FT-CI

ARGENTINA : NOVO CENáRIO POlà TICO

Construir uma esquerda dos trabalhadores

21/08/2011

A frente para a vitória se alço com um triunfo nas primarias. A oposição patronal saiu derrotada. Tanto o acordo de Alfonsín-De Narváez como o de Duhalde-Das Neves apenas superaram o 12% dos votos. O kirchnerismo conseguiu “plebiscitar” sua gestão e parece ter pavimentado o caminho para a reeleição em outubro, com uma oposição dispersa e desmoralizada.

Cristina Fernández conseguiu recuperar influencia nos setores sociais que havia perdido nas ultimas eleições de 2009, quando o cenário estava dominado pela crise politica, produto do lockout agrário e os efeitos – com suspensões e demissões – da crise econômica internacional. Nessa oportunidade só havia obtido um terço dos votos, agora obteve mais de 50%. A Frente para a Vitória voltou a ganhar terreno nos mais pobres : os altos números que mostram o “terceiro cordão” da província de Buenos Aires, a onde havia tido boas eleições Francisco De Narváez, voltaram ao governo. Mas também recupera espaço nas classes medias, como em Santa Fé, onde superou a Frente Ampla Progressista de Binner (ver nota) e nos setores agrários, como mostra a eleição no interior de Córdoba e na mesma província de Buenos Aires onde recebeu importantes votos em Pergamino, Rojas ou Colón. O ‘perigo’ direitista com que os intelectuais da Carta Aberta chamavam a aproximar fileiras em apoio a Cristina, frente ao importante resultado nas eleições de Macri, Del Sel e inclusive De la Sota, se demonstrou uma farsa.

Naquelas eleições e nestas primarias primou um voto conservador. A primeira razão do por que CFK obteve esta quantidade de votos tem-se de encontrar na situação de relativa estabilidade econômica que vem permitindo que todos os governantes tenham obtido vitórias consecutivas. Aconteceu com Macri na capital, com Sapag em Neuquén, com De la Sota em Córdoba e com Frente Cívico e Social em Santa Fé. O governo não ganhou por ‘nacional e popular’, nem por sua suposta luta contra as corporações, mas por ser a expressão de um ‘status quo’ em que os empresários “’levantam a pele’” e a classe media e setores altos da classe operaria conseguem participar do circuito ‘vitorioso’ do consumo.

O mecanismo das primarias para fortalecer as forças politicas capitalistas depois de suas derrotas na crise de dezembro de 2001 não chegou a seu objetivo com respeito a oposição que saiu muito golpeada. Entretanto, o regime pôde instaurar e legitimar nesta eleição um filtro proibitivo contra as minorias e um avanço bonapartista como é a estatização da vida interna dos partidos políticos, o que foi denunciado consequentemente pela campanha da Frente de Esquerda que conseguiu vencer o piso de 1,5% com que nos pretendiam silenciar.

O FPV surge como o grande partido nacional diante do afundamento da oposição burguesa e a fortaleza de CFK obriga a burguesia, que a pesar de seus suculentos negócios não confia plenamente no kirchnerismo, a unir fileiras com o governo para enfrentar um próximo período onde deverão tomar medidas em detrimento do povo trabalhador para enfrentar o fantasma da crise mundial. Entretanto, não há que duvidar que o kichnerismo deve também sua vitória ã aliança com os barões do subúrbio, com os governadores e a burocracia sindical, que seguramente pressionarão o governo, abrindo contradições que serão base de futuras crises politicas.

Do lado da oposição patronal, a única noticia “rosada” para o regime é o resultado que obteve força de Hermes Binner que tirou 10,26% dos votos (ver nota). Esta força que quer ocupar o espaço de “centro esquerda” não representa apenas uma alternativa aos ‘velhos partidos’ mas que inclusive aparece em oportunidades a direita do kichnerismo. O FAP de Binner, Juez e Stolbizer tem um caráter muito mais burguês que qualquer centro esquerda que havíamos visto surgir no país, como a Frente Grande de Cacho Alvarez ou o “Proyecto Sur” [Projeto Sul] de Pino Solanas. Binner “co-governa” faz anos sua província com o UCR, é um cabal representante politico da patronais “agrárias” e mais uma garantia de impunidade aos assassinos de Pocho Lepratti, militante social da CTA, assassinado em dezembro de 2001. Vitor de Gennaro, fundador dessa Central, deveria ter vergonha por fazer parte desta aliança. Outra força deu a nota integrada a FAP é Libres del Sur que primeiro apoiou o Kichnerismo no conflito com o campo e logo se fez “agrária” vindo atrás de Binner e Norma Morandini.

Entre duas crises

A classe operaria apoiou massivamente o kirchnerismo nas primarias. Mas esta votação não implica em uma carta branda de decisão ao governo, mas que elegeram os K como opção conservadora para manter o conquistado. A crise de 2001 com o “super desemprego” e o posterior saque aos salários com a desvalorização de Duhalde deixaram profundas marcas nos trabalhadores. Com os K, a economia voltou a se recuperar e com o crescimento das patronais obtendo grandes benefícios enquanto a classe operaria só tocou migalhas da festa. O que oficialismo chama o ‘nunca menos’ não tem sido outra coisa – salvo para um setor de trabalhadores com carteira assinada – que salários de miséria enquanto persiste na inflação e nos postos de trabalho precários e sem carteira, onde muitos estão obrigados a deixar a vida na fabrica para sobreviver. Aos mais pobres, aos que não tem trabalho tem sido pior, só recebem a “Asignación Universal”. Mas essa crise de 2001 segue atuando como um açoite para a classe operaria, que molda uma consciência de ‘defender o que tem’ frente a ideia que propaga o kirchnerismo e a burocracia sindical de que se eles não governam vai ser ainda pior para os trabalhadores. Esta consciência se reforça com uma oposição patronal fazendo campanha contra os K que ‘nos isolaram do mundo’, quando a atual crise internacional põe na ordem do dia planos de ajustes brutais nos países centrais. Quando as ruas de Londres ardem de fúria com a rebelião dos jovens que não tem futuro. Ante este cenário crítico o kirchnerismo aparece como um mal menor.

Entretanto, os trabalhadores não votaram em um ‘modelo que adoram’ como gosta de dizer os K mas pensando, equivocadamente, que defendem seus interesses econômicos imediatos. Mas essas expectativas de defender o pouco que conquistaram, cedo ou tarde, se chocarão com a realidade da crise mundial quando esta descarregar seus efeitos sobre nosso país. O caso “jujeño” onde os trabalhadores sem teto foram reprimidos pelas forças repressivas do Estado e as guardas brancas de Blaquier, obrigando os ocupantes a exercer seu legitimo direito a auto-defesa, e onde a luta de classes foi além da legalidade burguesa, é talvez uma mostra do que virá. O governo não poderá oferecer uma saída aos trabalhadores quando golpeia a crise porque, como bom agente do capital (concretamente, os Baquier em Jujuy são aliados do governo K), não vão enfrentar a voracidade dos patrões mas tentará desarmar a resistência, combinando um discurso de harmonia entre as classes com uma crescente repressão aos que lutam. Já podemos ver uma antecipação no Parque Indoamericano contra os sem teto, em Santa Cruz contra os docentes e petroleiros, ou na mesma Jujuy. Só a Frente de Esquerda tem assinalado em sua campanha que a crise mundial encontrará os capitalistas e seus políticos tentando descarregar a crise nas costas do povo trabalhador. Só a Frente de Esquerda tem assinalado que as conquistas obtidas pela luta dos trabalhadores e o povo terá que ser defendida na luta de classes.

Nós, a esquerda

A FIT buscou superar o piso proibitivo. Foi uma luta valente que supomos dar através de uma grande campanha militante. Os 520.000 votos que recebemos constituem um ato de defesa dos direitos democráticos do povo trabalhador para que não silenciem uma corrente que milita ativamente em lutas operarias e populares, independente do Estado e dos patrões, em um país onde o Estado e essas patronais souberam fazer um genocídio contra a classe trabalhadora. Está por vir nosso firme compromisso para seguir lutando para jogar abaixo a lei proibitiva.

Pino Solanas e “Proyecto Sur” não chegaram a superar o piso de 1,5%, entre outras razões, por sua própria covardia politica que os levaram a negar-se a por essa bandeira em um centro de debate nacional. Uma mostra a mais do “piloto” do MST, hoje parte do Proyecto Sur, que se integrou completamente ao regime burguês ; de impulsar junto a Solanas uma aliança com Binner e Juez para ‘’jogar na quadra grande”’ terminaram rompendo por ‘cargos’ e realizaram a pior eleição de sua historia junto a Alcira Argumedo.

As altas votações recebidas pela FIT nas fabricas combativas (ver notas), na juventude estudantil lutadora assim como o apoio de reconhecidos intelectuais e artistas, são expressões politicas por um lado do ‘sindicalismo de base’ classista e também de uma tendência anticapitalista que vêem na Frente de Esquerda uma referencia diante da crise mundial. Um respiro para luta por uma perspectiva socialista, para fortalecer uma esquerda dos trabalhadores e avançar na construção de um partido revolucionário.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)