FT-CI

Entre a mobilização popular e a armadilha do “diálogo”: abaixo Mubarak e o regime da ditadura!

24/02/2011

O início das negociações com algumas mesquinhas ofertas de “abertura” da parte do governo e Mubarak e Suleiman não acabou com os protestos.

Na terça-feira, 8/2, centenas de milhares de manifestantes se concentraram no Cairo e em outras cidades, desde Alexandria a Asuán gritando “Fora Mubarak!”, enquanto os trabalhadores de várias empresas e fábricas, entre eles os do estratégico canal de Suez, entravam em greve e em alguns lugares aconteceram confrontos com a polícia, deixando ao menos 5 mortos. É a terceira semana de mobilizações que, sacode as estruturas do Egito, que abriu um processo revolucionário de grande alcance. Com o impulso desta primeira fase, em que pese o custo de ao menos 300 mortos, 1500 feridos e milhares de presos ou vítimas pela repressão sangrenta, as massas romperam o estado de emergência e colocaram contra as cordas o governo do velho ditador. Mas depois da grande concentração no dia 4/2, chamada de “dia da despedida”, Mubarak não renunciou, produzindo um momento de impasse que a camarilha governante tenta utilizar a seu favor com o respaldo do imperialismo, o alto comando militar e a alta burguesia egípcia.

O governo Mubarak-Suleiman e a armadilha do diálogo

Formou-se de fato um novo governo. O velho ditador mantém a presidência, mas sem concentrar pessoalmente a soma absoluta do poder, renunciando a reeleição e aos seus sonhos “dinásticos”. O recém-nomeado vice-presidente Suleiman, que dirigiu o serviço secreto, tem laços estreitos com o imperialismo e parece contar com o apoio dos principais chefes militares, é quem assume o papel ativo, rodeado de um novo gabinete, para propor um “diálogo” com a oposição, tentando assim ganhar tempo, esperar o desgaste da mobilização e se recompor, o que permitiria impor uma solução claramente continuista.

Desde domingo, 4/2, Suleiman começou a montar um cenário de negociações com a oposição. Como parte destas manobras, na segunda-feira um novo gabinete começou a funcionar e tentou sinalizar o começo do “retorno ã normalidade”, com a reabertura parcial do sistema bancário depois de 9 dias fechado e outras medidas similares.

Mas o “diálogo” mostrou a mesquinhez das concessões, tardias e insuficientes a esta altura do processo como parte de uma tentativa para enganar as massas e que a oposição, apesar de sua vontade conciliadora, não pôde aceitar.

Suleiman pretende que “se fixe um claro calendário para levar a cabo uma pacífica e organizada transição de poder” e que o ditador “assinou um decreto que irá formar uma comissão cujo objetivo será reformar ã Constituição”, mas não renunciou, não suprimiu a Lei de Emergência, em vigor desde 1981, nem dissolveu o Parlamento oficialista que foi composto a partir das eleições passadas fraudulentas.

A oposição deu margem de manobra ao governo

Ainda que tenha rechaçado até agora os termos de Suleiman, a oposição outorgou “credibilidade”, participando do diálogo, no momento de extrema debilidade de Mubarak, semeando ilusões desmobilizadoras entre as massas. El Baradei, que ganhou popularidade nos setores médios e de quem o imperialismo reconheceu os bons serviços prestados, busca uma “democratização” moderada.

A Irmandade Mulçumana é a corrente política opositora mais importante e com ampla base social. No entanto, é uma corrente islà¢mica “moderada” que inclui setores burgueses e seus líderes se mostram cada vez mais conciliadores com o imperialismo, afirmando que “nenhuma mudança no Egito deve ser radical no que diz respeito ao vínculo que atualmente o país construiu com seus sócios (...). Eles temem que uma mudança no governo não respeite a paz com Israel. Tudo isso é um erro. Claro que se respeitará a paz com Israel e se seguirá apostando nas relações com os parceiros internacionais do Egito” (Página/12, 8/2).

É que os partidos opositores queriam negociar uma “transição” aceitável com o menor “caos” possível nas ruas e temem que a queda do ditador sob o embate com as massas torne o processo revolucionário incontrolável.

Por outro lado, existem outros agrupamentos, como o “6 de abril”, que reúne sindicatos, movimentos sociais e grupos diversos sob a bandeira de “Fora Mubarak” e vem cumprindo um papel importante nos protestos. Levantam posições mais ã esquerda, mas não parecem ter uma política alternativa concreta para que o desenvolvimento da mobilização possa dar um salto, derrubar Mubarak e o regime.

Rumo a jornadas decisivas?

Ainda assim parece difícil que a equação Mubarak-Suleiman-Alto Comando do Exército, em que pese o respaldo imperialista e da grande burguesia, possa descomprimir a situação com suas manobras ou conseguir comprometer o apoio da oposição com um plano basicamente continuista, cujas medidas são muito miseráveis e tardias para acalmar as massas em ebulição.

O governo começou a endurecer seus gestos, Mubarak ameaçou com a “intervenção militar” e poderia tentar novas ações repressivas. Mas passar das ameaças aos fatos significa recorrer aos militares para reprimir e arriscar-se em um enfrentamento aberto com as massas pelo controle das ruas, praças e pontes. Até agora, o Exército, pilar chave do regime, cujo papel será essencial para qualquer plano de transição, posicionou tropas e tanques nas ruas, mas sem reprimir. Com isso busca preservar-se para cumprir o papel de grande árbitro nacional e com a garantia da ordem burguesa, bem como evitar os riscos de uma divisão ao enfrentar-se com os trabalhadores e o povo. A política de Mubarak-Suleiman leva a um teste de forças com o movimento de massas, que colocará ã prova todos os atores, mas a correlação de forças não lhe é favorável, e é possível que nestas circunstâncias nem o conjunto de todos os militares, nem o imperialismo – cuja política principal é a das reformas para uma “transição ordenada” – estejam dispostos a acompanhá-los até o final no que poderia converter-se em um “contra-golpe” de conseqüências imprevisíveis. Robert Gates, chefe do Pentágono, acaba de elogiar o papel do exército egípcio nos protestos como “exemplar” em sua “contenção” e ratificou o pedido de uma “transição democrática” em consonância com a insistência de Obama.

É possível que se estejam gestando jornadas decisivas para o desenvolvimento do processo revolucionário no Egito, o que coloca na ordem do dia a encruzilhada entre a necessidade de dar um salto nos métodos, objetivos e organização da luta, para forçar a queda de Mubarak e neutralizar ou dividir o Exército e o perigo de que a camarilha governante, a burguesia e o imperialismo consigam recompor a frente burguesa e avançar em uma “transição” ordenada, seja nas variantes mais continuistas e repressivas, seja em um plano de “contra-revolução democrática” com maior dose de concessão e engano, cujo objetivo não será se não estrangular o processo revolucionário.

A resposta operária e popular

As imensas concentrações e marchas do dia 8/2 deixaram claro o rechaço popular ã permanência de Mubarak e mostraram novas medidas de radicalização não só na marcha até o Parlamento e nas consignas como o julgamento de Mubarak (já não só que deixe o poder), mas também no salto na intervenção operária, alentada pela manobra demagógica do governo de oferecer 15% de aumento salarial aos empregados públicos, o que detonou uma imensa onda de lutas, com paralisações, concentrações e marchas, que exigem equiparação, melhora nas condições de trabalho e contra a precarização, o que foi completamente canalizado pela central oficialista ETUC. Este é um fato de enorme importância. Segundo El País (9/2), “a revolta se ampliou com uma dimensão operária graças ás greves e protestos realizados em várias das maiores empresas privadas do Egito”. A Al Jazeera e outros meios informaram dezenas de paralisações em diversos setores: petroleiros, hospitalares, transporte de passageiros, construção civil, eletricistas, têxteis, ferroviários, químicos ... Mas acima de tudo, a greve de milhares de trabalhadores do Canal do Suez (uma das principais fontes de ingressos do Egito e por onde passam diariamente 2 milhões de barris de petróleo) por melhores salários e condições de trabalho teve um grande impacto.

Da mesma forma a influência dos sindicatos independentes, como o dos trabalhadores dos impostos, está se fortalecendo.

Isso permite extrair três conclusões: 1) as forças das massas estão intactas e dispostas a fazer um esforço superior para derrubar o ditador; 2) a crescente irrupção operária coloca com força o movimento por uma greve geral de massas para dar um salto no processo; e 3) a convergência dos setores avançados dos trabalhadores e da juventude está fortalecendo uma ampla vanguarda e radicalizando suas consignas, em que pese a “moderação” dos partidos opositores.

Fora Mubarak-Suleiman! Não ã armadilha da “transição-democrática”!

O primeiro ponto de um programa para a mobilização que estão reafirmando os setores avançados que é que Mubarak deixe o poder imediatamente. E para isso é preciso rechaçar o “diálogo” com que o ditador e seu sócio mascaram seus planos continuistas, assim como a armadilha de negociações para uma “transição” que só buscaria evitar a queda revolucionária do ditador e amenizaria o máximo possível a situação para salvaguardar os interesses da burguesia egípcia e o imperialismo.

O caminho para que o processo revolucionário avance é colocar em marcha uma verdadeira greve geral política de massas que paralise todo o país. A espontaneidade, energia e entusiasmo das massas necessitam condensar-se mediante a mais ampla auto-organização – comitês em locais de trabalho, bairros populares e lugares de estudo – e sua centralização por cidades e a nível nacional para dar o golpe decisivo ao regime mediante a greve geral, fazer pesar a vontade das massas independente dos partidos burgueses e começar a edificar um contra-poder operário e popular frente ao poder em crise da classe dominante.

Contra toda confiança no papel das Forças Armadas, enfrentar os planos de Mubarak-Suleiman e suas ameaças de repressão é necessária a generalização da auto-defesa das massas até constituir uma rede de milícias operárias e populares, tarefa inseparável do trabalho sobre a base do Exército para isolar a oficialidade moldada pela ditadura e pelo imperialismo e ganhar as tropas, para que se organize e se ligue ã mobilização popular.

Nenhuma variante de “transição” burguesa resolverá as aspirações democráticas profundas do povo egípcio e muito menos as demandas de trabalho, salário, contra a carestia de vida ou ingerência imperialista, que são os motores do levante.

As profundas aspirações democráticas do povo egípcio poderiam expressar-se conquistando sobre as ruínas do regime e suas reacionárias instituições, uma Assembléia Constituinte revolucionária, onde os representantes livremente eleitos das massas possam debater e decidir sobre os grandes problemas do país. Impor um governo provisório das organizações em luta construídas pelos trabalhadores e pelo povo pobre será a garantia que de sua convocatória. A luta nesta perspectiva ajudaria as massas a tirar a conclusão de que deve tomar o poder em suas próprias mãos, pois para conquistar o pão, o trabalho e a liberdade é preciso levar ao final o processo revolucionário.

Uma política assim alentaria o reagrupamento revolucionário da vanguarda no calor da luta, começando a forjar os estados maiores que podem conduzir a combates decisivos para o triunfo da revolução egípcia.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)