FT-CI

Declaração da Fração Trotskista - Quarta Internacional

Com os trabalhadores e o povo grego contra a chantagem imperialista

30/06/2015

Com os trabalhadores e o povo grego contra a chantagem imperialista

A “Troika” (a União Europeia, o FMI e o Banco Central Europeu) sob a direção do governo alemão e dos grandes bancos imperialistas colocou a Grécia contra a parede. Apesar das concessões que o governo do Syriza vem fazendo, tendo apresentado um plano de ajustes que contempla cerca de 90% das exigências dos credores, a Europa do capital e o FMI não se deram por satisfeitos e querem mais. Exigem uma rendição total do povo grego. Não ã chantagem imperialista contra o povo grego. Não ao pagamento dívida e ao plano de austeridade. Reproduzimos abaixo a declaração da Fração Trotskista – Quarta Internacional (FT-QI). Declaração da Fração Trotskista - Quarta Internacional (FT-QI)

NÃO ã chantagem imperialista contra o povo grego

NÃO ao pagamento da dívida e aos planos de austeridade

A “Troika” (a União Europeia, o FMI e o Banco Central Europeu) sob a direção do governo alemão e dos grandes bancos imperialistas colocou a Grécia contra a parede. Apesar das concessões que o governo do Syriza vem fazendo, tendo apresentado um plano de ajustes que contempla cerca de 90% das exigências dos credores, a Europa do capital e o FMI não se deram por satisfeitos e querem mais. Exigem uma rendição total do povo grego e que este aceite se submeter ao pagamento da dívida e a seus programas de austeridade que afundou o país numa miséria sem precedentes, com a cumplicidade dos capitalistas gregos e seus partidos.

Desde as eleições de 25 de janeiro de 2015 que deram o triunfo ao Syriza, a “Troika” desferiu uma artilharia de ameaças e chantagens para impor novas medidas de ajustes e cortes sobre os trabalhadores e o povo da Grécia.

Enquanto a Troika pressionava na mesa de negociação, o BCE ameaçava cortar o financiamento e os “mercados” impulsionavam a fuga de capitais, aumentando o risco de uma bancarrota do sistema bancário.

O governo do Syriza buscou uma negociação impossível com seus credores imperialistas que lhe permitisse suavizar os planos de austeridade, e por sua vez manter a Grécia dentro da União Europeia e da eurozona.

Mas essa ilusão vendida pelo primeiro-ministro de que se podia conseguir um “ajuste negociado” para que a economia grega recupere algo de dinamismo e assim tenha capacidade de pagar as dívidas, se desvaneceu como uma bolha de sabão.

Nestes 5 meses, a política de concessões de Alexis Tsipras e seu governo o levou a abandonar quase todo seu limitado programa eleitoral, cruzando cada uma de suas “linhas vermelhas” e cedendo a cada uma das exigências da Troika. Na segunda-feira, dia 22 de junho, o governo grego fez uma proposta na qual capitulava ã maior pate das exigências dos credores, aceitando recortes nas aposentadorias, aumentos de IVA, alcançar os objetivos de excedente de superávit primário e continuar o programa de privatizações.

O plano de segunda abriu uma importante crise interna no Syriza com seus sócios nacionalistas de direita. Dirigentes da Plataforma de Esquerda do Syriza qualificaram a proposta como um “acordo inaceitável”, um “plano pior que o primeiro resgate” e anunciaram sua decisão de não aprová-lo no parlamento. Tsipras se encontraba na difícil situação de buscar o apoio de deputados do To Potami ou outros partidos da oposição de direita.

Mas a pesar de todas as concessões de Tsipras, a Troika exigiu mais ajustes. Rechaçou a proposta do governo grego e reivindicou cortar ainda mais as pensões, ao mesmo tempo exigia a anulação dos impostos ás sociedades e produtos de luxo. Isto é, descarregar mais a crise sobre o povo trabalhador. Sua intenção é por de joelhos o povo grego, e conseguir uma capitulação completa do Syriza, deixando claro que não está disposta a negociar nada, inclusive com um governo que como o do Tsipras punha em discussão aspectos da política de ajuste.

Ante esse cenário de total prepotência imperialista, Tsipras chamou um referendo chamando o povo grego a aceitar ou rechaçar o ultimato da Troika, enquanto continua defendendo a última proposta grega aos credores que inclui duras medidas antipopulares. Seu objetivo é melhorar a relação de forças nas negociações com o Eurogrupo antes de 30 de junho, data em que Atenas terá que reembolsar 1,6 bilhões de euros ao FMI, em troca de salvar seu futuro político. Mas a resposta da Troika foi una negação a qualquer prolongamento do “plano de ajuda” e a suspensão unilateral das negociações.

Contra a ofensiva imperialista da Troika e da UE, desenvolver a mobilização operária e popular

O presidente da Comissão Europeia, o conservador Jean-Claude Juncker, Angela Merkel, e o FMI junto ã direita da Nova Democracia e os sociais liberais do PASOK, encabeçam uma campanha internacional reacionária pelo SIM, tentanto aterrorizar o povo grego com a ameaça da saída do euro, com as consequentes desvalorização e inflação. O triunfo do SIM implicará uma nova derrota, ao aceitar todas as imposições da troika, uma humilhação total do país com uma austeridade redobrada.

O governo grego chama a votar NÃO ao plano apresentado pela troika no dia 25 de junho, mas segue buscando uma negociação e aceitaria um plano de “austeridade moderada” como já fez na semana pasada. Por isso muitos veem que o referendo é uma armadilha para legitimar o governo nas negociações.

Mas enquanto o governo de Tsipras tratará de usar o referendo para manobrar com os líderes europeus e manter a política de ajuste em troca do resgate, os trabalhadores, jovens, setores pauperizados expressarão seu repúdio ã troika e sua negativa de pagar com a fome o resgate dos banqueiros e capitalistas.

O rechaço ã troika se expressará de diversas maneiras, tanto naqueles que votarão NÃO como nos que não veem que o referendo seja alguma saída. Mas a chave para derrotar a troika é organizar o enorme repúdio popular contra as imposições imperialistas da UE e transformá-lo em uma grande mobilização operária e popular.

O governo grego especula que a “Troika” finalmente cederá algo, já que a saída da Grécia do euro poderia desatar uma crise no conjunto da eurozona e por em risco a unidade europeia. Mas se isso não funciona, tem um setor que defende como “plano B” o restabelecimento do dracma, a moeda nacional. Tampouco se pode descartar uma variação que implique um default mas sem a saída da Grécia do euro, mantendo o controle de capitais de forma duradoura e estabelecendo uma moeda paralela.

A perspectiva de mais planos de austeridade para pagar uma dívida asfixiante e salvar a eurozona é insustentável para os trabalhadores e o povo grego. Mas também o é uma saída da zona do euro sem tomar medidas elementares contra o ataque seguro do capital, com a consequente desvalorização e inflação que teria consequências catastróficas para a classe trabalhadora e os setores populares na Grécia, como aconteceu com a Argentina depois do default de 2001-2002, o “corralito” bancário [controle de capitais] e o fim da convertibilidade entre peso e o dólar, que implicou uma brutal desvalorização que recaiu sobre os assalariados. No caso da Grécia as consequências poderiam inclusive ser piores, porque não há outra moeda circulante e nem condições econômicas que permitiram em seu momento a rápida recuperação da Argentina.

É necessário romper definitivamente as negociações com a Troika e começar a impor um plano de emergência que comece pelo não pagamento da dívida, o cancelamento de todas as privatizações, a anulação de todos os impostos indiretos ã população impondo impostos ao capital e aos ricos, para recuperar o que foi perdido dos salários e das pensões, a reincorporação de todos os trabalhadores demitidos e o fim da austeridade.

Frente ã fuga massiva de capitais que se intensifico unas últimas semanas, o fechamento bancário imposto por Tsipras, que prejudica fundamentalmente os pequenos poupadores enquanto que os grandes capitais e a grande burguesía grega já retiraram da Grécia grande parte de seus capitais, é necessário impor uma medida defensiva em interesse dos trabalhadores e do povo, que incluam a nacionalização de todo o sistema bancário, assim como a expropriação de todos os bens e ativos dos grandes grupos capitais gregos e estrangeiros, como os magnatas da marinha mercante, os mais fortes do mundo. Junto a isso os trabalhadores devem impor o controle operário nas principais empresas e indústrias. Esse programa para que a crise seja paga pelos capitalistas colocará a luta pelo governo operário.

Contra a Europa do capital e contra a demagogia da extrema-direita que usa a crise grega para defender seu reacionário programa nacionalista, lutamos pela unidade da classe operária de todo o continente que culmine nos Estados Unidos Socialistas da Europa.

Solidariedade internacional com os trabalhadores e o povo grego

O povo grego não poderá ganhar sozinho essa queda de braço. É necessário organizar a mais ampla campanha de solidariedade internacional com os trabalhadores gregos. Os sindicatos europeus têm que romper sua colaboração com os partidos e governos imperialistas, e chamar a mobilização nos diversos países em apoio ao povo grego. As forças da esquerda na Europa, como Podemos, que governam em coalizões em cidades como Madri e Barcelona têm que colocar todo seu poder de convocatória para impulsionar uma grande mobilização de massas, enchendo as praças e as ruas em apoio ao povo grego e exigindo em primeiro lugar o cancelamento unilateral da dívida de seus próprios países imperialistas.

Não apoiamos políticamente o governo do Syriza e alertamos que sua campanha pelo NÃO pretende uma melhor posição nas negociações, mantendo as enormes concessões que já fez nesses 5 meses. Nossa solidariedade é com os trabalhadores e o povo grego que demonstraram uma enorme vontade de luta com mais de 30 greves e paralisações gerais, contra a austeridade da Troika e dos governos capitalistas do Pasok-Nova Democracia que aplicaram as diretrizes dos memorandos, e que começaram a sair nas ruas contra essa nova chantagem.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)