FT-CI

Egito

A endurecida luta operária se converte no maior problema para os militares no Egito

21/10/2011

Por André Augusto

As raízes dos desequilíbrios no Egito têm uma origem profunda, liberando a energia de contradições acumuladas em décadas, e começam a mostrar que nem mesmo a válvula de “transição” do Conselho Supremo das Forças Armadas se encontra ã altura de conter.

No último dia 10 de outubro as Forças de Segurança da Junta Militar responderam com uma virulenta represália estatal, aparelhada com munição de guerra e tanques militares, aos protestos de setores cristãos que se mobilizavam contra a negligência do governo em aplacar as crescentes tensões sectárias contra igrejas coptas (seita cristã no Egito). O saldo foi de 25 mortos, 300 feridos e a imposição do toque de recolher durante a madrugada. O rechaço ã perseguição aos setores cristãos é uma demanda legítima levantada por grande parte da população, e abriu uma crise política importante, culminando no pedido de renúncia de ministros eminentes do governo de transição.

O massacre desse “domingo sangrento” no Cairo é mais um episódio na série de embates da população contra todos os fios de continuidade que a Junta mantém com a ditadura de Mubarak. As demandas democráticas estruturais não foram atendidas (sequer as formais) e se força por afastá-las do horizonte político das massas, que não suportam mais a deterioração de suas condições de vida. A derrubada do ditador abriu uma série de contradições, uma vez que ela se deu sem alavancar conquistas no campo da luta contra a opressão pelo imperialismo e a questão da terra – isso se explica pelas debilidades do fator subjetivo das massas, pela ausência de protagonismo operário e de sua vanguarda revolucionária organizada em partido. No entanto, o que acontece agora é que essas contradições assumiram uma transcendência política singular, quando milhares de egípcios assaltaram a embaixada israelense no Cairo e forçaram a fuga do embaixador sionista.

Este salto no processo egípcio constitui um marco de progressão importante e nos remete a uma questão vital: o desenvolvimento da movimentação da classe trabalhadora. Numa situação assim tão convulsiva, em que o Conselho Supremo tem de tomar medidas para reforçar a lei de emergência, tem de perseguir implacavelmente os trabalhadores “culpados” por invadirem a embaixada israelense e enviá-los aos tribunais militares, além de apertar o nó nas leis que declaram ilegal o direito de greve, que a atuação política da nossa classe é o fiel da balança.

As greves em curso marcam o passo para uma nova fase com maior protagonismo operário?

O momento atual no Egito está impregnado pela continuidade e ampliação das greves operárias que se destacaram no período de 2006 a 2008.

A produção industrial egípcia foi profundamente golpeada pela enorme proporção de trabalhadores demitidos de seus postos desde janeiro. O primeiro trimestre de 2011 observou uma fuga de investimento estrangeiro direto do país no valor de U$163 milhões (sendo que, no último trimestre de 2010, houve uma entrada líquida de investimentos que superou os U$656 milhões). O setor de turismo, que sozinho é responsável por um em cada sete postos de trabalho e compõe 11% do PIB egípcio, foi prejudicado. A média anual das viagens internacionais com destino ao país caiu 46%, o que custou ao Egito U$2 bilhões. Some-se ã fuga de capitais uma taxa inflacionária de 80% no preço dos alimentos desde janeiro – um dos estopins para os processos revolucionários nos países árabes –, a entrada anual de 700 mil jovens egípcios num mercado incapaz de absorver esse volume de força de trabalho, combinado com 40% da população vivendo abaixo da linha de pobreza – é uma conjuntura social e política de uma bomba-relógio.

O fato de os padrões de vida e de trabalho da massa egípcia não terem melhorado em praticamente nada se soma ao aprofundamento da crise econômica mundial, o que abriu fissuras políticas difíceis de serem cicatrizadas entre o governo de transição e os trabalhadores. A prova incontestável disso se reflete na abrangência nacional dos conflitos operários. Desde o final do Ramadã uma onda de greves varreu o Egito, envolvendo centenas de milhares de trabalhadores, incluindo professores, médicos, enfermeiras, funcionários do transporte público, controladores de vôo, portuários do Canal de Suez e os operários da indústria têxtil.

Os professores entraram em greve – pela primeira vez desde 1951 – reivindicando melhores salários e condições de trabalho, assim como exigiram a renúncia do Ministro da Educação, Ahmed Moussa. 46 mil escolas empregam 1,5 milhões de professores, donde 80% estavam paralisados e ameaçavam o fechamento do ano letivo. A Junta Militar conseguiu, trabalhando lado a lado com o governo interino do primeiro-ministro Essam Sharaf e o Sindicato Independente dos Professores, encerrar ã força a paralisação, com oficiais do governo ameaçando repetidamente os grevistas com demissão e encarceramento. Por sua vez, milhares de motoristas do transporte público, mecânicos e cobradores de ônibus marcharam no Cairo exigindo incremento salarial e a derrubada dos dirigentes da Autoridade dos Transportes Públicos. Os operários da fábrica estatal Fiação e Tecelagem de Al-Mahalla, a maior do Egito, que emprega 24 mil trabalhadores, lançaram declarações públicas propondo greve geral no setor se as exigências contra a privatização da fábrica e contra a precarização do trabalho não fossem atendidas. Isso obrigou o governo de transição a fechar um acordo de concessões com representantes da fábrica e da Federação Sindical Independente do Egito, federação nascida da luta dos trabalhadores em rechaço ã federação ligada ao regime de Mubarak. Ainda em setembro, 4 mil operários fecharam o único porto egípcio de posse privada no Canal de Suez. O que se evidencia com acento particular nesses processos é a ofensiva da Junta Militar em reforçar as leis anti-greve e anti-protesto. Daily News Egypt escreve sobre o estado de atordoamento nos diversos setores acerca do Exército: “As mortes há uma semana aprofundaram a desconfiança em relação aos militares por parte do setor ‘revolucionário’, os liberais politicamente ativos e os ativistas de esquerda, que vêm conduzindo os protestos contra o domínio dos generais há meses. São cada vez mais significativos os chamados para que o Exército deixe o poder” (17/10). As fricções e centelhas geradas pela luta de classes no país aceleram a experiência da vanguarda dos trabalhadores.

O “preço” da primavera árabe a descontar: crise econômica e luta de classes

Durante o ano, Tunísia, Egito, Líbia, Síria, Bahrein, Iêmen, viram juntos 20.6 bilhões de dólares serem eliminados do seu PIB, além de sofrerem prejuízos de 35.3 bilhões de dólares nas suas contas públicas, por causa da redução da arrecadação e dos aumentos de gastos.[1]

Não é um elemento secundário compreender que o principal fator que motoriza o desgaste político do Conselho Supremo do Egito é a onda de greves, e que mesmo que exitosamente desativadas pelo governo e por ora contidas, o expediente das concessões precárias revelou-se incapaz de reverter a localização crítica em que se encontra o regime, e não apenas aos olhos das massas. As tensões políticas em ebulição – também relacionadas ao conflito Irã-Arábia Saudita –, o alargamento das greves combinados ã turbulência no mercado global fazem com que a própria burguesia tenha de buscar medidas que pressionem a junta a acelerar a saída da cova econômica em que está sepultada. A mídia burguesa protesta, como o Daily News Egypt, que escreve: “A economia está em primeiro lugar. Se as greves continuam, o crescimento será menor, mais cedo do que se espera” (25/9).

Como aparece com a repressão aos coptas, a política do imperialismo e da Junta Militar aponta a uma tendência de insuflar enfrentamentos sectários controlados para depois lançar mão de medidas bonapartistas contra todos os setores em movimento, principalmente contra a vanguarda anti-sionista e os trabalhadores. Essa é uma política arriscada, que pode sair ao controle com as explosões operárias em luta contra a repressão e as violações burguesas, mas também com o avanço de compostos políticos mais elevados, como o anti-imperialismo, o fim do bloqueio ã Gaza e dos acordos Egito-Israel, que a Junta só faz por honrar.

Como escrevemos no número anterior do Palavra Operária, a relação de forças entre as classes ainda não foi experimentada até o final, não foram gastas e acumulam-se com as dificuldades próprias da dispersão e dos choques espontâneos com as forças reacionárias do governo, pela inexistência de um partido proletário revolucionário que possa organizar essa experiência e traduzi-la no programa e métodos de ação. No entanto, a dinâmica de maior protagonismo operário abre a possibilidade de que se aprofunde a combinação da luta das massas contra a exploração econômica com sua luta política contra a opressão nacional.

20-10-2011

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)