FT-CI

UTÓPICO É O CAPITALISMO, REALISTA É UMA SAÍDA OPERáRIA E REVOLUCIONáRIA

14N, greve geral e mobilização europeia

12/11/2012

Por Arsen Sabeté, Cynthia Lub, Clase Contra Clase Estado Espanhol

No próximo dia 14 de novembro ocorrerá uma greve geral que afetará toda a região sul da Europa, a mais castigada pela crise econômica que atravessa o velho continente. Espanha, Portugal, Grécia e em menor medida a Itália (greve de 4h) encabeçam a medida. Em outros países chave da Europa como França e Grã-Bretanha, e outros de menor relevância, haverá mobilizações e outras medidas de força. As burocracias sindicais vendidas em todos os países, que temem como a peste uma verdadeira coordenação e um plano de luta operário e popular, impõem ao 14N fortes limites. Não obstante, é uma ação operária histórica na União Europeia com a qual os trabalhadores saem a enfrentar os duríssimos planos de ajuste, com cujo auxílio a burguesia imperialista europeia vem descarregando a crise sobre as massas trabalhadoras. Em todos os países, os trabalhadores, estudantes, setores médios arruinados e até os mais golpeados e perseguidos como os imigrantes, vem desenvolvendo uma resistência com marchas massivas, greves gerais e lutas duras (isoladas pela burocracia). Essa jornada pode ser um passo adiante no enfrentamento com os governos capitalistas que tratam de salvar os banqueiros e burgueses, sobre as cabeças das amplas maiorias. Publicamos uma nota de nossa organização irmã no Estado Espanhol, Clase contra Clase, sobre o 14N nesse país.

A Greve Geral do 14N no Estado Espanhol conflui com uma jornada de luta na Europa, greves gerais também em Portugal, Chipre, Malta, possivelmente na Grécia, greve de 4h na Itália e mobilizações no restante dos países contra as políticas de austeridade e da crise capitalista. Os históricos ataques que carregam contra os trabalhadores e a juventude se dão também em outros Estados sob os ditados da Troika - União Europeia (UE), Banco Central Europeu e FMI - e a aplicação dos distintos governos. Trabalhadores, jovens e setores populares do Estado Espanhol viemos pagando pelo quinto ano da crise capitalista. Cinco anos de crise não foram em vão para os capitalistas: nos conduziram a condições de vida dramáticas, com milhões de desempregados, centenas de milhares de despejos e uma juventude sem futuro. "Moderar ou humanizar o capitalismo", "gradualmente" mediante a "democracia participativa" para conseguir a "igualdade social" dentro deste sistema como propõem uma série de organizações que vão desde os sindicatos majoritários CCOO e UGT até a Izquierda Unida (IU), e projetos municipalistas como as CUP (coalizão de correntes da esquerda independentista català), assim como projetos eleitorais como Syriza na Grécia, é uma utopia reacionária ante este ataque generalizado.

Obscuras perspectivas para a classe trabalhadora e o povo

Os orçamentos para 2013 contemplam a redução de mais de 30 bihões de euros, para conseguir um déficit que não supere 3,8% do PIB. O custo da dívida pública se converterá no segundo maior gasto dos Orçamentos do Estado - atrás das pensões. A tudo isso se somam os milhares de demitidos no funcionalismo público e aquelas dmeissões que se acumulam no âmbito privado. O número de desempregados alcançará 26% em 2013, a taxa mais alta da União Europeia, junto com a Grécia. Neste marco, se agravou a crise social. O problema da habitação é um dos dramas mais graves, tal como o expressam os suicídios daquelas pessoas que caem no desespero. Os setores mais afetados são em primeiro lugar os mais explorados da classe trabalhadora, os trabalhadores precários, os imigrantes, a juventude que Nem pode trabalhar Nem pode estudar. Basta de paz social! No 14N, todos ã Greve Geral.

A greve geral do 14N será um sopro de ar fresco que dá força a uma nova onda de lutas no Estado Espanhol e no restante da Europa para romper a asfixiante "pax social" que mantém a burocracia sindical. Pode ser um impulso para dar respostas mais contundentes aos ataques capitalistas. Mais ainda, a nível mundial começa a haver lutas duras da classe trabalhadora não somente na Europa - hoje epicentro da crise - mas na China ou nas greves dos mineiros sul-africanos. Para que esta jornada de greve do 14N se converta na ponta de lança é indispensável combater a política de paz social da burocracia sindical da CCOO e UGT. Com estas direções, dilapida-se toda a potencialidade que demonstrou a classe trabalhadora e a juventude, como o 29M ou a greve dos mineiros, as mobilizações do funcionalismo e da educação. Por isto é necessário nesta greve promover a organização operária em assembléias democráticas desde as bases, a unidade de efetivos e precários, desempregados, nativos e estrangeiros, na perspectiva de fortalecer nossa classe, recuperar nossos sindicatos como ferramentas de luta e acabar com estas direções sindicais, em boa parte responsáveis pelo estado no qual nos encontramos.

Contra a Europa do capital e seus regimes: uma alternativa operária e revolucionária

No 14N ver-se-ão duas Europas. A dos trabalhadores e setores populares, e a dos Governos que salvam a classe capitalista e regsuardam seus interesses. Esta jornada de luta continental deve ser um primeiro passo em forjar a unidade internacionalista dos trabalhadores contra os planos da troika. O início de um plano de luta sustentado e contundente, que aponte os culpados pela crise, os capitalistas, seus Governos e a UE. É necessário lutar por um programa que os façam pagar pela crise, que defenda a partilha das horas de trabalho sem redução salarial, a expropriação sob controle operário das empresas que fechem ou demitam, a nacionalização dos bancos e que encaminhe a luta na perspectiva de acabar com o Regime de ’78, o sistema capitalista e a própria UE. A crise coloca em evidência que ou se salvam eles, ou nós, o que em última instância se reduz a que ou governam eles, os representantes dos banqueiros e empresários, ou nós, os trabalhadores. É necessário lutar para que se joguem abaixo estas democracias para ricos e seu acordo inter-estatal anti-operário que é a UE. Trata-se de todo um entramado político que, ademais, garante o domínio imperialista das potências europeias sobre os países da Europa do Leste, África, Ásia e América Latina, e mantém a negação do direito de auto-determinação para as nacionalidades, como a català e a basca.

A uta contra os planos de ajuste necessariamente tem de sair dos marcos o capitalismo se não quer ser levada a um beco sem saída. A luta por colocar fim ã deterioração que nos estão impondo é um aluta contra um sistema que com sua crise ameaça repetir formas de barbárie passadas, como no século XX. No Estado Espanhol como na Grécia e outros países da União Europeia, assomam tendências de extrema-direita, de racismo antiimigrante e xenofóbico. Para impedir que a crise do euro e da UE nos arraste ã miséria e a uma espiral de novos nacionalismos e xenofobia, que somente pode conduzir a novas guerras e catástrofes para os trabalhadores, devemos lutar pela perspectiva revolucionária de construir uma verdadeira união voluntária de todos os países do continente sobre as ruínas dos atuais regimes políticos e a imperialista UE, construindo governos de trabalhadores que se federem livremente e ponham de pé os Estados Unidos Socialistas da Europa. Ante esta perspectiva, tanto a nível nacional, como continental e mundial, devemos passar da indignação à luta revolucionária pela transformação deste sistema. O ue é realista hoje é lutar contra o capitalismo para derrubá-lo. Hoje uma saída revolucionária e de classe é menos "utópica" que a reforma deste sistema putrefato que enquanto cai, se mostra cada vez mais destrutivo para a humanidade.

Viva a Greve Geral do 14N!! Por uma Greve Geral europeia!! Contra suas democracias para ricos e a Europa do capital!!

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)