FT-CI

Brasil

Audiência de conciliação termina em impasse por intransigência da GM

24/02/2015

Audiência de conciliação termina em impasse por intransigência da GM

A audiência de conciliação realizada hoje no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, terminou sem acordo e não haverá nova audiência. O desembargador enviará instrução ao relator do Ministério Público para que dê parecer. A empresa em nenhum momento acenou com qualquer proposta diferente da demissão dos 798 trabalhadores. O sindicato se manteve firme de que os trabalhadores não aceitam qualquer demissão, e por isso a greve deve seguir.

Audiência de conciliação termina em impasse por intransigência da GM
Em greve desde sexta-feira, 20, os trabalhadores da GM seguem sem qualquer concessão da empresa. A empresa entrou já na sexta-feira com pedido de dissídio coletivo na justiça (sem qualquer diálogo anterior com o sindicato), que marcou audiência para hoje onde se esperava algum avanço nas negociações. Nada. A empresa segue com a proposta de um novo lay-off para novos 798 trabalhadores e ao final quer negociar apenas a indenização para demitir estes mesmos trabalhadores.

O sindicato não aceitou, corretamente, qualquer negociação que envolvesse demissões. Os representantes sindicais presentes na audiência, Macapá, presidente do sindicato, e Mancha aceitaram a intermediação do juiz que acenava com extensão do lay-off de 2 meses para 5 meses, desde que ao final estes trabalhadores tivessem estabilidade garantida. O sindicato pedia 6 meses de estabilidade após a cessação do contrato, o TRT propôs 90 dias. O sindicato mais uma vez disse que aceitaria esta proposta.

Mas quando parecia que poderia se fechar um acordo, a empresa bateu na mesa e disse que não aceitaria qualquer proposta diferente da negociação de indenização ao final do lay-off, ou seja, quer demitir a qualquer custo.

Para piorar a situação, no meio da audiência chegou a notícia de que a GM havia demitido por justa causa o companheiro Vinícius, diretor do sindicato e trabalhador da GM. Mais uma vez a empresa mostrava seus reais interesses, derrotar a qualquer custo os trabalhadores.

A empresa sugeriu que poderia continuar negociando apenas se o sindicato se comprometesse a encerrar a greve. Os sindicalistas responderam que somente poderiam levar uma proposta de encerramento da greve para a categoria se a empresa sinalizasse que poderia aceitar a proposta do TRT e ainda garantir o pagamento dos dias parados e estabilidade de 90 dias para os grevistas. Mais uma vez, a empresa se manteve intransigente, dizendo que não poderia fazer este acordo.

Diante deste cenário, o juiz encerrou a cessão e determinou o encaminhamento do processo ao relator do Ministério Público para que desse parecer sobre o conflito. Ou seja, nem mesmo seguirá qualquer conciliação no TRT de Campinas.

A greve deve continuar

Ao final da audiência entrevistamos o presidente do sindicato, o Macapá. O sindicalista disse que ”os trabalhadores não estão dispostos a aceitar nenhuma demissão. A greve está muito forte. Levaremos para os trabalhadores a proposta que o juiz apresentou [5 meses de lay-off e estabilidade de 90 dias ao final], mas com a intransigência da empresa a greve deve continuar”.

Perguntamos se o sindicato pretendia fazer novas manifestações que ampliassem o apoio democrático em torno da greve, Macapá disse que “seguiremos a greve e estamos dispostos a fazer manifestações, atos, inclusive caravana a Brasília em defesa dos trabalhadores da GM”, e seguiu “a situação nas montadoras e na indústria de conjunto é de muito ataque e demissão. Por isso achamos que o governo, na figura da presidente Dilma, tem que editar uma Medida Provisória que proíba as demissões. Temos que reduzir imediatamente a jornada de trabalho, onde a jornada hoje é de 44h deve cair pra 40h, onde já é 40h deve reduzir imediatamente para 36h. E qualquer empresa que demitir ou encerrar as portas, deve ser estatizada e colocada sob controle dos trabalhadores”.

A greve está em uma situação difícil com a intransigência da empresa. Por isso é muito importante criar uma rede nacional de solidariedade aos trabalhadores da GM. A CSP-Conlutas, que dirige o sindicato, terá reunião da sua coordenação nacional neste final de semana, e aí temos que urgentemente votar um plano de lutas contra as demissões na GM e de defesa dos direitos dos trabalhadores que estão sendo atacados através do governo Dilma, com as MPs 664 e 665.

As eleições para a nova diretoria do sindicato

Em meio ã greve da GM hoje começaram as eleições para a nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos. Além da Chapa 1, da CSP-Conlutas, de continuidade com a atual diretoria, tem a Chapa 2, composta pelas burocracias sindicais da CUT e da CTB. Apoiamos a Chapa 1 neste processo, para impedir um retrocesso que seria com a entrada do governismo no sindicato.

Perguntamos ao Macapá como estava o processo eleitoral. “As eleições estão muito boas pra gente. Diferente dos outros anos, vamos ganhar com muita força e também na GM, onde perdemos anteriormente, deveremos ter cerca de 80% dos votos. Só hoje cerca de 2 mil trabalhadores da GM já votaram, o que é um quórum alto. Nossa chapa tem 10 trabalhadores da GM que concorrem para a diretoria do sindicato”, disse.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)