FT-CI

ATO 1° DE NOVEMBRO

Como combater a direita?

12/11/2014

Como combater a direita?

Quem viu os vídeos do ato na Avenida Paulista no dia 1 de novembro não pode mais que se indignar com essa direita reacionária que coloca a cabeça para fora defendendo a volta da ditadura. Vê-se o deputado federal recém eleito Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) ao microfone do carro de som aclamando a polícia com uma arma na cintura, ao lado de Lobão (que infelizmente decidiu não ir embora do país) com a bandeira do Brasil nas costas, e grupos de choque hostilizando transeuntes.

Gritos como "Viva a PM" foram entoados pelos cerca de dois mil direitistas. O protesto foi organizado pelas redes sociais na internet e teve a confirmação de 100 mil pessoas. Nova manifestação da mesma estirpe está convocada nas redes sociais para o dia 15 de novembro em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e outras capitais. Os organizadores, ligados pelas redes sociais a todo tipo de bandos de ideologia fascista e de extrema direita, são como Levy Fidelix, que na televisão incitou ã violência contra os homossexuais.

A “nova direita” e a polarização eleitoral

Os programas e as práticas políticas do PSDB e do PT, assim como da maioria dos partidos brasileiros, divergem em alguns aspectos, mas convergem no fundamental. Apesar de ter ampliado os planos de assistência social e ter aproveitado o ciclo de crescimento econômico mundial para aumentar empregos e elevar o consumo com crédito barato, o PT seguiu destinando metade do orçamento federal para pagar juros aos investidores e banqueiros internacionais, o que impede qualquer melhoria significativa dos direitos sociais. Seguiu governando com os mesmos oligarcas reacionários que antes governavam com o PSDB, com os mesmos métodos corruptos.

Sem forçar as diferenças entre ambos partidos durante as eleições seria difícil obter legitimidade e apoio ativo de suas bases sociais. Tanto o PT como o PSDB alimentaram a polarização em função dos interesses eleitorais. Agora, ambos se esforçam para acalmar um pouco os ânimos. O acordo que fizeram na CPI da Petrobrás de não investigar políticos de ambos partidos é uma demonstração disso.

Ao fim, governam servindo os mesmos interesses do capital financeiro, dos bancos, das empreiteiras, do agronegócio, dos monopólios nacionais e estrangeiros, e estes setores não estão interessados em desestabilizar o governo petista para não prejudicar seus negócios. Por isso, agora, os líderes do PSDB foram obrigados a sair publicamente criticando as manifestações contra Dilma, ainda que sem deixar de atribuir certa legitimidade aos protestos.

Junho provocou uma inflexão ã esquerda na situação nacional, colocando em pauta a ampliação dos direitos sociais e civis, e questionado todos os partidos do regime, sobretudo o PT, mas também o PSDB. Essa inflexão ã esquerda foi aproveitada pelo movimento operário para protagonizar a maior onda de greves dos últimos vinte anos e questionar os seus dirigentes sindicais corruptos. No entanto, ao enfraquecer o PT e todos os setores da esquerda que na última década se tornaram governistas, junho também criou as condições para que a polarização eleitoral encorajasse setores de direita. Setores esses que não se vêm representados pelo PSDB e pela oposição moderada que faz ao PT, que defendem soluções mais radicais, pela direita, como uma intervenção militar contra o governo petista.

O ato contra Dilma em São Paulo, que teve suas versões menores em Brasília, Belo Horizonte e Curitiba, questiona pela direita o próprio PSDB. Para muitos que simpatizam com estes atos, mesmo que tenham votado no PSDB contra o PT, os tucanos são coniventes com a “ditadura comunista” (ou “bolivariana”) que Dilma estaria implementando no Brasil. No ato de São Paulo estavam presentes um grande arco de organizações de extrema direita. Não é muito, sabendo que são grupos que existem há muito tempo. O novo é que tenham tido pela primeira vez a capacidade de mobilizar um certo contingente para uma ação unitária, com a presença de um deputado federal (Eduardo Bolsonaro) e de um apresentador de TV e músico famoso (Lobão). E que essa ação tenha tido respaldo em setores da classe média nas redes sociais.

É cada vez maior, principalmente no estado de São Paulo, o ressentimento da classe média tradicional contra o PT. Este é um setor que permaneceu estagnado durante o período do lulismo e é a principal base social da oposição. De tanto alentar o sentimento conservador contra o PT neste setor, que se confunde com as visões xenófobas contra nordestinos, com as posições religiosas mais homofóbicas e machistas, o PSDB fortaleceu as tendências de extrema direita da sua própria base social.

A responsabilidade do PT

O PT colaborou nesses doze anos de governo para o fortalecimento de uma direita que se volta contra ele agora. Ao fugir de todos os embates, em nome da governabilidade, o PT foi entregando posições para os setores conservadores. Se submeteu ã bancada evangélica ao ponto de entregar a comissão de direitos humanos da Câmara dos Deputados para o fundamentalismo religioso do pastor e deputado federal Marco Feliciano, abandonando o combate ã homofobia e a luta pelo direito ao aborto.

Abandonou a reforma agrária e qualquer defesa consequente dos ecossistemas brasileiros (como a Amazônia e o cerrado), entregando todos ás grandes plantações de soja e criações de gado, fortalecendo os ruralistas e negando o direitos dos povos indígenas.

Na Comissão Nacional da Verdade, se submeteu a todos os vetos militares e garantiu a impunidade dos torturadores. Não por acaso o mais notório defensor da ditadura militar, Jair Bolsonaro (pais de Eduardo Bolsonaro) é de um partido que faz parte da base governista, o PP.

Avançou na militarização das cidades com o apoio ás UPP no Rio de Janeiro e em outras capitais. E sustentou um sistema de “segurança pública” para a Copa do Mundo que favoreceu as elites e marginalizou ainda mais o povo pobre. Somente nos três mandados do PT, o Brasil, justamente o período em que se faz apologia do surgimento de uma “nova classe média” viu duplicar seu contingente populacional carcerário, formado em sua esmagadora maioria por negros e pobres.

Ao longo desses anos, em cada um dos embates que levaria a uma polarização com a direita, o PT recuou e não apresentou batalha. Em nenhum momento se apoiou na força dos trabalhadores e dos movimentos populares para aprovar medidas progressivas, que mexessem com aspectos estruturais do país. Aparelhando os sindicatos e os movimentos sociais, e utilizando a seu favor o Bolsa Família para amortecer a luta de classes no campo, o PT impediu que os trabalhadores e o povo se enfrentassem com seus novos aliados de direita, como Sarney, Collor, Maluf, os ruralistas e a bancada evangélica. Ao fazer isso em nome da esquerda e dos trabalhadores, o PT ajudou a fortalecer o sentimento anti-partidário na juventude.

Como combater a direita?

A situação no Brasil, mesmo depois das eleições, ainda está sob o impacto de junho e das greves operárias. Não existe, como o PT muitas vezes tenta nos fazer crer, uma onda reacionária no Brasil. Apesar do seu recente fortalecimento, a direita, sobre tudo a extrema direita, ainda representa uma minoria da população, mesmo em São Paulo. O ato na paulista e suas repercussões nas redes sociais são apenas sintomáticos.

Ainda assim, o PT utiliza esse encorajamento de setores de extrema direita para cerrar fileiras de sua própria base social e constranger o questionamento e a oposição pela esquerda ao seu governo. Amplificam essas tendências sintomáticas nas redes sociais e buscam alentar uma espécie de “apoio crítico” ao novo governo Dilma em prol da chamada “governabilidade”.

Querem apoio para a mesma governabilidade que já aumentou as taxas de juros levando ao esfriamento da economia e consequentemente a mais desemprego, que já aumentou tarifas públicas enquanto o povo sofre com falta de água, que anuncia um querido dos bancos para encabeçar o ministério da fazenda, que promete cortar gastos públicos nos próximos anos para satisfazer a sede de lucro dos investidores financeiros.

Amenizar a luta política dos trabalhadores e da juventude contra o PT em função dos setores que questionam o governo pela direita apenas fará perpetuar essa situação que favorece os interesses dos grandes empresários, aos quais servem tanto o PT como o PSDB.

O que faz falta para combater a direita é retomar o caminho de junho e das greves que sacudiram o país no último período, mobilizando os trabalhadores e a juventude para defender as demandas do povo pobre e de todos os setores oprimidos, construindo uma nova organização revolucionária que reúna os setores mais conscientes desses processos.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)