FT-CI

EGITO: NOVA JORNADA DE REPRESSÃO DEIXA CENTENAS DE MORTOS

Egito: o Exército busca impor a ordem a sangue e fogo

17/08/2013

Abaixo o Estado de Emergência e basta de repressão

Amanhece no Cairo, as forças de segurança se preparam para aplicar a ordem, ditada pelo Governo provisório e pelo Exército, de desconcentrar os manifestantes partidários da Irmandade Muçulmana e ativistas opositores ao governo cívico-militar que acampam em Rabaa al Adauwiya e na praça Al Nahda. Tratando de dispersar os congregados com gás lacrimogênio e balas de borracha, começava, na quarta-feira dia 14/8, uma nova jornada de repressão sangrenta com centenas de manifestantes mortos (os numeros são vários mas superam claramente o informe governamental que fala de 500 pessoas) e milhares de feridos.

Logo após a repressão aos acampamentos, os enfrentamentos se transferiram a várias ruas nas principais cidades do pais, barricadas, ataques a delegacias e instituições oficiais se propagaram nos arredores do Cairo, de Alexandria, Suez e outras. A resposta do Governo civil (um títere a serviço dos militares) foi declarar o estado de sítio durante um mês dando plenos poderes ao Exército e as forças de segurança para arrombar domicílios particulares e deter a população. Depois desta jornada, as ruas do Egito se encontram “tomadas” pelos militares, enquanto a Irmandade Muçulmana convoca a retomar a mobilização.

A brutal repressão abre uma nova crise no Egito

A tentativa do Exército e do Governo provisório de derrotar, mediante a repressão, as manifestações que vão contra o poder se transformou em uma jogada arriscada a uma nova crise. Quando se conhecia a notícia das mortes pela repressão, o vicepresidente ElBaradei anunciava sua renúncia com uma carta que, cinicamente, expressa seu repúdio ao violento despejo dos acampamentos (ElBaradei forma parte do governo desde a queda de Morsi e vinha aprovando as repressões ás mobilizações). Os governos europeus declaravam seu repúdio “a todo tipo de violência” e chamavam o governo a retomar o dialogo. As declarações mais significativas foram as da Casa Branca que chamam o Exército a deter a repressão, levantar o estado de sítio e convocar as eleições, ainda que o presidente Obama cuidou-se de remarcar o vital da relação com as Forças Armadas egípcias e seu papel para assegurar a paz com Israel, não fez referência a milionária ajuda militar que presta os Estados Unidos.

A renúncia de ElBaradei, as declarações dos distintos governos imperialistas com os Estados Unidos ã cabeça, são a mostra da preocupação de que a escalada repressiva do atual Governo e dos militares desencadeie uma crise maior. Os governos imperialistas continuam sustentando o Exército enquanto este lhes garante a aplicação dos planos de ajuste e a estabilidade na região. As forças liberais egípcias, como a Frente de Salvação Nacional que encabeça ElBaradei, foram fundamentais na hora de servir como cobertura civil ao golpe militar contra Morsi, que buscava garantir a continuidade do aparato estatal da ditadura de Mubarak e conservar o papel de árbitro e controlador de 40% da economia nacional; mantendo o país subordinado aos Estados Unidos e aos compromissos com o Estado de Israel.

Apesar da tensão que podem gerar, os militares se arriscam a lançar uma repressão brutal como a de ontem, apoiados no que consideram um “cheque em branco” cedido pela enorme mobilização de massas de final de junho sobre a qual montaram para remover Morsi por meio do golpe cívico-militar. Se bem que ninguém possa garantir uma “lua de mel” prolongada, menos ainda em meio a massacres e a um estado de sítio que faz recordar as piores épocas de Mubarak, o certo é que pelo momento o Exército não enfrentou ações massivas contra si por parte dos milhões que saíram a finais de junho a mobilizar-se contra Morsi.

Neste marco, a repressão aos acampamentos é parte do avanço antidemocrático do Exército e do Governo logo após o golpe contra Morsi e a usurpação da mobilização das massas.

As centenas de mortos da jornada de ontem se lhe somam os das manifestações anteriores. O discurso de “luta contra o terrorismo” e a necessidade de garantir a “segurança nacional” que levanta o Governo para reprimir a Irmandade Muçulmana, é o mesmo utilizado contra as organizações operárias, como aconteceu nas últimas semanas com a detenção dos dirigentes operários metalúrgicos de Suez.

É necessário chamar já o cessamento imediato do estado de emergência, a liberdade de todos os detidos e o fim da perseguição contra organizações políticas, religiosas e sindicais.

Uma tentativa do Exército para impor a ordem por meio de um golpe “disciplinador”

A brutal repressão contra os acampamentos da Irmandade Muçulmana são, como declararam desde o Governo, uma tentativa de “terminar com uma situação anárquica no país”, e este golpe, junto com o estabelecimento do estado de sítio, constituem um precedente para atacar qualquer setor de vanguarda que saia a lutar por suas reivindicações ou se enfrente politicamente com o Exército. Não são apenas as mobilizações dos partidários do expresidente Morsi que constituem uma preocupação para o atual Governo e para o Exército. O movimento operário, que havia atuado diluído nas manifestações contra Morsi, começou nas últimas semanas a mobilizar-se. Em Mahalla, os trabalhadores da indústria têxtil realizavam há semanas uma greve reivindicando ao novo governo o aumento dos salários. Os trabalhadores da indústria do aço em Suez sofriam a repressão do Exército a uma de suas mobilizações, e foram encarcerados seus principais dirigentes.

O movimento operário egípcio vem desenvolvendo durante estes anos uma enorme experiência, desempenhando um papel destacado na queda de Mubarak, com o surgimento de novos sindicatos e mobilizando-se por melhores condições de vida. Por ora, o processo de mobilização operária se centra em demandas econômicas e não conseguiu aparecer como um ator político independente, ainda que não se possa descartar que, se continuam, tendem a se chocar com o plano que prepara o Exército para o país, submetendo ainda mais a economia egípcia aos desígnios do imperialismo, mantendo as medidas antipopulares do governo Morsi que levaram a um aumento dos custos dos bens de consumo básicos. É neste sentido que o golpe do Exército aos acampamentos da Irmandade Muçulmana, em nome da restauração da ordem, e uma mensagem preventiva e disciplinadora frente a qualquer emergência de descontentamento.

Perspectivas

Logo após a brutal repressão e a declaração do estado de sítio, as imagens parecem mostrar a volta ã calma baseada na militarização das ruas. Os relatos dos correspondentes no Egito não deixam de repetir que as medidas tomadas pelo Governo e pelo Exército fazem recordar a época de Mubarak. Muita água passou sob a ponte desde a queda da ditadura pela mobilização, e parece difícil que as conquistas logradas pela mobilização sejam arrebatadas sem novos combates.

O Exército parece querer manter o poder garantindo a restauração da ordem. Se a repressão contra a Irmandade Muçulmana não despertou um repúdio massivo é porque os militares se apoiam na legitimidade conseguida ao haver removido Morsi da presidência logo aos as mobilizações de dezenas de milhões contra o islà¢mico. A campanha contra o “terrorismo” dos movimentos muçulmanos, somado a que milhões não querem que Morsi volte ã presidência como pede a Irmandade Muçulmana, é o que permite ao governo provisório e aos militares justificar a repressão como necessária para manter a estabilidade no país. Mas as primeiras crises no governo, como mostra a renúncia de ElBaradei, combinado com a tentativa de manter o estado de emergência durante um mês, podem gerar um desgaste desta legitimidade do atual Governo e ser o detonador de novas mobilizações.

O imperialismo, com os ianques ã cabeça, têm clareza que a situação se torna altamente instável, pelo que pressionaram para ir a um novo desvio “democrático” com o chamado ás nova eleições para tratar de garantir um governo legitimado pelas urnas para aplicar os planos ditados pelo FMI. Os governos imperialistas temem que a polarização atual se converta numa guerra civil com repercussões regionais.

Esta situação demonstra que, até o momento, s tentativas da classe dominante, do exército e do imperialismo não puderam fechar o processo revolucionário aberto com a queda de Mubarak. Os setores que se enfrentam com as medidas repressivas do atual governo, e defendem uma “terceira posição”, diferenciando-se também da Irmandade Muçulmana, tem por ora pouca força. Para fortalecer uma saída independente, é necessário levantar uma política que chame a não confiar nas distintas variantes burguesas que foram parte do governo e que avalizam a repressão, partindo do rechaço as perseguições e assassinatos ã Irmandade Muçulmana e outras organizações, deixando claro que não será a volta de Morsi uma solução para a crise.

Uma política neste sentido permitiria que a classe operária e a juventude explorada e oprimida, que começam a mobilizar-se por suas reivindicações, possam aparecer como um novo ator na situação atual. Neste caminho os trabalhadores têm de desenvolver seus próprios organismos de autodeterminação e levantar um programa transicional que uma as reivindicações democráticas, sociais, e antiimperialistas e abra o caminho à luta pelo poder operário e popular.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)