FT-CI

Captura e libertação de militares britânicos

Blair humilhado no Irã

24/04/2007 La Verdad Obrera N° 229

Após 13 dias de tensão, em 4 de abril o governo do Irã decidiu libertar os 15 marinheiros britânicos aprisionados por um esquadrão da Guarda Revolucionária quando realizavam operações de inteligência no estreito de Shat al Arab, uma zona fronteiriça que historicamente tem sido motivo de disputa entre o Irã e o Iraque.

A situação gerada pela captura dos militares britânicos, que admitiram publicamente haver violdo a soberania iraniana e agradeceram pessoalmente ao presidente Mahmud Ahmadinejad por sua libertação, foi uma humilhação para Blair e seu amigo Bush e uma mostra eloqüente das conseqüências desastrosas da ocupação do Iraque para o imperialismo. A tal ponto que a imprensa o comparou com a tomada de reféns na embaixada norte-americana no Irã em novembro de 1979. Naquele momento, o resultado do "episódio marines" favoreceu o governo do Irã.

Ainda que a Inglaterra tenha negado, seus militares foram libertados como produto de um intercâmbio de prisioneiros, dado que o que abriu a boa "vontade do governo" iraniano foi a libertação de Jalal Sharafi, um alto diplomata da república islà¢mica sequestrado em Bagdá em fevereiro por agentes iraquianos ã serviço dos Estados Unidos. Recordemos que a crise se dá num contexto da disputa mais profunda sobre quem obtém uma correlação de forças melhor para uma eventual negociação política no Iraque ocupado, onde o Irã tem influência.

Os argumentos do governo britânico e as denúncias dos marinheiros de que suas declarações foram arrancadas sob tortura física e psicológica se debilitaram pela própria arrogância das tropas imperialistas. O capitão Chris Air, chefe dos marinheiros detidos, havia declarado ã televisão britânica alguns dias antes da captura, que a embarcação realizava tarefas de inteligência e espionagem e tinha como objetivo extrair informação dos pescadores do local sobre qualquer tipo de atividade iraniana na zona.

Para confirmar que desta vez havia começado com uma pequena vantagem, a somente poucos dias de concluído o incidente com a Inglaterra, Ahmadinejad anunciou em tom desafiador que Irã "está entrando no clube de nações que podem produzir combustível nuclear a escala industrial", reafirmando o direito de seu país de continuar com seu programa nuclear, apesar das sanções da ONU e da ameaça imperialista.

Fustigamento

Os Estados Unidos e o Estado de Israel, com o aval das Nações UNidas, vêm exercendo uma pressão crescente sobre o Irã com o objetivo de frear o desenvolvimento nuclear do país, implementando sanções econômicas e políticas cada vez mais duras, buscando isolar o regime iraniano e eventualmente gerar as condições para algum tipo de ação militar.

Os falcões mais decididos da administração Bush, o vice-presidente Dick Cheney e seu assessor Elliot Abrams e o Estado de Israel, vêem que a única forma de frear a "ameaça" iraniana é bombardeando suas capacidades nucleares e aos poucos debilitar a outras forças que resistem a ocupação imperialista no Iraque ou a inimigos do Estado de Israel como Hamas e Hezbollah. A existência do plano militar destes setores foi revelado com detalhes em um artigo recente pelo prestigioso jornalista Seymour Hersh, o mesmo que falou sobre as torturas na prisão de Abu Ghraib e a matança de My Lai durante a guerra do Vietnã.

Esta tendência guerreirista não só se debate abertamente dentro do governo, do Congresso e da imprensa estadunidense, mas também se apoia na concentração de forças navais norte-americanas e britânicas no Golfo Pérsico, muito próximo ao Irã, das que formava parte a patrulha interceptada pelos guardas iranianos. O objetivo desta força é aumentar a pressão contra o regime de Teherán, para que abandone o programa nuclear e deixe de apoiar com armamentos e treinamento militar as milícias aliadas no Iraque.

Segundo o diário The Guardian, inclusive "os Estados Unidos ofereceram empreender alguma ação militar pelos 15 marinheiros detidos no Irã". Entre as opções figurava "que aviões de combate norte-americanos patrulhem de forma agressiva as bases da Guarda Revolucionária Iraniana para ressaltar a seriedade da situação".

Mas nada disso ocorreu e Blair optou pela negociação, o que lhe rendeu críticas de setores da direita conservadora, assim como a atitude dos marinheiros que não resistiram ã detenção.

Ainda que não se possa descartar que o governo de Bush busque sair do pantâno no Iraque - e da situação cada vez mais complicada no Afeganistão - escalando o conflito contra o Irã, por hora esta saída parece pouco provável e o que até o momento prima é a ala mais "negociadora" da administração republicana da secretária de Estado Condoleezza Rice e o chefe do Pentágono Gates, partidários de manter uma pressão econômica e política sustentada sobre o regime de Teherán como forma de mantê-lo sob controle.

Fora o imperialismo do Iraque e do Oriente Médio

O incidente diplomático entre o Irã e a Inglaterra se dá em uma situação cada vez mais díficil para o domínio imperialista no Oriente Médio. O governo de Bush, repudiado internamente por sua política guerreirista, não encontra uma saída "digna" ao pântano da ocupação do Iraque. Apesar de haver incrementado o número de efetivos e da campanha para "liquidar a insurgência", as baixas imperialistas não deixam de aumentar - já chegam a quase 3.300 soldados - os combates não terminam e inclusivem se tornam mais violentos como o recente enfrentamento da cidade de Diwaniya, no sul do país, entre as tropas norte-americanas e milicias xiitas. O chamado pelo fim da ocupação tem tomado um novo impulso. No último 9 de abril, centenas de milhares de iraquianos, na sua maioria xiitas dirigidos pelo clérigo radical Muqtada al Sadr, - na clandestinidade desde fevereiro -, encheram as ruas de Najaf para exigir a retirada das tropas imperialistas no quarto aniversário da queda de Bagdá. Apesar dos sangrentos enfrentamentos inter-religiosos entre sunitas e xiitas que têm proliferado no último período, na mobilização participaram também setores sunitas. Segundo o jornal New York Times, esta foi "a maior mobilização em Najaf, o coração do poder religioso xiita, desde a invasão norte-americana em 2003". Neste marco, uma ação militar contra o Irã poderia ter conseqüências imprevisíveis.

Mais que nunca está colocada a unidade das massas exploradas e oprimidas do Iraque e do Oriente Médio e a mais ampla mobilização operária e popular em todo mundo para começar a derrota dos Estados Unidos, Inglaterra e seus aliados.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)