FT-CI

GRÉCIA REFERENDO

A Europa do capital contra o povo grego

04/07/2015

A Europa do capital contra o povo grego

As declarações dos principais mandatários europeus, chamando a votar “SIM” na consulta grega de domingo, formam parte de uma descarada campanha de ingerência imperialista que busca infligir uma derrota humilhante ao governo do Syriza e ao povo grego. Nesta operação participam representantes do BCE e da UE, mandatários europeus e o FMI; conservadores e socialdemocratas, as duas alas do mesmo partido da Troika, de que também formam parte Nova Democracia, PASOK, To Potami e toda a oposição capitalista grega.

O referendo grego é apresentado pelo establishment político europeu como uma escolha entre continuar na Zona do Euro e o temido “Grexit”, uma possível expulsão da Grécia do Euro, que nos marcos da crise atual e sem um programa que avance decididamente contra os interesses e a propriedade capitalista (o que está fora do horizonte do governo de Tsipras) provocaria uma forte desvalorização da moeda com a posterior inflação e mais penúrias para os trabalhadores e a população.

O socialdemocrata e ministro de finanças alemão, Sigmar Gabriel, começou a semana com artilharia pesada: “Se vence o não, será um voto claro contra a permanência no Euro”. “O melhor seria cancelá-la”, disse sobre a consulta. Angela Merkel não só acompanhou estas declarações, em uma coletiva de imprensa conjunta, senão que vários dirigentes de seu partido, a CDU, declararam que descartam um acordo com a Grécia, e que esperam a vitória do “SIM” para que se produza uma mudança de governo. E caso houvesse alguma dúvida, no 1° de julho, o jornal britânico The Times, difundiu declarações de um alto cargo alemão, dizendo que enquanto Tsipras e Varoufakis continuassem no poder, não se iria chegar a um acordo.

Também Matteo Renzi, o Primeiro Ministro italiano a quem Tsipras buscou de aliado desde o início das negociações para “frear a austeridade”, foi um dos primeiros em alistar-se na campanha pelo “SIM”. Em sua conta do Twitter escreveu em inglês: "o referendo grego não é um enfrentamento entre a Comissão Europeia e Tsipras, senão que entre o Euro e o dracma. Essa é a decisão".

Mas o Primeiro Ministro francês Manuel Valls tampouco ficou atrás. "Respeitamos o povo grego e as decisões do Governo (...) Lhes corresponde votar, mas lhes pedimos que votem com os olhos abertos, medindo todas as consequências do que poderia acarretar o não, que poderia fazer a Grécia sair da Zona do Euro", disse nesta quarta-feira (1).

Como de costume, as declarações mais provocadoras vieram do mandatário espanhol, o conservador Mariano Rajoy, que sob a pressão que implica para o desgastado Partido Popular o ascenso do Podemos, disse: “se Tsipras perde o referendo, isso será bom para a Grécia. Se ganha o referendo, a Grécia não tem mais alternativa a não ser sair do Euro”. “A boa notícia de que o governo (grego) perderia o referendo é que haveria outro com quem negociar", soltou.

Ainda que uma das declarações mais ácidas e prepotentes tenha vindo do Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. O rico político luxemburguês disse aos gregos: "não deveria suicidar porque a morte te assusta".

Mas estas declarações são só a cara midiática da ofensiva do imperialismo europeu. A outra cara se mostra no terreno e faz sofrer a maioria dos trabalhadores e do povo gregos. Como dizíamos em outro artigo recentemente, laexcesiva confiança do Syriza nas negociações “por cima” e as manobras tácticas como a convocatória do referendo, se desenvolveram em um marco em que a Troika não deixou de apertar o pescoço do povo grego, empurrando a economia do país ã catástrofe, enquanto os magnatas e milionários gregos, retiravam bilhões de euros para a Suíça e outros paraísos fiscais.

Enquanto isso, os porta-vozes do imperialismo norte-americano evitam pronunciar-se claramente sobre o assunto, ainda que os EUA ventilam sua posição por meio de seus “representantes intelectuais”, como Paul Krugman ou Stiglitz, que chamaram a votar “NÃO” e defendem que se estabeleça uma reestruturação da dívida grega. Uma política a que inclusive parece ter se somado o FMI nas últimas horas. Posições que longe de expressar algum tipo de atitude democrática ou solidária com o povo grego, mostram que as disputas interimperialistas (especialmente entre Estados Unidos e Alemanha), também se manifestam na crise grega.

“It’s too late”

Nesta terça-feira o jornal britânico matutino Financial Times filtrou uma carta que Tsipras enviou ao Eurogrupo na segunda ã noite, na qual o governo grego assegurava que a mudança de um novo plano de “resgate”, aceitaria quase a totalidade das exigências da Troika, salvo algumas modificações menores.

Tsipras pediu um novo plano de resgate, com um financiamento de 30 bilhões de Euros e uma reestruturação da dívida grega, a mudança de comprometer-se a cumprir com a maioria do programa da Troika. O pedido foi uma tentativa de “última hora” para chegar ao que Tsipras chama “um acordo viável”, mas que implica aceitar uma variante “moderada” da austeridade que quer impor a Troika.

No entanto, apesar desta oferta tão “generosa” – com mais concessões do que já tinha feito o governo grego na semana anterior, antes da ruptura das negociações e da convocatória do referendo –, o Eurogrupo disse que já era tarde demais para negociar; “It’s too late”. Os “falcões” alemães se negaram a seguir negociando antes do referendo. Jogam-se pela vitória do “SIM” e estão embarcados em uma campanha reacionária continental para conseguir este objetivo, que se alcançado implicaria uma dura derrota para o governo de Tsipras e o povo grego, e inclusive a convocatória a novas eleições.

O referendo e a política de Tsipras

Milhões de trabalhadores e setores empobrecidos e castigados pela crise votarão “NÃO” neste domingo, como forma de repudiar o “arrocho” da Troika e dizer que não querem mais austeridade e cortes. “Voto não, porque já não tenho medo de estar pior”, disse um aposentado grego com seus três filhos desempregados a uma rede de televisão espanhola.

No entanto, o referendo convocado pelo Governo do Syriza tem profundas contradições, começando pelo fato de que a cédula de domingo consulta sobre uma proposta que o Eurogrupo diz que já não está sobre a mesa.

O Syriza apresenta o voto “NÃO” como uma forma de melhorar sua posição nas negociações e conseguir um “acordo viável”, uma “solução justa” depois do referendo. Mas essa solução implica nada menos que aceitar 95% das exigências da Troika, em troca de uma promessa de reestruturação da dívida, apresentando a aceitação de uma austeridade ligeiramente moderada como um duro enfrentamento com a Troika.

Por sua vez, a estratégia conciliadora que vem sustentando o governo nas negociações, oferecendo todo tipo de concessões e prometendo chegar a um acordo para um novo resgate, mina desde dentro as possibilidades de uma vitória do “NÃO”, gerando incerteza sobre o que acontecerá no dia seguinte.

A situação está muito polarizada. Ainda que várias pesquisas dão como ganhador o “NÃO”, estaria encurtando-se sua diferença com o “SIM” nos últimos dias. O discurso televisivo de Tsipras tentou inverter esta situação, mas os resultados do referendo ainda são incertos.

NÃO ã chantagem da Troika, NÃO ao pagamento da dívida e os planos de ajuste

Para enfrentar a prepotência da Troika, é necessário dizer NÃO ã chantagem imperialista contra o povo grego, mas também NÃO ao pagamento da dívida e aos planos de ajuste. Os trabalhadores e o povo grego não podem seguir pagando pela crise dos capitalistas e que caia sobre seus ombros o pagamento da dívida para salvar a Zona do Euro. Ainda que tampouco é sustentável para o povo grego uma saída do Euro sem tomar medidas contra a ofensiva que seguramente fará o capital, que incluiriam a desvalorização da moeda e que se desate a inflação com consequências catastróficas para o nível de vida da classe trabalhadora e os setores populares, como aconteceu na Argentina depois do default de 2001.

Definitivamente, uma saída favorável aos interesses das maiorias sociais da Grécia não sairá das negociações “de palácio” com a Troika. A única saída realista passa por desenvolver a mobilização operária e popular, romper definitivamente as negociações com a Troika, a UE e todos os memorandos, e impor um plano de emergência que comece com o não pagamento da dívida, o cancelamento de todas as privatizações, a anulação de todos os impostos indiretos ã população impondo impostos ao capital e aos ricos, para recuperar o que perderam os salários e as pensões, a reincorporação de todos os trabalhadores demitidos e o fim da austeridade.

Nestes marcos a nacionalização dos bancos sem indenização e sob controle dos trabalhadores, assim como o estabelecimento do monopólio do comércio exterior, são medidas elementares de autodefesa, para deter a fuga de capitais, evitar manobras especulativas, acabar imediatamente com o congelamento das contas (o “curralito”) que sofrem os trabalhadores, os aposentados e os donos de pequenas poupanças, e em lugar disto descarregar a crise sobre os capitalistas, nacionais e estrangeiros, que são os que provocaram a crise e se beneficiaram todos estes anos.

Nestes dias estão acontecendo mobilizações em diferentes países em solidariedade ã Grécia. Conseguir que estas mobilizações sejam massivas é a melhor arma de solidariedade com o povo grego e para enfrentar a reacionária campanha imperialista a favor do “SIM”. As direções reformistas dos sindicatos e as novas formações políticas como o Podemos, devem pôr-se ã cabeça de convocar estas manifestações e brindar seu apoio incondicional aos trabalhadores e o povo gregos, começando por exigir o cancelamento unilateral da dívida em seus próprios países imperialistas.

Hoje mais do que nunca é necessário impulsionar a mobilização social e a solidariedade internacional.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)