam redobrar os planos de ajuste tal como exigem a UE e o FMI. As propostas de mudanças conservadoras, como o Partido Popular da Espanha ou o social-democrata (PDS) ou demo-cristão (CDS-PP) de Portugal, podem chegar ao governo mais prestigiadas mas só terão a oferecer mais da mesma medicina que pôs em xeque os seus antecessores.


A crise de dívida que golpeia Grécia, Portugal, Irlanda, Itália e Espanha, já não é só uma crise de dívida. A profunda crise política aberta como subproduto dos planos de ajuste na Espanha, em Portugal e na Grécia torna impensável que os desprestigiados governos possam redobrar os planos de ajuste tal como exigem a UE e o FMI. As propostas de mudanças conservadoras, como o Partido Popular da Espanha ou o social-democrata (PDS) ou demo-cristão (CDS-PP) de Portugal, podem chegar ao governo mais prestigiadas mas só terão a oferecer mais da mesma medicina que pôs em xeque os seus antecessores. Na Itália, o debilitado governo direitista de Berlusconi, que acaba que sofrer uma dura derrota nas eleições administrativas nas quais perdeu Milào, Turin e Bolonha, prepara-se para aplicar um duríssimo plano de ajuste (logo após receber uma advertência de Standard & Poors com respeito ã qualificação de sua dívida) em um país que registra o segundo recorde de dívida pública depois da Grécia; que cresceu apenas 0,2% durante a última década, e que está sofrendo fortes demissões por conta do fechamento e da redução das atividades de vários estaleiros estatais. Mas a maior novidade reside em que o panorama econômico-político dos denominados PIIGS, combinado com a instabilidade geral que reina na Europa, se coloca como uma ameaça frente ás “duas velocidades” econômicas que caracterizaram a Eurozona durante o último período.

O euro, Grécia, Portugal e Espanha

No mundo das finanças e da economia, ninguém duvida que a Grécia esteja próxima da cessação de seus pagamentos. O novo ajuste exigido pela UE e pelo FMI (que ficou em suspenso logo após ser rechaçado pela oposição conservadora no parlamento grego) para outorgar a quinta parte do “resgate” aprofundaria esta situação, adiando, no melhor dos casos, a dicotomia da reestruturação da dívida ou o default. Que a dívida grega terá de ser reestruturada tanto nos prazos de pagamento quanto nos juros e no montante total da dívida é um segredo. O grande problema é que dos mais de 300 bilhões de euros endividados pela Grécia, a metade está nas mãos dos bancos e instituições financeiras europeus. Não há dúvida de que as diferenças entre o Eurogrupo , a União Européia e Angela Merkel por um lado, que aceitaram publicamente a necessidade de uma reprogramação nos prazos e uma redução das taxas de juros, e o Banco Central Europeu (que possui 60 bilhões de euros em títulos gregos) e a França por outro, que ainda colocam que as consequências de uma reestruturação seriam “catastróficos”, a todos eles se permite ganhar “tempo”. Nesse valioso “tempo”, a Grécia é obrigada a privatizar suas ações da empresa OTE da qual possui 20% do capital e cujo acionista principal é a alemã Deutsche Telekom, assim como sua participação pública no Banco Postal que ascende a 34%. Em regra geral, neste tipo de operações, o vendedor se vê obrigado a entregar as ações que possui abaixo de seu valor, pelo que não seria rebuscado pensar que neste tempo os bancos alemães poderiam tirar boa vantagem e inclusive conseguindo algum tipo de capitalização preventiva frente a uma eventual quitação. Nesta mesma linha e por pedido especial do parlamento finlandês, o “resgate” concedido a Portugal agrega aos já clássicos planos anteriores a exigência de levar a cabo privatizações e reforçar o capital dos bancos, e o compromisso das autoridades de alentar os bancos privados a manter sua exposição na dívida do país. Estes planos, cada vez mais brutais, que implicam como no caso dos estaleiros navais de Itália milhares de demissões, vão acompanhados de exigências de maiores reduções dos déficits fiscais em economias como a de Portugal, que experimentou uma contração de seu PIB de 0,7% no primeiro trimestre do ano ou como a da Grécia (na qual se convocou uma nova greve geral para o próximo dia 4 de junho), que já entra em seu terceiro ano de recessão. Todas estas medidas não somente aprofundariam a contração da economia, reaquecendo o problema da dívida, senão que serão de muito difícil aplicação num contexto de graves crises políticas. Tanto um default na Grécia como alguma medida de reestruturação da dívida provocariam um efeito dominó que não tardaria em comprometer a Espanha (cujos bancos privados são credores de um terço da dívida de Portugal), um dos elos mais críticos da zona tanto por sua situação política quanto por sua significação econômica para o conjunto da Eurozona e para a estabilidade do euro.

Em direção ao fim das “duas velocidades”?

Durante o primeiro trimestre do ano a chamada “locomotiva alemã” obteve um crescimento de 1,5% do PIB, acompanhada da França, Áustria, Bélgica e Eslováquia, que cresceram 1% e Holanda, que cresceu 0,9%. Por sua vez, os países bálticos, Lituânia e Estônia, registraram altas na atividade de 3,5% e de 2,1%, respectivamente. O crescimento destes países contrasta com a debilidade das economias italiana, que cresceu somente 0,1%, da Espanha, que cresceu 0,3%, e de Portugal, cuja economia se contraiu 0,7% (dados extraídos de El Pais, 14/5). Por sua vez, a Grécia está transitando o terceiro ano de sua crise econômica. Mas trata-se de economias profundamente dependentes entre si. As “duas velocidades” dificilmente podem sustentar-se no marco das duras crises políticas abertas, que não somente afetam as economias mais débeis, senão que repercutem também nos mais fortes, como acaba de ser o caso do partido da chanceler alemã Angela Merkel, a União Democrata Cristã, que sofreu um duro revés na cidade-estado de Bremen, ficando pela primeira vez como terceira força num land, atrás dos social-democratas e dos verdes. Esta combinação de crise político-econômica coloca o risco real de que as crises de dívida se estendam da periferia ao centro.

Um exemplo disso é a Bélgica, ã qual Fitch ameaçou rebaixar a qualificação da dívida. Inclusive fora da zona, a qualificadora Moody’s rebaixará a nota de 14 instituições bancárias na Grã-Bretanha. A convulsiva situação política agrega novos elementos ã crítica situação econômica e aproxima mais a possibilidade de que não possa conter-se como até agora as crises de dívida para resguardar o euro. Um default em cadeia ou inclusive uma reestruturação afetaria com segurança a Espanha, vítima de um desemprego de 20%, um crescimento de apenas 0,3%, e uma grave crise política que poderia inclusive por si mesma acelerar os ritmos. Os bancos espanhóis estão entre os maiores devedores dos bancos alemães e franceses. A crise da Espanha não poderia conter-se com o atual fundo de estabilização do euro e tornaria mais provável uma quebra dos bancos dos países mais fortes da zona, com o qual as duas velocidades se converteriam numa só.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)