FT-CI

Brasil | SABESP

água para matar a sede de lucro dos capitalistas

12/11/2014

água para matar a sede de lucro dos capitalistas

O papel do governo e da Sabesp no engendramento da crise foi ativo, decisivo. Mais que problema de estiagem, a verdade é que a crise é do governo e da burocracia da Sabesp. Profundamente privatizada e historicamente sucateada e aparelhada pela politicalha dominante, a Sabesp não esteve ã altura da crise e, mais que isso, foi inoperante, fracassou completamente em se antecipar, prevenir e administrar a crise. Ora, onde está a natureza nesse processo? Isso nada tem a ver com estiagem e sim com pilhagem de recursos públicos. E com sua privatização.

Sabesp: um negócio muito lucrativo

A história da Sabesp é relativamente conhecida: era um empresa pública, embora não prioritária como serviço público, que foi aberta e passou a ser controlada por capital privado, especialmente por capitais imperialistas a partir da Bolsa de Nova Iorque e, em dez anos demitindo, cortando gastos e aumentando tarifas, se tornou a empresa que mais rapidamente se valorizou naquela Bolsa. Atualmente é o quarto negócio mais lucrativo no ramo das águas, no mundo. Fatura 11 bilhões de reais por ano.

Dessa forma, o tucanato, agindo da mesma forma que o petismo vem fazendo com aeroportos e rodovias, privatizou a Sabesp, cometendo o crime de transformar a água em mercadoria. água é um direito universal dos povos e o governo de São Paulo torrou esse direito na Bolsa de Valores. Em vez de bem público, a água se tornou meio de acumulação de capital para meia dúzia de grandes investidores. Toda uma casta de políticos e de investidores enriqueceu rapidamente especulando com a água de São Paulo, na Bolsa, enquanto a Sabesp, para reduzir custos, não investia em infraestrutura para aumentar a oferta de água para uma população em crescimento. Esse foi o “choque de gestão” e de “modernidade” neoliberal que a Sabesp recebeu. E que se deu nos marcos da ofensiva do capital na esfera dos serviços públicos como saúde e educação nas recentes décadas.

Portanto, não foi por acaso que ela não tinha e nem tem a menor condição de lidar com a crise hídrica. Os interesses por trás da Sabesp são os do hidronegócio e não os da classe trabalhadora. É um problema de quem dirige a empresa e para que fins. E nesses moldes, os fins terminam sendo a privatização de um bem público como a água, o que resulta em um beco sem saída na perspectiva da população pobre, já que por essa via a Sabesp jamais cumpriria e nem cumprirá seu papel público.

Crônica de uma crise anunciada

Ao mesmo tempo, a verdade é que a Sabesp sempre soube da crise anunciada. E nada fez para evitar a catástrofe de racionamento que a população pobre vive hoje. Sua diretoria soube da estiagem de 2014 anos antes e tratou de avisar aos investidores norte-americanos: em 2012 enviou relatório para a Bolsa de Nova Iorque, anunciando que a estiagem vinha aí, e que se reposicionassem para que, enfim, não saíssem perdendo, considerando que a maior parte dos seus lucros derivam do sistema Cantareira, que ia secar. A população não foi avisada, os investidores sim, e dois anos antes. Isso foi denúncia recente do Ministério Público.

Mas é ainda pior: em 2004, portanto dez anos atrás, na ata de criação de um planejamento regional do uso dos mananciais (“outorga”), a Sabesp assumiu acordo formal de ampliar obras por novos mananciais de água para não continuar dependente do sistema Cantareira. Seria o caminho razoável. Mas desde então, nada de sério foi feito. Dez anos se passaram e o sistema Cantareira, não tendo reforço, não aguentou, eclodiu a crise de hoje. É caso para tribunal popular contra essa “hidroburocracia”. Não executaram desde 2004 a mais mínima medida anticrise.

Mais do que gestores públicos são gestores dos lucros do capitalismo e cúmplices da atual falta de água para o povo pobre. Em vez de trabalhar para que a catástrofe hídrica não chegasse, tudo que o governo fez foi passar a Sabesp para mãos privadas. Sempre houve alertas de que a crise atual viria, mas a Sabesp ignorou solenemente todos eles.

Um exemplo: documento da Fundação de Apoio À USP de 2009, entregue ao governador (José Serra, no caso) alertava para o risco de colapso do sistema Cantareira e aconselhava medidas urgentes. Nada.

Outro exemplo: desde 1960 há um projeto para a construção de sete reservatórios na região do Vale da Ribeira, sul do estado. Nunca foram construídos. E pelo cálculo de um especialista, Francisco Lahoz, do PCJ, se tivessem sido construídos apenas três deles, já teríamos um novo Cantareira, com 35 mil litros/segundo (C Capital, 25/9/14). Não tiraram esse novo Cantareira do papel, nem 54 anos depois de planejado. E em 2014 estão violentando o velho Cantareira até a última gota. Essa é a real história de uma calamidade construída.

É a população que gasta muita água?

E se quisermos ir mais longe, basta que se faça uma pergunta simples e que cada trabalhador consciente deveria se fazer e por em discussão em seu local de trabalho: quem é que mais desperdiça água encanada em São Paulo?

O governo gosta de dizer que é a população. Mas a resposta certa é: a Sabesp. Ela é responsável direta pelo desperdício de uma Cantareira por ano. Exatamente: através de vazamentos na rede que a empresa não conserta por contenção de gastos, para não gastar os lucros dos acionistas em despesas de manutenção da encanação urbana, deixam escorrer, para o solo, anualmente, quase um trilhão de litros de água.

Em 2004, a Sabesp tinha firmado o compromisso de combater as brutais perdas de água pela encanação; de lá para cá ela fez o contrário, demitiu trabalhadores e reduziu o serviço de manutenção. Além disso, apenas trata 64% dos esgotos sob sua responsabilidade (não deve dar lucro...).

A Sabesp chega a perder 40 % da sua produção de água, segundo o prof. Antonio Zuffo, da Unicamp (Carta Capital, 10/09/14). Ela vai embora por desgastes de juntas que causam vazamentos. O promotor M. Daneluzzi, que está com inquérito civil contra a Sabesp, informa que somente no ano passado, 2013, foram perdidos 924 bilhões de litros por vazamentos, quantidade equivalente ã capacidade máxima do sistema Cantareira (Carta Capital, 21/5/14).

A ONU indica que em países da Europa não se perde mais que 1% da água através da rede de encanação. E fora o fato, gravíssimo em termos de saúde púbica, de que cada vazamento no solo de São Paulo, um dos mais poluídos e contaminados do Brasil, implica em sujar a água que já foi tratada. A consequência é que, além da perda, teremos contaminação da água que vai ser bebida mais adiante. Em português corrente: privam o povo pobre de água e abastecem a cidade de doenças. Como se vai confiar na administração da burguesia?

Ou seja, a mesma Sabesp que fala em bônus para quem poupe um litro de água, que fala que a população tem que aprender a racionar, é a mesma que joga fora uma Cantareira por ano.

O que tem que ser dito, em alto e bom som, é que a Sabesp não se antecipou ã crise, está entre as causadoras da crise e não tem moral de exigir que o povo pobre racione água quando ela mesma desperdiça esse mundo de água tratada. Nem ela e nem esse governo têm moral para dirigir qualquer “comitê anticrise”.

A conclusão lógica disso tudo é que não se pode pensar seriamente em “fórum das águas”, em qualquer comitê anticrise, que não conte com a intervenção direta e consciente da classe trabalhadora a partir dos seus sindicatos e de sua organização independente nos bairros, a começar dos trabalhadores da Sabesp.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)